Minha primeira viagem para a Ásia (2004)

Já escrevi bastante sobre a Tailândia, mas como na primeira vez que fui para lá, quase 10 anos atrás, fiz um roteiro diferente das outras viagens, resolvi postar aqui.

A viagem foi via Frankfurt, Alemanha, onde passei o dia e foi bom para quebrar a longa viagem.

Pit stop na Alemanha

Pit stop na Alemanha

Chegando em Bangkok, fui direto para Chiang Mai, no norte do país, onde fiquei um tempo treinando Muay Thai. Eu já treinava há muito tempo e fui para lutar. Mas recomendo para todos que gostam de esportes, mesmo quem nunca treinou.  Não só o treino, mas o dia a dia dos campos de treinamento são fantásticos. Quem passa esta sugestão, mas gosta de coisas culturais dos países, pode optar por fazer cursos de massagem tailandesa ou culinária. Um curso de mergulho nas ilhas pode não ser cultural, mas não é nada mal também.

Treinamento

Treinamento

Como escrevi em outros posts, Chiang Mai é uma cidade super bacana, fácil de se encantar, cheia de templos, mercados de rua nos finais de semana com ótima comida a preços ridículos! Peguei um trem para Bangkok mas saltei antes, em Ayutthaya, antiga capital do país. Ruínas e monumentos fantásticos, que podem ser percorridos de bicicleta sem pressa. A cidade fica ao lado de um rio e pescadores fazem pratos típico inacreditáveis! Nada sofisticado como as feirinhas de Chiang Mai, mas num destes lugares, estilo pé sujo ( ok, baixa gastronomia) que eu comi a melhor comida tailandesa de todos os tempos!!

Templos

Templos

Buda

Buda

Acabei mudando minha logística e em vez de ir até BKK resolvi me aventurar fora da rota principal, para evitar ir e voltar pela mesma estrada. Para chegar em Kachanabury, normalmente acessada de BKK, tive que fazer 2 conexões de ônibus, por cidades que nem o nosso alfabeto utilizavam, imagine falar inglês. Viajar pela rota principal da Tailandia é muito fácil, devido a boa infraestrutura e estarem preparados para receber turistas. Mas saindo desta rota as coisas mudam um pouquinho. Levei um papel escrito em tailandês, com o nome da cidade que eu queria ir, e as principais cidades do caminho. Eu torcia para que a tailandesa que me ajudou escrevendo as informações soubesse o que estava fazendo. Não preciso dizer que foi muito divertido.

Qual onibus?

Qual ônibus?

menu: Prato mais caro 4 USD

menu: Prato mais caro 3 USD

Kachanabury foi palco de batalhas importantes na segunda guerra mundial, imortalizada no filma “A ponte do rio Cay”. A ponte esta lá, ou a reconstrução dela, pelo menos. Existem barcos casas e uma região rural que pode ser explorada. O Tiger Temple, onde monges cuidam de tigres e você pode tirar fotos com eles. Hoje existem outras opções no país, mas inicialmente era só lá para brincar com os gatinhos. Tem um monte de passeios turísticos, uns bem legais, outros nem tanto. Andar de barco de bambu, de elefante ou até dar banho nos elefantes no rio. Tem um parque nacional bem bacana lá também, com caminhadas, cachoeiras e piscinas naturais. Alias os parques nacionais na Tailândia são super bem estruturados.

parque

parque

Monge com tigre

Monge com tigre

Indo para BKK passei rapidamente no mercado flutuante que é extremamente turístico, mas pode te render boas fotos. Depois de tantas cidadezinhas pequenas foi um choque chegar no caos barulhento e poluído de Bangkok. É uma cidade gigante, mas muito autentica!

Fiquei num quarto que era um pulgueiro, nos arredores de Kao san Road, recanto mochileiro da cidade (pelo menos era, já mudou bastante). Não acreditei quando encontrei quartos ainda mais baratos perto de china town (eu estava pagando 100 bath). Mas a região onde eu estava cumpriu bem o papel. Não é a melhor localização, mas também não é tão ruim assim. Fiz a peregrinação pelos principais templos da cidade, visitei o fantástico palácio real, fui assistir lutas de MT no principal estádio do país, oLumpine, algumas vezes, me aventurei do outro lado do rio onde dizem estar “bairros sem interesse” mas que achei bem interessante. Existem diversas coisas pare se fazer na cidade, de dia e de noite. Me diverti muito no “Ping Pong Show” que esta mais para circo que para show erótico. Alem de lançar bolas de ping pongue, soprar sarabatana em balões, soprar velas (…) as mulheres fumam charuto,e não, não é com a boca. Uma delas ofereceu para um sueco, magico profissional, que estava viajando comigo fazia uns dias. Houve aquele minuto de silencio para saber o que faria, quando ele conferiu o charuto, deu uma cheirada e fumou. Haha

