Uma viagem pela Argélia

A Argélia não era uma novidade para mim. Desde muito pequeno escutava as histórias deste que é o maior país da África. Meu avô, Professor Bigarella, contava com brilhos nos olhos sobre suas experiências na Árgelia. Na década de sessenta havia sido chamado pelo recém-independente governo para prospectar petróleo. Como cientista, acabou se apaixonando mesmo pelo Saara Argelino, onde considerava ser o lugar mais bonito do mundo. Podem dizer que é entusiasmo de geólogo, mas muitos que conhecem Tassili N´ajjer ou as montanhas Hoggar hão de concordar.

Eu já havia viajado extensamente por países árabes e mais ainda pelo mundo islâmico. É normal que se tenha expectativas e se faça comparações. Talvez por causa disto que minha recente viagem pela Argélia tenha sido tão marcante. Foi completamente diferente do que imaginava. Esqueça referencias como Marrocos e Tunísia, por exemplo. O Marrocos, uma monarquia alinhada com o ocidente desde sempre, ao lado de uma Argélia revolucionária, que dependeu por tanto tempo da URSS, parecem água e vinho. A distinta colonização teve um papel importante no desenvolvimento da cultura e estrutura dos países. A Argélia foi ocupada pela França por mais de 130 anos, tempo significativamente superior a da Tunísia, e mais que o dobro da do Marrocos. A maneira como foram conquistadas e administradas também foi muito diferente. Tratados foram assinados com os governos do Marrocos e Tunísia, transformando-os em uma espécie de protetorado. A Argélia perdeu seu território pela força, e não teve como reconquistá-lo a não ser pela guerra, uma brutal guerra de independência. A França administrava o território argelino como parte integral do país, a chamada Argélia Francesa. Semelhante ao que ocorre com a Guiana Francesa e a Polinésia Francesa hoje em dia. Porém os argelinos tinham direitos diferentes naquela época. Os Pied-Noir (colonos de origem francesa) eram privilegiados em relação aos argelinos nativos.  Inevitável que isto fosse questionado e reivindicado.

.

Sempre soube que a Argélia era uma sociedade conservadora. Talvez por isto tenha me surpreendido tanto ao ver mulheres sem nenhum tipo de hijab na minha chegada ao aeroporto de Argel. Longe de ser maioria, mas quando meus anfitriões chegaram para me buscar, notei que ela estava de saia e blusa sem manga. Um mês antes havia publicado um pedido de lugar para me hospedar na casa de anfitriões argelinos através do aplicativo “Couchsurfing”.  Quem conhece a ferramenta sabe que nunca é tão fácil para receber uma resposta. Para minha surpresa, recebi mais de quinze convites em poucos dias, e logo tive que cancelar o pedido para não frustrar as pessoas. Não foi diferente nas outras cidades. Em toda a viagem, me hospedei na casa de argelinos. Médico, vendedor de kebab, estudante, cineasta, desempregado, vendedor de jogos piratas, dentre outros. Quando não era através do aplicativo, recomendavam um parente, amigo ou alguém disposto a ajudar, indo até mesmo me buscar na rodoviária em plena madrugada. Lanchinhos para a viagem e presentes não eram incomuns.