Palacio Real

Palacio Real

Outro dia divertidíssimo foi num karaokê gigantesco, com apresentações de danças coreografadas e tudo mais. Lotado de tailandeses, todos muito empolgados dançando e cantando. Como não tinham muitos turistas, éramos alvo para as prostitutas e ladyboys. Na verdade era muito difícil de distinguir se era um ou outro!

Brigas de besouros em um mercado. Adoram apostar.

Brigas de besouros em um mercado. Adoram apostar.

Com uma noitada destas acabei até acordando tarde para pegar o ônibus para o Camboja. Estava meses sem beber, treinando e me preparando para a luta, e depois acabei “colocando o pé na jaca”.

Na volta do Camboja ainda passei per BKK antes de seguir para o sul, para a simpática Krabi, de onde fui para Railay. Duas pequenas praias, com rochas gigantes saindo do mar. Lugar meio resort, mas achei um chalé bacaninha, disparado a melhor pousada da viagem (também pagando 6 vezes mais que a média). Preço? vinte dólares.

IMG_0723_resize IMG_0710_resize

Railay

Railay

Escalar pedra para curtir o visual, pegar praia, mas foi o único lugar que não fiz amigos rápido, talvez pelo estilo das pessoas que vão para lá. Acabei alugando um caiaque para ir para outras praias e ilhas, e conheci dois canadenses e um inglês que estavam viajando de caiaque entre as ilhas, dormindo nas praias. A lua cheia se aproximava e acabei combinando com eles de ir para a ilha de KO Pha-Ngan, do outro lado da península, onde tem a famosa, “Full Moon Party”. Ônibus até Suratani, barco estiloso, super carregado com bugigangas e até porcos em gaiolas. Um grande tatame onde todos dormiam um ao lado do outro.

barco

barco

Dividimos chalés e curtimos a ilha, de dia rodando de scooter ou jogando vôlei, e de noite na balada. Chegou o dia a grande Full Moon. Milhares de jovens na praia, bêbados, drogados ou simplesmente felizes por terem a liberdade ali que não teriam nos seus países europeus. Musica, malabares com fogo, mas eu já tava meio cansado para ser bem sincero. A pré festa tinha sido suficiente para mim. Estava mesmo é sentindo falta das pequenas cidades, da paz dos templos e longas reflexões. Foi bom conhecer, saber que existe, me divertir, mas nunca mais inclui este tipo de programa nas minhas viagens.

Full Moon

Full Moon

scooter de dia

scooter de dia

 

Nesta viagem descobri que pessoas “malucas” paravam suas carreiras e saiam para viajar por longos períodos. A semente estava plantada…

Ano novo chines na terra dos livres.

A Tailândia, passou por diversas guerras e invasões no passado, quando ainda era chamada de reino do Sião. Eram batalhas com o Império Kremer, hoje Cambodja, e com a Birmânia, alem dos chineses. Tudo isto, junto com a grande esperteza do rei, fez com a Tailândia moderna nunca fosse colonizada por países europeus, ao contrario de todos os seus vizinhos. Não e a toa que e chamada de terra dos livres (Thai + Land). Com isto, a cultura do pais e unica, e não segue os padrões ocidentais.

Existe uma grande tolerância para as diferenças, e um fato muito interessante e a integração dos LadyBoys na sociedade. O país é o numero um na cirurgia de troca de sexo, e os ladyboys atendem nos restaurantes, caixas e em qualquer cargo publico ou privado, sem nenhuma discriminação.

O rei, que com sua hábil negociação, cedeu algumas terras para um, fez acordos com outros, e foi se acertando com todo mundo. Depois de mais de 60 anos no poder ele continua quase uma unanimidade. Na verdade existe uma oposição, mas a massa o adora e existem posteres e quadros dele em qualquer biboquinha. Teoricamente ele só tem um poder figurativo, assim como a rainha do Reino Unido, mas na pratica não e bem assim. Em 2006 o exercito deu um golpe de estado, derrubando o primeiro ministro, que não se acertava muito com o rei. Adivinhem quem comanda o Exercito? Pode não ser algo muito democrático, mas que todos os tailandeses devem muito a vossa majestade, devem, e eles sabem disto.

O voo de Yangon era para Bangkok, mas só faríamos uma conexão seguindo para Chiang Mai. A espera no aeroporto acabou sendo muito prazerosa, pois encontramos o Vicente, sócio da Pati na Pulp e nosso amigo ha muuitos anos. Ele estava vindo do Vietnã, rumo a Hong Kong e deu tempo de almoçarmos juntos e batermos papo. Nos meus links da para ir direto para os videos de viagem da Pulp, que são muito legais, cliquem la.

Nos com o Vicente almoçando no aeroporto de BKK

Em Chiang Mai, do aeroporto ate a pousada foi tranquilo, pois já era a terceira vez que chegava na cidade. Ficamos na mesma pousada que fiquei em 2004, com um super jardim e musica ambiente. A pousada e bacana, uma quadra do Thapa Gate. Um ponto desagradável, mas curioso, foi que um rato roeu a mochilinha da Bibi para pegar comida que tinha dentro. Quando a Bibi foi reclamar para o dono ele falou que tinha ratos sim, devido tanto mato no jardim, mas a linha do Budismo que ele seguia, fazia com que não pudesse praticar nenhum mal contra os animais. Contou que antes tinham cobras, e ele tinha que conversar com elas para irem embora.

Foram dias tranquilos, aproveitando o Festival das Flores que estava acontecendo, e com isto a feirinha de final de semana estava muito maior, e tinha ate um palco com apresentação de danças. As comidas da feirinha são algo a parte. Dezenas de pratos diferentes a preços baixíssimos. A partir de 30 centavos de real já dava para comer alguma coisa. Aproveitei para ir em mais uma luta de Muay Thai, mas não era num ginásio próprio, e sim no meio de bares, onde turistas bebiam e se preparavam para a noitada. Nesta região de bares vi os insetos fritos para vender, que degustei na primeira vez que vim para cá. Se engana quem acha que tem em tudo que e canto. O lugar mais fácil de achar e justamente onde estão os estrangeiros bêbados, provavelmente os maiores comedores de insetos da Tailândia!!

Comida boa!

Comida de bêbado!

Mais Muay Thai

Tínhamos vindo pra Chiang Mai para dar entrada no visto para a Índia, pois o consulado aqui era bem mais tranquilo que a Embaixada em Bangkok. Mesmo o motorista do tuk tuk tendo se perdido com a mudança de endereço do consulado, conseguimos chegar cedo la e encaminhar tudo. Demoraria 5 dias uteis, portanto uma semana. Pegamos o primeiro ônibus que conseguimos para Pai, um cidadezinha mais ao norte do pais, já próxima da tríplice fronteira (Tailândia-Myanmar-Laos). Pai já foi um daqueles segredos, cidadezinha super gostosa no meio das montanhas, mas foi descoberta, e esta crescendo bastante. Hoje e bem turística, mas preserva seu charme. Muitos estrangeiros vem para cá e ficam, portanto virou meio que um lugar Hippie. Muitos vivem de pintura, musica, artesanato e por ai vai. Cada um se vira como pode e vai ficando. Lojinhas descoladas estão surgindo aos montes, e os padrões dos hotéis também estão aumentando com o fluxo de turismo. O ponto alto do lugar e a natureza, pois o visual e incrível. Todos vem para fazer treking, rafting, visitar vilas de minorias étnicas, cachoeiras, etc. Nos tínhamos outros planos. Eu já tinha entrado em contato com o campo de treinamento de Muay Thai e ficaria treinando boa parte do dia. A Bibi ia fazer yoga e para não ficar entediada arranjamos uns cursos para ela. Meu dia a dia era treinar, descansar e treinar de novo. O da Bibi era Yoga e curso de culinária tailandesa, Yoga e curso de massagem tailandesa, ou Yoga e mais Yoga. Claro que de noite dávamos umas voltas pelo centrinho, que e todo movimentado, mas nada de dormir tarde. O treino era bom, mas bem menos puxado que os que fiz da outra vez, mas mesmo assim passava de cinco horas de treino diarios. São vários treinadores, sendo que o principal já foi campeão no Lumpinee em Bkk. Tinha desde iniciantes que estavam tendo o primeiro contato com o Boxe Tailandês, ate lutadores profissionais que vieram aprimorar suas técnicas. Claro que eu não tava na melhor forma física, pois na viagem não pratico nenhum esporte regular, mas me empenhei. Pra ser sincero depois de uns dias, com os muculos todos doloridos, e já sem os pelos na canela, pensei: Porque estou me empenhando tanto se poderia só me preocupar com a parte técnica? Até dei uma relaxada depois disto. No sábado é dia de sparring, coisa que não e muito comum nos treinos tailandeses (pois eles lutam muito e não podem estar machucados), mas devido ao grande numero de estrangeiros que tem por aqui. Fui lá e foi bacana. Só teve um lutador francês que quis “ver o lado”, e posso dizer que ele ganhou o que queria…haha Comecei a soltar o jogo e o pessoal elogiou bastante. Ponto alto para quando derrubei o treinador ex-campeão duas vezes. Recebi uma proposta firme para ficar dando aula de MMA e BJJ ali, mas recusei. Mandei um email para alguns amigos no Brasil, para ver se alguém se candidata, mas ate agora nada. Não sabem o que estão perdendo…