Com tantos contatos feitos antes da minha chegada à Argel, resolvi fazer um encontro para conhecermos o Casbah, deixaria outras atrações para conhecer sozinho.  Pelo menos uma dezena deles compareceu. Bom para o relacionamento e para a segurança também. A decadente parte antiga da cidade, apesar de ser patrimônio da Unesco, não é muito turística. Dizem ser lar de pequenos delinquentes e até ex-terroristas, que se escondem pelos labirintos formados pelas ruelas. Perigoso? Exige cuidados, mas com certeza muito mais seguro que áreas centrais de diversas grandes cidades brasileiras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Casbah fica numa colina que desce até o mar, onde existem casarões escondidos atrás de portas decoradas e pouco lembra as Medinas do Marrocos e da Tunísia. Na ocupação francesa não havia muito espaço para a cultura argelina, então Medinas e outros símbolos nacionais foram destruídos.  Alias, “Medinas” mesmo, antigas cidades muradas, praticamente inexistem no país. Uma grande exceção talvez seja o vale M´zab, já bem adentro do Saara. Cinco cidades fortificadas (Ghardaia é a principal delas) preservam arquitetura, cultura e até religião própria. Mesmo os árabes tem dificuldade em se estabelecer por lá. Os Mozabites são berberes, praticam uma vertente do islamismo chamada Ibadismo e tem um conjunto de leis que regem a sociedade bem especifico. Árabes que vivem na região às vezes se revoltam, e conflitos são inevitáveis, causando muita dor de cabeça ao governo. Governo, aliás, que é muito impopular, mas visto como única opção. Insatisfação impulsionada pela crise econômica de um país que depende quase que exclusivamente da exportação de gás natural e petróleo, taxados por preços internacionais. O valor do Dinar Argelino é 60% menor no mercado negro. Dizem que o próprio governo acaba especulando e se beneficiando com isto, na espera de uma alta do petróleo para reestabelecer a economia. Pude observar diversos prédios, às vezes cidades inteiras que estavam em construção e foram abandonadas. Ao perguntar o porquê da Argélia não ter tido uma “Primavera Árabe” a resposta era sempre a mesma. Tivemos os “(anos) 90`s negros, esta foi a nossa Primavera Árabe”, referencia a guerra civil argelina que durou uma década. Na época, logo após o colapso da URSS, o partido de oposição, Frente Islâmica de Salvação, ganhava as eleições. O governo não deixou que assumissem e a oposição se organizou para uma luta armada. Estima-se que 200 mil pessoas foram mortas, grande parte civis.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Hoje o país está bem mais calmo, somente algumas regiões no extremo sul da Argélia devem ser evitadas. Sim, mesmo depois da anistia, alguns terroristas continuam em atividade e até juraram lealdade a Al-Qaeda, mas estamos falando de regiões a dois mil quilômetros desde a capital Argel. A Argélia é cheia de atrações, tem um inimaginável potencial turístico. Dezenas, talvez centenas de ruínas romanas. Mesmo nas mais impressionantes delas, como Timgrad, Djemila ou Tipaza, provavelmente você será o único visitante. Se sobram pontos de interesse, falta informação e infraestrutura para o turismo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nas montanhas, não é difícil de se encontrar argelinos fazendo piquenique. Ghoufi, com suas fortificações berberes ao longo do cânion estava repleto de famílias passeando. Mais próximo do mediterrâneo é onde a vida pulsa. Se por um lado os argelinos reclamam das opções de lazer, por outro improvisam quando tem tempo livre. A infraestrutura nessa região também é muito melhor, tendo inclusive uma excelente autoestrada que corta o país de leste a oeste.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Próxima do Mediterrâneo, a cidade de Constantina não tem praia, mas nem por isto falta vida. Apesar de ser a terceira maior do país, é uma cidade muito acolhedora.  Um clima de cidade pequena em uma metrópole. Lá se toma café em vez de chá, bebida que era mais popular no interior do país. Diversas boulangeries onde se pode parar para ver o dia-a-dia e admirar as belas pontes que ligam a cidade velha, pendurada na beira do penhasco. O arquiteto brasileiro Oscar Nyemeier projetou alguns monumentos na Argélia, mas provavelmente o mais famoso seja a Universidade de Constantina.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Minha despedida do país foi em Annaba, cidade onde viveu e morreu Santo Agostinho, um dos maiores filósofos do cristianismo.  Visitei a imponente basílica no topo da colina, logo acima das ruínas da cidade de Hipona. Aproveitei a praia, tomei banho de mar e a noite discuti o dia-a-dia dos meus anfitriões tomando duas garrafas de vinho argelino. Durante todo o período da viagem, não conseguia parar de pensar como não adianta somente ler e estudar sobre um país, porque a nossa capacidade imaginativa tem limites. É preciso experimentar. A Argélia talvez seja uma das maiores provas disto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

*Texto que escrevi para o Estadão Internacional a convite do Jornalista Guga Chacra.

 

Anúncios

Azerbaijão, novo país do “faz de conta”?

O Azerbaijão, assim como seus vizinhos, fica bem na encruzilhada entre Europa e Asia. Se um pouco mais a oeste, em Istambul, a divisa dos continentes é o estreito de Bósforo, por aqui é a cadeia de montanhas do Cáucaso que faz esta divisa. Portanto esta linha não é tênue e sim quilômetros e montanhas de distância, fazendo da região meio Europa meio Asia.

Por ficar em uma encruzilhada, acabou tendo influência de todos os povos que passaram por ali. Os persas zoroastras, a conversão para o cristianismo, conquista dos árabes, chegada dos turcos que tiveram diversas disputas com os russos. Os azeris acabaram ficando uma mescla de tudo isto. São um povo turco, mas teoricamente seguem o islamismo shiita. Na verdade são bem seculares e europeus, porém muito hospitaleiros. Sem esquecer um toque de influência Russo-Soviética, que sempre deixa suas marcas.