treino duro

Lugar astral

Rango da hora!!

Sera que aprendeu?

No meio das montanhas…

Etapa treino superada, os deliciosos chás de gengibre que sempre tomávamos a noite foram trocados por geladas cervejas. Voltamos pelas dezenas de curvas ate Chiang Mai, para o Ano Novo Chines. E o terceiro ano novo que passo em menos de cinco meses (ano novo etíope, o nosso e agora o chines). O ano novo chines tem calendário móvel, pois e baseado nas fases da lua. A Tailândia segue outro calendário, mas devido o grande numero de imigrantes e descendentes chineses, comemoram o evento aqui também. Nosso visto para a Índia ficou pronto e deu para se despedir da comida tailandesa com as trocentas opções da feirinha. Ficamos mais um dia para eu ver dois dos meus companheiros de treino lutarem. Em tantas lutas que tinha assistido aqui, ainda não tinha apostado nenhuma vez, pratica muito comum. Já tinha gastado um dinheirinho em cerveja quando decidi recuperar numa aposta na luta principal da noite. Quando não tava colocando dinheiro, estava acertando todos os palpites, baseado na aparência dos lutadores e pelo primeiro round. Na ultima luta conhecia o irlandês, que lutaria com um tailandês. Não que achasse ele um super lutador, mas tinha nocauteado nas suas duas ultimas. Apostei nele só por ter treinado junto, e perdi!! A cerveja que eu queria “recuperar” acabou saindo o dobro…haha Como a Bibi citou o livro da Elizabet Gilbert “Comer rezar e amar”, não tive como não lembrar do livro “versão masculina” “Beber, jogar e foder”. Depois que o cara descobre que e corno vai para a Irlanda para beber, Las Vegas para jogar e Tailândia para o resto. Mal ele sabia que poderia fazer os três na Tailândia!!hahaha

Muvuca na rua

Se não tivéssemos que pegar o visto para a Índia, poderíamos ter ido direto de Pai para o Laos já que era pertinho. De qualquer forma não estávamos muito longe, e pegamos um ônibus até a fronteira, onde passaríamos a noite.

De férias com a família!

A Tailândia e um pais que desperta muito exotismo para os brasileiros. Ao se falar que vai para este destino, a imaginação das pessoas vai longe. O que não se sabe, e que a Tailândia e um destino bem preparado para o turismo. Para um europeu, ir para a Tailândia, e a mesma coisa que para alguém do sul/sudeste do Brasil ir para o Nordeste. Ta bom, a diferença cultural e bem maior, mas a dificuldade de se viajar e a mesma, ou seja, nula. A Tailândia caiu no gosto dos turistas. Barata, cultura exótica, com boa culinária, belas praias alem de animais como elefantes e tigres ao seu alcance. Enquanto as outras nacionalidades já acham que a época de sudeste asiático já está passando (hoje acham que America do Sul que é o máximo), os brasileiros (com o Real forte) estão descobrindo este destino.

Nosso voo para Bangkok foi apenas de conexão, pois tínhamos que ir para Puket para encontrar minha família que chegaria no dia seguinte. Passamos algumas horas no aeroporto, e chegamos em Puket só de noite. Resolvemos pegar um ônibus para o centro, onde passaríamos a noite, para poder arrumar meu computador no dia seguinte, que ainda não estava ok. No final das contas acabamos no hotel que foi filmado “A Praia”. Hotel simples, mas bem melhor que no filme, e sem ninguém se matando no quarto ao lado. Tinha ate algumas passagens do filme escritas na parede. Dia seguinte tava na loja para ver o problema e misteriosamente o computador funcionou. A mulher da loja nem acreditou que tava estragado. Que raiva! Então fomos pegar o ônibus para praia de Kata, mas depois de uma negociação,um taxista nos levou pelo mesmo preço só porque paramos rapidamente numa loja que ele ganha vale combustível. Fiquei no hotel combinado andando de um lado para o outro esperando todos chegarem. Atrasaram um pouco, mas logo tava Mãe, Clau, Pati, Nuno e meus queridos sobrinhos Pedro e Luíza. Achei que a Luíza poderia me estranhar, pois ela só tem 1 ano e 2 meses, mas já veio no meu colo sem cerimonia. Almoço família, aquela bagunça. Que saudades que tava de todos!! Piscina de tarde, brincando com o Pedro e conversando com o Nuno. Dava aquela sensação de que não conseguia aproveitar todo mundo. Mas tudo bem, teria tempo. Depois do jantar ainda esperamos a Gi chegar de Londres, e acompanhamos ela p/ jantar e tomarmos uma cerveja. Ficamos sabendo de todas as novidades em primeira mão.
Pegamos um barco para Ko Phi Phi (Don), que tava bem lotado. Eu a Gi e o Pedro ficamos no deck superior jogando baralho. O Pedrinho tava se sentindo meio isolado pois era o único de uma multidão que não tinha tatuagem, então desenhamos varias tatoos nele. Muito divertido.

Pedro tatuado!!

Chegamos na ilha e procura a bagagem numa pilha de mochilas, pega um barco menor e vai ate o hotel, que fica no canto da praia. Chales no morro, com uma vista espetacular. Água azul e aquelas pedras saindo direto do mar. Ko Phi Phi Leh bem ali na frente. Hotel muito legal, com uma praia praticamente particular.
Resolvemos ir para Phi Phi não no melhor dia, mas a ansiedade de todos acho que era grande. A praia tava lotada, com todos os tipos e tamanhos de barcos. Achamos um cantinho para mergulharmos e logo estavam todos na água. Só nos revesávamos para alguém ficar com a Luíza no barco. No mesmo passeio fomos em outras enseadas, praias ao redor de Phi Phi. Muito bonito e o snorkling tava ótimo.

Olha a cor da água

A noite de ano novo iniciou cedo, com uma ceia oferecida pelo hotel. Boa comida, danças tipicas e demonstrações que iam de malabares com fogo ate Muay Thai antigo. Logo dezenas de baloes estavam subindo, e muitos outros sendo distribuídos. Fogos de artificio e isto que não era nem meia noite. Teve luta do pessoal do hotel num “pau de sebo” em cima da piscina no inicio da noite, e dos bêbados no final da noite. Digamos que a Gi e a Bibi puxaram esta turma…

Balões

Família reunida! Só faltou a Luíza, que tava tirando a foto…

Final de noite!

A celebração foi diferente mas tava muito legal. Ponto alto para o Pedrinho fazendo malabares com uns mini sinalizadores e pulando o circulo de fogo escondido da Pati.
Praia, praia, praia e um dia fomos fazer mergulho de cilindro. A Bibi se empolgou e foi fazer o batismo. Fiquei todo orgulhoso. Fomos ate Phi Phi. O mergulho foi bom, mas não espetacular. Espetacular foi ta eu, Bibi, Gi, Clau, Nuno e Pati de baixo d’água!!! Um momento memorável!!! Todos de mãos dadas levantadas em baixo d’água. A Gi e Nuno repetiram a dose no outro dia, mas como eu e a Bibi temos mais oportunidades deixamos passar e fomos fazer outro passeio de barco para ilhas e praias.

Não e uma cena do “Tomb Raider”, é a Bianca S. Soprana Canever!!

Pra ficar na memoria!