Com uma ou outra exceção, a grande maioria das pessoas que conheço que estiveram no Azerbaijão, não eram muito entusiastas sobre o lugar. Desta maneira eu já fui com uma expectativa baixa, mesmo sendo o tipo de pessoa que geralmente acaba gostando de tudo.

..

Baku

Após perder minha conexão em Istambul, tendo que dormir uma noite no aeroporto, meu voo pela manhã não teve maiores problemas. Cheguei na imigração com o visto no passaporte, tirado na embaixada no Brasil. Recentemente que cancelaram  os vistos no aeroporto (as regras vivem mudando). Isto não facilitou tanto as coisas. Uma entrevista de pelo menos 15 minutos com o oficial da imigração, deixou inclusive outras pessoas passarem na minha frente enquanto chamava seu superior. Queriam saber o que eu ia fazer lá e porque eu não tinha o visto para a Geórgia (não precisamos) meu próximo destino. Deixou claro que depois de 3 dias no país eu precisaria me registrar, se não teria problemas. Havia lido que a antiga disputa com a Armênia pelo Nagorno-Karabakh tinha se reacendido, causando algumas mortes na fronteira. Não sei se esta instabilidade política os deixou mais cuidadosos, se são sempre assim, ou se tive azar mesmo.

Troquei um pouco de dinheiro para ter a moeda local, o Manat Azeri comigo (moeda forte, próxima do Euro). Para desespero dos taxistas, neguei todas as propostas que iniciaram por 20 Manat e caíram para 10 quando eu já caminhava pelo estacionamento do aeroporto. Não muito longe a parada de ônibus, que custa 0,30 centavos até a estação do metro. Os passageiros riam da tentativa dos taxistas e uns discretamente acenavam para eu embarcar no ônibus. Lá dentro queriam me dar lugar para sentar e até pagar minha passagem. Como não tinha troco, sugeri pagar para mais duas pessoas que estavam conversando comigo, mas quando o cobrador chegou, só me avisou que alguém já tinha acertado a minha passagem. Não demorou tanto assim para chegar no metro, mas deu tempo de conversar bastante, tanto com pessoas que falavam inglês, quanto com outras que pediam para eles traduzirem tudo. Bastante curiosos e simpáticos.

Meu novo amigo me acompanhou até o metro. Ia em outra direção mas fez questão em me levar até a plataforma que me levaria até a cidade velha. Os metros são bem no estilo soviéticos, em tuneis muitos profundos.

Chegando no centro, logo fui para a cidade mudara, caminhando pelas ruas estreitas buscando o lugar que iria ficar. Tinha reservado pelo AirB&B, achando que era em um apartamento, mas era um apartamento transformado em hostel mesmo. Bem localizado, mas sem nenhuma placa, pois não deve ter licença. Subi e desci as escadas até achar o lugar. Chegando encontrei meu amigo Marcelo, que viajaria comigo daqui em diante (ele foi comigo para o Haiti ano passado).

É fácil de perceber que Baku, a cidade dos ventos, é a capital de  um grande exportador de petróleo. Ao redor da cidade velha, muitos prédios e construções novas. É possível perceber a rápida mudança que vem acontecendo. Na praça da fonte, uma ou outra construção antiga, já perto de um Mc Donaldes bem movimentado. Um calçadão, Nizami Kuç, cheio de lojas e pessoas. Claro que é uma região moderna da cidade, mas vi pelo menos 50 mulheres com o ombro de fora para cada uma com a cabeça coberta. Difícil saber se é uma herança do comunismo ou culpa do capitalismo-modernismo. Um pouco mais para frente, no Heydar Park, calçadões que brilhavam de tão limpos. Fontes que a noite são todas iluminadas e coloridas e passagens subterrâneas pelas ruas todas com escadas rolantes e comercio padronizado. Um pouco arrumado de mais para meu gosto. Algumas crianças jogando bola eram a única coisa que dava um pingo de vida para o lugar. Do outro lado da cidade velha, na beira do mar Cáspio, um moderno calçadão, também impecavelmente limpo. Trabalhadores terminando novos edifícios e um novo e moderno estádio a vista. As três torres (Flame Towers) se destacam na cidade. Poderia ser um grande contraste com a cidade velha, mas na verdade é fácil de perceber que ela não é tão velha assim. Está quase toda reformada. Podem me chamar de implicante, mas também está um pouco arrumada demais para meus padrões.