Comemos muito bem e nos divertimos, mas o tempo passou voando e logo estávamos num barco de volta a Puket, para pegar voo para Bangkok e fazer uma conexão para Chiang Mai. Teve atraso e por pouco não perdemos o voo. Na hora de passar a bagagem teve ainda problema com a mochila de mão da Bibi, que continha sinalizadores do ano novo, que ela nem lembrava.
Chiang Mai eu conhecia bem. Foi meu primeiro contato com a Tailândia em 2004. Sabia que seria diferente daquela vez, nem tinha como ser igual. Como um amigo meu expressou bem, eram “ propostas” de viagem diferentes. Aquela época o aeroporto ainda não tinha sido reformado, e fui direto para a parte rural da cidade, onde passei um período treinando Muay Thai de 7 a 8 horas por dia. Acordando antes do sol nascer, correndo pelas montanhas passando por monges, e me alimentando por menos de 30 centavos de dólar por refeição. Quando me mudei para a cidade, fiquei na parte velha, bem central. Desta vez ficamos um pouco mais afastados. Um hotel tranquilo, e que tinha transfer para o centro. Primeiro dia que fomos para Tha Pa Gate, no coração da cidade, fui conferir se a pousada que fiquei ainda estava la. E tava, com o mesmo ambiente, musica, jardim. Deu um saudosismo. Andamos de Tuk-Tuck, primeira introdução verdadeira de Asia para Mãe/Clau/Gi. Eles adoraram. Assim como eu lembrava, os templos são o máximo. O Pedrinho se sentava de pernas cruzadas em posição de meditação sem ninguém falar nada para ele. Um monge ate mostrou para ele como que era. A Bibi teve uma aula de meditação, e quando o monge não conseguia explicar em inglês, ligava para alguém e passava o celular para ela.

Templos

Pedro meditando. Foto – http://www.coisasdemae.wordpress.com

Seguimos o circuito turístico e fomos ver o show de elefantes que pintam e jogam bola, antes de passearmos em cima deles. O Pedro se deliciava e dava cana e bananas na tromba dos elefantes. Nos venderam a ideia de que estes elefantes eram usados na guerra e para arrastar toras, mas que hoje eram bem mais cuidados. Acreditamos, mas depois do passeio vimos eles acorrentados e deu aquele peso na consciência. Sera que estávamos fazendo a coisa certa?

Pintura

Passamos pelo Tiger Kindom, um zoológico cheio de tigres, de diversos tamanhos. Você chega e escolhe num “ cardápio” com qual você quer ficar e por quanto tempo. Eu fiquei vendo de camarote a cara da Bibi com o tigrão e depois levando choque na cerca elétrica!!

Pena não ter foto da hora da cerca elétrica também…haha

Fomos também numa “cooperativa agrícola” onde existem representantes de algumas minorias étnicas, dentre elas as “Mulheres Girafas”. Representantes da tribo Karen, são originários do Myanmar, hoje refugiados na Tailândia. Mais ao norte da Tailândia, em Mae Hong Son, existe um maior numero, talvez podendo ser chamado de “tribo”. Aqui são bem poucos representantes, a fácil acesso, para matar a curiosidade dos estrangeiros. A cooperativa e impecável, cercas bem feitas, caminhos bonitos, tudo arrumado, limpo. Se paga uma entrada e claro que existem diversos artesanatos expostos para a venda. Há quem fale que parece um zoológico de humanos, mas acho que e uma boa forma de ajudar os refugiados.

Diferenças culturais

Parte das noites foram no Night Bazar, com as centenas de camelos e lojas, alem da boa e barata comida da praça de alimentação. Em uma noite que estávamos num outro restaurante, fomos surpreendidos por um elefante no portão. O dono estava vendendo bananas para quem quisesse tirar fotos, mas não deixa de ser um elefante no meio de uma das maiores cidades do pais! Durante o dia também vimos um elefante no meio da rua, mas não entendemos o que ele estava fazendo la.
Deixamos para o ultimo dia a visita ao Doi Suthep, templo em cima de uma montanha. O tempo tava ruim, garoando, e foi muito estranho. A cinco anos atras, visitei este bonito templo como rotina dos meus 10-12 km de corrida matinal. Te digo que a montanha não e pequena, e la em cima tava tudo calmo, magico mesmo. Eu tava numa paz de espirito inigualável, muito feliz. O templo continua bonito, mas tava cheio, mas bota cheio de gente. Nada de paz de espirito. Pegamos ate um elevador/teleférico para chegar ao topo, que eu nem sei se existia aquela época ou se não tinha visto. Há um tempo, dei dicas de viagem para um amigo meu que veio para a Tailandia, e ele me alertou na volta que o lugar estava muito comercial, com maquinas de cartão de credito para receber doação, ou vender “santinho”. Confesso que estava curioso para saber se estava mesmo da forma que ele falou ou se ele estava exagerando. O pior e que as maquinas estavam la…
Como na minha outra viagem eu tinha ido para Ayuthaya, ruinas da antiga capital, desta vez queria ir para Sukothai, ruínas de outra capital do reino do Siam. Todos concordaram mas tínhamos que acertar a questão logística, pois não tinham muito tempo. Primeiro pensamos em ir de trem, mas pararia em Phitsanulok que ainda esta a certa distancia de Sukotai. Acabamos alugando uma super van, onde coube todo mundo alem da bagagem, que não e pequena. Paramos no parque de Sukotai (faz parte da Unesco) bem na frente de um bicicletário gigante. Estava se desenhando o segundo momento memorável destas férias com a família. Alugamos bicicletas e saímos pedalando para conhecer a região. Templos, Budas, ruínas, alguns deles com lagos cheio de flor de lótus refletindo a imagem. O Pedro tinha sua própria bicicleta, e a Luíza ia numa cadeirinha, segurando no guidão da bicicleta do Nuno. Todo mundo junto, naquele lugar fantástico, realmente inesquecível!!