.

Construções novas

.

Praças impecáveis

.

Novo e Antigo

É bacana se perder nas ruelas da cidade vela. Ao acaso ainda é possível ver algumas cenas do dia a dia, pois existem famílias que ainda moram lá. Outras construções já se transformaram em hotéis, restaurantes e lojas. Um ou outro lugar que ainda não foi reconstruído, trabalhadores se esforçam para terminar a reforma. Apesar das minhas críticas, existem lugares bonitos e interessantes. Alguns minaretes, o palácio Shirvanshah, a antiga praça do mercado, caravançarais, a torre Qiz Kalasi (Maiden Tower, com 30 metros de altura), sem contar a própria muralha e portões. O lugar é pequeno dá para conhecer rapidamente e ainda insistir um pouco buscando por alguma novidade.

.

Flame Towers ao fundo da Cidade Velha

.

Maiden Tower

Saindo das áreas mais centrais da cidade, uma serie de novas construções além de diversos prédios modernos prontos e vazios. Me lembrou um pouco uma mini versão do que vi em Ashgabat, Turcomenistão. Não muito longe, casas que não lembram em nada a quantidade de petróleo que o país tem. A desigualdade social é gritante, água de esgoto correndo entre as casas. Quem se foca só em uma das duas regiões vai ter uma opinião completamente unilateral de Baku.

Apesar do calor beirando o insuportável, encaramos uma curta viagem até Qobustan, uns 60 km ao sul. Congestionamento inicial ( e absurdo!) vencido, logo  percebemos um clima semi-desértico. Acompanhando o visual haviam praias com grandes hotéis, extração de petróleo e muita areia. Nesta região estão construindo o Khazar Island, ilha artificial cheio de atrações para quem gosta do estilo “Faz de conta”. Não muito tempo depois chagarmos no sitio arqueológico da idade de bronze. Diversas cavernas nas colinas com desenhos de milhares de anos. A região desértica da um clima para o lugar, com uma grande vista para o Mar Cáspio. Um museu muito bem montado, mas que tão deve atrair a atenção de quem não se interessa pelo assunto. Algumas atrações tentam se estabelecer como rota turística, a ali ao lado se pode visitar os “Vulcões de lama”. Pequenos orifícios borbulham e jogam lama de tempos em tempos. Ok, qual a próxima atração? Na tentativa de segurar o turista, criam roteiros. Na minha opinião nada mais são que “armadilhas para turista”. Nossa próxima parada Yanar Dag, já bem mais próximo a Baku (Suraxani) também decepcionou. A “Montanha de fogo” é um corte, como se fosse um barranco, de onde sai um gás que fica queimando. Tipo do lugar que a Bibi me mataria se a levasse para conhecer. Eu normalmente vou conferir, pelo menos para ver como é, mas quase perdi a paciência. Um casal de russos estava dividindo o carro com a gente, e a russa passou mal. Decidimos não ir no templo do Zoroastrismo Atesgah, que parecia bem interessante. De qualquer modo já fui em alguns templos de Zoroastrismo do Irã – alem de já estar meio  irritado, então acabei nem me importando muito.

.

Vulcões de lama

.

Museu bem montado

.

Petróleo

.

“Grande atração”

.

Mesquita Bibi Heybat – Construída nos anos 90 – cópia da antiga mesquita seculo 13

Normalmente eu quero voltar para os lugares que viajo. Neste caso considero a cidade como vista. Vale a pena? Sim, para passar uns dias, ponto. Talvez eu tenha sido injusto com o Azerbaijão. Como o foco desta viagem eram os “Países que não existem”, não explorei outras regiões do país, pelo pouco tempo que tinha. Fora das capitais e grandes cidades que a cultura e tradição se apresenta de maneira mais marcante. Se eu tivesse viajado para a cidadezinha de Sheki, no norte do Azerbaijão, ido para Xinaliq nas montanhas ou conhecido Quba Rayon (Krasnava Sloboda), quem sabe eu não estaria apaixonado pelo lugar. Se por um lado nunca é possível  ver tudo, por outro sempre é bom ter uma desculpa para voltar

.