Sukothai

Momento eterno!

Que lugar!

A Mãe e o Clau pararam depois do primeiro circuito, mas as “crianças” ainda deram uma segunda volta por sítios um pouco mais distantes. De noite um hotel super bacana para um merecido descanso. Dia seguinte la estávamos nos na estrada, sentido Bangkok. Apesar de ser longa, passou rápido, pois a estrada era boa e ficamos assistindo um filme. Passamos por cidades fora do circuito turístico, que mesmo sendo grandes, não tinham nem um letreiro ou placa no nosso alfabeto. Lembro que da outra vez que vim para ca, carregava um papel com as cordeadas e nomes dos lugares em tailandês, para me informarem para onde ir e qual ônibus pegar. Muito divertido.
Já nos primeiros dias de Bangkok tivemos que nos despedir da Gi, que teve que voltar para seu novo emprego em Londres. Logo vimos que não teríamos como fazer todas as coisas juntos. Eu e a Bibi tínhamos que visitar a embaixada para encaminhar nosso visto para o Myanmar, alem de arrumar o computador (sim, desta vez deu certo!).
Fomos na Kao San Road (rua dos mochileiros), que esta crescendo cada vez mais. Os baratos hotéis já são poucos, e também não existem mais muitos restaurantes com telões exibindo os últimos lançamentos de hollywood pirateados. Novos prédios, e restaurantes mais ajeitados estao surgindo. Mas não adianta, KSR já e referencia. As ruas ao redor tomaram o lugar e oferecem pulguentas opcoes bem baratinhas. Dezenas de agencias de turismo fazem com que ninguém precise pensar para viajar. A KSR é pop art, e dita moda. Suas dezenas de camelos mostram as tendencias da temporada. Quem quer ficar de fora do modismo, só resta ficar em Chinatown. Pegamos um tuk-tuk em 5 mais o Pedro e a Luíza. Viramos atracão turística, todo mundo olhando e tirando foto. Tava muito engraçado!!
Fomos separados no Grand Palace, mas todos gostamos muito. Nosso hotel era muito legal, e com uma piscina no terraço com vista para a cidade. Andamos bastante de Sky trem, alem de pegar barco pelo rio, e claro. Fomos no mercado Chatuchak, e andamos pelas ruas.
Numa das noites eu fiquei cuidando das crianças para que todos pudessem ir no Ping Pong Show. Eu incentivei bastante, pois tinha achado muito legal da outra vez que vi. E um puteiro… , não não e um puteiro, e uma casa de espetáculos, onde as Sras artistas (primas) fazem diversos shows. Dentre os mais impressionantes estão estourar baloes com uma zarabatana, arremessar bananas, cortar bananas, fumar charuto, tirar longas cordas com giletes de dentro delas, apagar velas, e e claro, arremessar bolas de ping pong em um copo. Não, elas não fazem tudo isto com a boca. Bem, eles foram caminhando pois a região não ficava longe do hotel. Fugindo de um strip comum, e buscando o show pin-pong, acabaram entrando num lugar super decadente. Tinha um show mal feito por mulheres mais decadentes ainda. Tinham poucos turistas e perceberam que ocorria problemas com todo mundo na hora da saída. A Bibi pode contar melhor porque tava la, só sei que eles foram os últimos a sair, trancaram todos la, tentando extorquir dinheiro. Tentaram acertar o Clau, o Nuno quase brigou, maior baixaria. A Bibi deve contar mais detalhes, mas não deve ter sido fácil. No hotel todos riam da porta fechada com mulheres nuas trancando a saída, mas deve ter sido um desespero. Ainda mais sem saber o que elas podiam tirar de dentro delas…hahaha

Pedro pronto para a luta!