Estação de trem

Pude me contentar com um pouquinho mais de Azerbaijão, que eu vi pela janela do trem, na lenta viagem até a Geórgia. Interagi como pude com outros passageiros e discuti sobre o eterno conflito de Nagorno-Karabakh. O garoto que estava na minha cabine com sua mãe e irmã, resolveu se aproximar no final da viagem. Venceu a timidez e se esforçando para falar inglês me mostrou fotos das suas aulas de dança latina. “Salsa, Rumblo, Tchatchacha” dizia ele empolgado. As perguntas sobre por que minha mulher não estava viajando comigo e qual o motivo de não termos filhos, acabaram não sendo respondidas. Tudo bem, também fiquei sem saber porque um azeri de 13 anos faria aulas de danças latinas…

Capital Persa, a cidade no deserto e a mais sagrada

Mais estrada, mais deserto, algumas montanhas onde ate hoje vivem nômades  e chegamos a Shiraz, talvez o destino mais visitado do Ira. A fama não vem da cidade em si, mas dos seus arredores, onde estão as ruínas de Persepolis, importante cidade do Império Persa, e que foi destruída por Alexandre o Grande, a mais de 2000 anos atrás. Tumbas, esculturas nas pedras, além de outras cidades ainda mais antigas completam o circuito histórico da região.

Na cidade, mesquitas, igrejas, restaurantes  jardins e bazares. Mas dois dos grandes poetas persas eram de Shiraz, e estão enterrados ali. Existe praticamente uma peregrinação nestes lugares. Pessoas os tratam como santos, e com seus livros ficam rezando ao lado da sepultura. Outros preferem ler seus poemas silenciosamente nos bonitos jardins que tem por ali.

Encontramos viajantes que tínhamos conhecido em outros lugares e alguns outros  de bicicleta (sera que virou moda viajar de bicicleta?). Então sempre tínhamos boas companhias.

Caravansarai

coleta de esmolas

Ficamos na duvida se íamos para as montanhas ou para o deserto, como já tínhamos passado um tempo nas montanhas no Curdistão Iraniano, optamos pelo deserto.

Foi uma boa esticada ate Yazd, uma cidade rodeada por desertos, bem no meio do Irã. Calor infernal, e não dava para fazer muita coisa, a não ser bem cedo ou mais no final de tarde. Ficamos num hotel estilo Caravansarai. Os caravansarais eram as hospedagens dos viajantes a centenas de anos atras. Visitamos alguns reformados, outros nem tanto. Era o que tinha quando se pensava em viajar pela rota da seda. Ótimo lugar para ficar largado, com bom restaurante, e ate uma internet decente. Encontramos nossos amigos csers de Abyaneh, além de outras pessoas bacanas.

Yazd e uma das mais antigas cidades do Irã. É o centro do Zoroastrismo, primeira religião monoteísta do mundo, e de origem persa. Visitamos um templo onde tem uma chama que esta queimando a mais de mil e quinhentos anos. Encontramos com devotos que reclamaram um pouco da situação no Irã, pelo fato de fazerem parte dessa minoria religiosa, e contaram um pouco mais de suas praticas. Alem do Irã, existem bastantes Zoroastras na Índia.  Fomos numa Torre do Silencio, local onde os corpos eram levados para serem devorados por abutres, pois conforme a doutrina, não podiam ser enterrados. Escalamos até o topo, mas hoje esta inativa.

Templo da chama zoroasra

apreciamos uma deliciosa carne de camelo

A cidade tem todo um tom marrom, e a parte velha é toda de barro. Construções bacanas, arquitetura continua fantástica  O que chama a atenção são torres para captar o vento e refrescar os ambientes. Visitamos um interessante ginásio local, onde as pessoas fazem exercício ao som de tambores e declamação de poemas persas. Encaramos uma ida ate Karanaq, antiga cidade, toda de barro, com um caravanserai ao lado. Paisagens lindas de deserto, mas o calor era tanto que a Bibi decidiu vetar a nossa ida para o Oasis, que estava planejada para os próximos dias. Se não teria a parada no oásis no meio do caminho, teríamos que ir direto ate Mashhad, nossa ultima cidade no Irã.