Grand Palace

Luíza no restaurante japonês

Piscina do hotel, com vista para BKK

Os jantares de despedida foram no Blue Elephant. Primeiro com a Pati e Nuno, quando não sabíamos do padrão do restaurante e eu e o Nuno fomos de bermuda. Tiveram que nos emprestar calcas na recepção para poder entrar, alem de fazerem cara feia mas depois liberar de eu entrar de chinelo. Restaurante muito bom, até por isto repetimos a dose com a Mãe e Clau. Ri por dentro quando a salada orgânica veio cheio de formigas e tiveram que trazer outro prato e se desculpar. Restaurante chinelo…haha (brincadeira)
Na terça a noite fomos ver lutas de muay thai no Lumpini. O Lumpinee esta para o Muay thai assim como o Maracanã esta para o futebol. Existem outros ginásios mais modernos, com arcondicionado, cadeiras e tal, mas não tem o mesmo prestigio. As lutas de terça tendem a ser as melhores “casadas”, e realmente estavam boas. A Mãe e Pati ficaram com a Luíza no night bazar ao lado e o resto da tropa foi comigo. Não muito depois de eu falar que não aconteciam muitos nocautes, um tailandês acerta um chute na cabeça do outro e completa com uma cotovelada “apagando” o lutador, que sai de maca. No geral todos gostaram, principalmente por causa dos rituais, musica, vendo que não e uma violência gratuita. Acharam muito legal a empolgação dos apostadores, que gritavam muito no calor das lutas. Para quem não sabe, parece uma bolsa de valores. Bati papo com um cara que quando soube que eu era brasileiro logo falou do Leo (Amendoim) e do Cosmo Alexandre. O Amendoim e um lutador de São Paulo que saiu ainda relativamente desconhecido do Brasil, mas esta fazendo uma carreira bem bacana na Tailândia. Já o Cosmo (também de SP) já e uma realidade. Ultimo aniversario do rei, ele nocauteou 3 tailandeses na mesma noite, todos de forma muito contundente. Me fez lembrar que eu era córner do Luiz Sorriso quando ele nocauteou o Cosmo num campeonato em Curitiba. Coisas do destino, mas hoje o Cosmo faz parte do “time” dos meus amigos Mauricio Veio e Andre Dida.
Depois das lutas não sei quem tava mais empolgado na loja da Twins, se era eu ou o Pedro. O Pedrinho com seus 6 anos já tem calção, luva, kruang, camiseta, e treinou toda noite comigo. Na verdade me encheu de porrada porque eu não podia acertar ele…haha

No “templo” do Muay Thai

Sempre fui próximo do Pedro, principalmente nos domingos na chácara ou quando eu levava ele para os jogos do coxa, além das férias. Desta vez foi mais ainda, até porque depois que a Gi viajou, ele passou a ficar no quarto comigo e a Bibi. Me fez lembrar de como eu era próximo dos meus tios maternos Nicolau e Laertes. Eles me levavam ainda pequeno para fazer “aventuras”, que eram subir montanhas, explorar cavernas, nadar em cachoeiras. Dormíamos na “casa do morro” em Caiobá, que já virou estacionamento de prédio a mais de 25 anos. Saudades desta época!!!

Separacao

Pois e, foi bastante tempo juntos, dividindo o mesmo espaco, mas eu e a Bibi decidimos que era melhor cada um ficar na sua. Foi uma ideia que amadureceu com o tempo, e iniciamos 2010 separados!!!

Claro que estou falando do Blog!!haha

O TambemSai iniciou como uma pagina, sem muitas pretensoes. Sabemos que era bem melhor juntos, lado masculino/feminino, a visao e percepcao de cada um, mas a mudanca foi meramente tecnica. A pagina nao suportava mais textos nem fotos.

Agora terao que entrar em dois enderecos. Ja coloquei o link do blog dela no Saiporai para facilitar a vida de todos. Da mesma forma existe o link do Saiporai no blog da Bibi, TambemSai.

Divirtam-se!!!

 www.tambemsai.wordpress.com

 Sei que estou atrasado com os Posts, mas logo atualizo colocando tudo que aconteceu no Vietna. Ou pensaram que so voces teriam ferias?!?