torres para refrescar 

ginasio local

deserto

Karanaq

Mashhad e a cidade mais sagrada do Ira, pois ali esta enterrado o Imam Reza. Existe um complexo gigantesco, com patios, museus, mesquitas e ate hospital. Mulheres tem que estar todas cobertas para entrar Teoricamente estrangeiros devem se apresentar para o departamento de assuntos internacionais, para seguir com um guia, mas nos enfiamos no meio da muvuca e fomos sozinhos mesmos. Muita devoção, choro e um lugar ainda mais bonito que esperávamos  Para ter acesso a sala onde esta sepultado o Imam Reza, homens e mulheres tem que entrar separados. Eu combinei de encontrar com a Bibi dentro de alguns minutos ali na frente, mas quando voltei ela não estava. Procurei por tudo, mas sempre voltando ao lugar combinado. Pensei que ela podia ter feito alguma amizade la dentro ou algo do tipo. Mas era estranho, pois já estava cansada, e sabia que eu não demoraria. Achava que dificilmente ela voltaria para o hotel, primeiro porque não sei se saberia o caminho, segundo porque eu estava com seus sapatos. Depois de uma hora e meia de procura e espera resolvi voltar para o hotel, já pensando em ir na policia se ela não tivesse la. Por sorte encontrei ela no meio do caminho, voltando com o pessoal para me procurar. Ela tinha se perdido la dentro e não sabia onde eu estava. Pelo menos achou o hotel!!haha

Tínhamos que pegar o visto do Turcomenistão, e deu tempo de passar no complexo outras vezes, inclusive presenciar um final de tarde muito gostoso, com a chamada das mesquitas e torres se iluminando a medida que escurecia. Encontramos com nosso cser de Kashan, pois sua família e daqui, e conversamos um monte sobre o dia a dia e costumes do Irã. Saímos para jantar (duas vezes) com o Reza, um cara que conhecemos na rua, quando ele nos ajudou a achar o endereço do nosso Cser de lá, e nos levou ate um hotel, pois acabou não dando certo. Saímos juntos duas vezes, uma delas fomos ate mais um tumulo de outro poeta famoso do Iãa, o Ferdosi, e fizemos churrasco junto com sua família ate depois da meia noite.  Na outra vez, fomos no bairro moderninho, com lojas de grife, e até porche nas rua e pessoas descoladas, a poucos quilômetros da região ultra tradicional, com mulheres todas cobertas com chador pretos. Mais uma pessoa fantástica que conhecemos.

Dentro do hotel, para saber onde fica Meca

Mais um poeta – Ferdosi

Quando chegou a hora de nos despedirmos do Irã, a Bibi começou a chorar e não parava mais. Ao ligarmos para nos despedirmos de alguns dos nossos amigos a situação piorou ainda mais. Acho que voltaremos para o Irã logo, como certeza esta entre os países que mais queremos voltar, até porque um mês é muito pouco para conhecer o país, principalmente por ter pessoas tão especiais!!!

O primo rico

O Omã era muito poderoso, muitas das batalhas que houveram na Africa dos Árabes com os Portugueses eram eles. O Sultão dominava ate Zanzibar, e foram muito ativos no trafego de escravos. Hoje e um pais muito rico, devido ao petróleo e ao gás. O Omã e um Sultanato, e o Sultão manda em tudo. Apesar de grandes riquezas, não existe uma divisão de dinheiro com a população, que os deixa descontentes (Outros países pagam “mesadas”para seus cidadãos).

Ainda no Iêmen, voamos da Ilha Socotra para Mukalla. O aeroporto e bem afastado da cidade, e pistas modernas mostravam que nada de muito antigo por aqui. A cidade e cortada por um canal, e tem um morro bem no meio. Totalmente diferente de Sanaa, desde o clima, que e bem mais quente, ate todo o estilo, que e mais moderno. Fomos direto numa cia de ônibus, para comprar a passagem para o dia seguinte. Chegamos la e só tinha três ônibus por semana. Não tínhamos tempo para esperar. tinha um ônibus que ia ate outra cidade, a poucas horas da fronteira que saia naquela noite. Parecia perfeito, mas só tinha um lugar e não estavam aceitando nossa autorização da policia de Sanaa, tinha que ter carimbo da policia de Mukalla. Segundo eles, só abriria as 8 da manha do dia seguinte. Falaram de outra cia e fomos tentar. Tinha lugar, e comentaram que a policia tinha um plantão 24 hs. Fomos la e rapidinho conseguimos a autorização. Deu tempo para tomar um sorvete em uma sorveteria dividida em área para homens, mulheres e famílias. Notei que todos os lugares que estávamos indo eram só para homem, por isto não tinha divisão. Estrada muito boa, beirando a costa. Viajamos a noite toda e de manha chegamos em Al-Gaydah (nome sugestivo). Uma batalha para se fazer entender. Parecia que não tinha transporte ate a fronteira, e não tínhamos como contratar um só para nos. Fomos ate um hotel, para tomar um cafe e encontrar alguém que falasse inglês. Conversa com um, com outro e descobrimos uma van de Sauditas que sairia dali a pouco. A van chegou, cheia de pessoas vestidas com trajes típicos, parecia que seria tenso. Não demorou 5 min e tava todo mundo cantando, batendo palmas, super divertido. Já a algum tempo tinha deixado de ser plano e passávamos por montanhas e tuneis, mas agora viajávamos na beira do desfiladeiro, e não tinha como não comparar com a paisagem da Califórnia 1. Asfalto perfeito, e placas indicando lugares para banho, crianças, tartarugas, mergulho. Muuito estranho. No meio do nada, lugar que nunca recebe ninguém, nem locais, mas a estrutura ta pronta. Visual muito bonito ate a fronteira. Chegando no pequeno posto de imigração, peguei meu visto mas queriam que eu pagasse com a moeda local. Comentei que não tinha nem entrado no pais, mas que tinha USD. Ele aceitou mas não tinha troco. O motorista acabou pagando e acertei com ele depois.

Mukalla

Mukalla

IMG_3495

Vista da estrada

Em Omã a paisagem de montanhas continuava, agora ate mais altas, chegando ate a ter alguma vegetação. Perto de 3 hs depois estávamos passando pelas famosas praias de Salalah. Esta região fica cheia na época das monções. A região fica mais fria, verde nas montanhas, e um verdadeiro oásis. Os Sauditas vem aos montes, assim como o pessoal da capital, Muscat. Salalah e estranha, espalhada, com construções e quadras desorganizadas. Foi nosso primeiro contato com Omã, e deu para ver que os preços eram estilo europeus, se não mais caros. Um Rial vale 2,5 USD. Para poder circular dinheiro de menos valor, não dividem o Rial em centavos, e sim em Mil!! Tivemos boa parte da manha e toda a tarde para conhecer o lugar, mas como não era época de monções, decidimos pegar um ônibus já no dia seguinte para Muscat. Jardins, postes, praças, monumentos e imponentes Mesquitas mostravam que o dinheiro tava sobrando por aqui…

IMG_3496

Salalah

IMG_3497

Mesquita em Salalah

A Viagem ate Muscat, depois que se afasta de Salalah, e monótona, deserto de areia dos dois lados, KM e mais KM sem alterar. Deu para adiantar bastante o novo livro que estou lendo, What is the What (historia da trajetória de um refugiado do Sudão ate o Exílio na Etiópia, Quênia e EUA). Um bom tempo depois, já perto de Muscat, iniciavam as autopistas, cheias de anéis rodoviários, tudo com velocidade de 120 km/h permitida, mesmo perto da cidade. Jardins, praças, e tudo mais instalados e sendo implementados. Logo apareceram Mc, Pizza Hut, papa Jones, Hardees, Star B, Subway Burger K, e tudo mais que tinha direito. Passamos ao lado da grande mesquita, onde esta o maior tapete sem emendas do mundo (adoro estas manias de grandeza…hehe). Chegamos no centrão, parte comercial. Tudo novo, não ocidental, mas sem estilo. Vimos que nenhumas das solicitações de couchsurfing tinham sido atendidas., então saímos em busca de hotéis. Não foi fácil, mesmo os mais simples (que aqui tem ate ar condicionado) estavam fora do nosso orçamento. Um pouco mais afastado achamos um que poderia ser uma opção, mas decidimos comer algo e checar o Couchsurfing de novo. Estávamos sentados na rua e acabamos conversando com um Paquistanês (ta cheio de indiano, paquistanês e filipino) que deu dica de 3 hotéis baratos perto da marina. Fomos para la e os hotéis não eram mais barato que o que tínhamos achado, mas a região bem mais simpática, entre morros com fortes antigos, e perto do mercado tradicional de Muscat. Tudo reformado, com cara de novo e iluminação colorida. Muito artificial para o meu gosto, faltava um pouco de vida, mas tinha que reconhecer que a região era muuito melhor para ficar.

Disfarcado...hehe

Dia seguinte cedo fui fazer a barba, que não cortava desde Nairóbi. Enquanto isto o Guru entrou em contato com um Couchsurfer que foi nos buscar e nos levou para cima e para baixo. Conhecemos o que restou da cidade velha, um dos palácios do Sultão, algumas praias e fomos almoçar num restaurante indiano. Ele e indiano mas mora aqui já faz mais de 15 anos. Fomos ate a casa do Suresh para conhecer a família e ficamos conversando um tempo. Ele tem uma boa condição de vida e viaja com bastante frequência, tinha se cadastrado no CS uma semana atras. Fomos para uma praia mais Up Market e paramos no Star B. caffe. Tinha perguntado sobre vilas de pescadores, algum lugar charmoso. Ele me levou numa “vila” onde 90% das casas são novas, com bons carros na garagem. Ser pescador aqui e fácil… Teve um ciclone a alguns anos atras e o governo construiu novas casas para todos os afetados, e não e coab não!! Ainda visitamos o mercado tradicional, que fora na época do final do Ramadan, e bem pra turista, e tomamos um suco no calcadão.

Noite em Muscat

IMG_3518

Roupas de Praia

Parece que ele gostou de ajudar agente, e arrumou um funcionário para nos buscar cedo para nos levar ate a área das embaixadas, pois o Guru tinha que buscar uns vistos. Neste meio tempo outro CS respondeu nossa mensagem e combinamos de nos encontrar. Desta vez era um Omani mesmo, que veio no seu mais tradicional traje tipico. Começamos a conversar e ele adorou nossas historias, na verdade nos achou uns malucos. Ligou para outro amigo dele, bem gente boa, que viaja bastante. Acabamos fazendo outro tour com eles, visitando nascentes de água quente que são canalizadas para banhos públicos, comendo o nosso “espetinho de gato” que e comida tipica por aqui, indo nos bares com musica onde os árabes enchem a cara sem ninguém reclamar, alem de monumentos e outras atrações mais previsíveis. Os dois são umas figuras, e tao fazendo aula de Salsa, só pra interagir com a mulherada. Haha Não adianta, no mundo inteiro e a mesma coisa, as mulheres vão dançar porque gostam e os homens por causa delas…

IMG_3538

Mais CSfers

Neste meio tempo passei num escritório da Emirates, para comprar passagem para Malasia, via Dubai, desta forma pegaria o mesmo voo que a Bibi. Eles comentaram que se a espera para conexão fosse maior que 8 horas, eu teria direito a transporte, refeição, hotel e eles providenciariam o visto. Que beleza. Na verdade nunca tive interesse em conhecer Dubai, mas “de graça ate ônibus errado…”

Minhas pesquisas na internet apontavam preços mais baixos que na “loja”. Ao questionar porque, falaram que deveria ser pela taxa de administração, e que na internet eles sempre tinham promoções. O preço estava bom, e comprei pela net. Chegaria em Dubai as 5:50 da manha e o voo para Malasia seria as 3:10 da madruga do dia seguinte. Fui num voo vazio para Dubai. Nem me preocupei quando não tinham o tal Voucher no chek in, pois falaram que tinha um guichê especifico la na chegada.

Kalahari

Depois de viajar muitos KMs, acampamos pouco depois de Kuruman, numa Game farm, fazenda com animais selvagens. Era importante para ver se não havíamos esquecido nada, e se estava tudo em ordem. Acordamos com macacos pulando nas barracas, e pudemos nos familiarizar com outros animais que veríamos daqui para frente. Novos problemas com a Landy resolvidos, viajamos mais alguns km e paramos no meio do Deserto do Kalahari (que já não é mais o mesmo). Acampamos no topo de uma duna. Agora sim!! Pode parecer cliché, mas o por do sol foi fantástico, como sempre é na Africa. O céu estrelado no meio do deserto nem se fala… Íamos ficar só uma noite, mas não conseguimos partir, tava muito show. Problemas na Landy superados, rodamos mais vários KMs e sérios problemas apareceram. O Piter montou a Land Rover inteira, tinha muitas peças de reposição, mas desta vez precisava de um mecânico  Passamos horas numa cidade no meio do nada, esperando a landy ficar pronto. Por sorte tinha um Lodge legal, e almoçamos lá. Tudo pronto, seguimos viagem no escuro mesmo, para não perder tempo. As duas e meia, já cansados, paramos e acampamos na beira da Estrada, que não passava uma alma. O bonitão aqui ficou com preguiça de montar a barraca e dormiu no carro, mesmo sem ter o vidro nas janelas traseiras. No deserto a temperatura varia mais de 40 graus em um só dia, portanto a noite fica temperaturas negativas. Calculem o frio… Pelo menos a Landy parecia estar em ordem agora.

Frio no Kalahari

Frio no Kalahari