No país ao longo de um rio

A Gâmbia estava ligara à rota comercial trans-saariana e fez farte de alguns dos maiores impérios africanos, como o de Ghana, Mali e do Songhai. Os portugueses foram os primeiros europeus a chegar na região mas logo venderam seus direitos para os ingleses. A disputa colonial pela África fez com que diversas regiões trocassem constantemente de controle, até a conferencia de Berlin, que fez a partilha oficial do continente africano entre os europeus. Maios ou menos nesta época a França tinha influencia na maior parte do Oeste da Africa (no que viria a se chamar Africa Ocidental Francesa) mas a disputa sobre província chamada Senegambia ainda era grande. Os ingleses tinham um entreposto militar em Banjul (hoje capital da Gambia) e controlavam o já proibido trafico de escravos pelo Rio Gambia. Não foi difícil para os inglese conquistarem o território ao longo do rio (hoje Gâmbia), mas os franceses ficaram como toda o restante (hoje Senegal).

O mapa da africa , que já é um absurdo pelas fronteiras determinadas por linhas retas ficou ainda mais esquisito com um país que existe somente ao longo de um rio.

Me aproximando da Gâmbia, vindo da porção norte do Senegal, a estrada N4 (também chamada de Trans-Gambia) praticamente terminou. Viajei muitos quilômetros num carro velho (sept place) por uma estrada bastante empoeirada e quente. Já se aproximava do final de tarde e cheguei a cogitar a possibilidade de dormir nos últimos vilarejos do Senegal. Estando tão perto não custava atravessar a fronteira. Mas não seria tão rápido assim. No posto de controle do Senegal, passaporte carimbado, tranquilo. Já no da Gambia, o oficial veio me perguntar se eu queria que carimbasse meu passaporte. Claro que queria, como faria para explicar na saída do país ou em um possível controle de passaporte? Tentaram me cobrar 2000 CFA, algo como 3 euros. Eu viajava com meu passaporte italiano, pois brasileiros precisam de visto para lá (e não dá para tirar na fronteira) e sabia que não precisava pagar nada. Tentei argumentar, insisti, mas não teve conversa. Sempre me orgulho de dizer que sempre arranjei uma forma de fugir de oficiais corruptos mas ali eu cedi. Estava cansado demais para esperar. Da fronteira contratei um moto-taxi para me levar alguns quilômetros até a próxima cidade, a pequena Farafeni.

Cuidados com a ebola

Cuidados com a ebola

Estava trocando dinheiro, lá eles usam o Dalasi da Gambia e não o CFA, quando percebi que tinha uma van sendo carregada. Já tinha anoitecido, mas não custava ver se ela não iria para meu próximo destino, Janjanbureh. Estava com sorte, era o único transporte que tinha no patio e ia para lá. Quer dizer, sorte mais ou menos. Um cara, daqueles bem malandros veio tentar me vender a passagem. Cobrando bem mais caro. Isto é bem raro nesta região da África, normalmente levam bem a serio os preços e não cobram extra de estrangeiros. Percebi a armadilha e fui comprar direto com o motorista. Ele me garantiu que já estavam quase saindo. Eu sabia que o tempo passa de maneira diferente por ali, então comprei uns baguetes de um vendedor, ovos cozidos de outro e fiz meu sanduíche.

Quando finalmente saímos, a minivan estava lotada, de passageiros e de carga. Os pouco mais de 100 quilômetros foram muito lentos, com paradas para descarregar mercadorias, sair passageiros e subir novos. Quando finalmente chegamos no destino final já era mais de 10:30 da noite.

Peguei minha mochila sem sabem muito bem para onde ir. Na minha frente um rio, Janjanbureh ficava no outro lado. O motorista me falou que tinham hotéis deste lado da margem do rio também, e logo apareceram uns malandros se oferecendo para me levar lá. Estava muito escuro, nenhuma iluminação publica, então não me senti muito seguro de perambular sem conhecer a região. Conversava com quatro senegaleses que estavam vindo a trabalho quando um barqueiro ofereceu para nos levar por 100 Dalasi. O senegalês se ofendeu, ficou irritadíssimo. Segundo ele o preço correto era de 5 Dalasi. Quase brigou com o barqueiro. Eu tentei negociar mas ele disse que não teria passageiros de volta naquele horário e que não poderia nos levar por menos. Os senegaleses discutiram mais um pouco com o barqueiro, falaram alguma coisa que eu não entendi, e ele saiu furioso.

Sentamos na margem do rio, com uma noite quente e muito estrelada. Sem muitos mosquitos mas eu reforçava o repelente, pois esta é uma das áreas com maior incidência de malária de toda a Africa. Os senegaleses ligaram para alguém e garantiam que logo um barco viria nos buscar. Vendo a demora sugeri de eu pagar 60 e cada um 10 Dalasi. Eles não acetaram. Eu morto de cansado da longa viagem resolvi achar o barqueiro e pagar o preço. Quando me dei conta, resolvi fazer a conversão da nova moeda e cai na risada. Os 100 Dalasi são pouco mais de 2 Euros! Eu acabei demorando mais de meia hora para atravessar o rio por este valor. Os senegaleses tinham ficado tão revoltados com o valor que (cansado e não raciocinando) nem me dei ao trabalho de fazer a conversão. Só pensava que pagaria 4 vezes mais que o justo. O raciocínio deles era correto, mas paguei os 100 Dalasi com gosto. O primeiro hotel que fui olhar estava mais de que bom para aquele momento. Ainda tive energia para tomar duas cervejas no bar que ficava num deck ao lado do hotel, e fui dormir, sem banho, o balde poderia esperar a manhã seguinte.

Janjanbureh ( antiga Georgetown) fica na histórica Ilha MacCarthy. Um dos locais mais a dentro do Rio Gâmbia que os ingleses se estabeleceram. Foi um lugar onde muitos escravos libertos vieram morar também. Hoje é um pequeno vilarejo, com certo apelo turístico. Possui diversos armazéns antigos e algumas ruínas o que dá um ar de lugar esquecido. Alguns vendedores ambulantes perto do “porto”, onde 7 entre 10 vendem mangas. O forte café Touba também é muito popular. Alem da cultura e historia local, dizem ser um lugar incrível para observar pássaros. Acabei não encontrando nenhum outro estrangeiro por ali, ninguém para dividir uma canoa ou barco para conhecer os parques nacionais ali por perto. Sozinho os preços eram extremamente proibitivos, então fiquei perambulando pela região. Sempre aparecia alguém para conversar comigo. Eu dou papo, mas infelizmente sempre era com segundas intenções, normalmente oferecendo um serviço de guia.

Pintura em um antigo armazém

                                                                 Pintura em um antigo armazém

.

.

" Porto"

                                                                                     ” Porto”

"Avenida" principal

“Avenida” principal

Peguei um barco para a outra margem do rio e fui explorar os famosos círculos de pedra da região. Os mais conhecidos são os de Wassu, poucos quilômetros dali, listados como Patrimônio da Unesco. Grandes (alguns com 2 metros), bonitos, mas naquele esquema pago, guia, blablabla. Não é uma experiencia em si, tampouco um Stonehenge.

travessia

Travessia

 

Wassu

Entre o Senegal e Gâmbia existem mais de 2000 destes círculos, que foram construídos entre os seculos 3 A.C. e 16 D.C. , nos rituais de sepultamento. A forma de extração das rochas e capacidade de organização mostra o desenvolvimento das sociedades que viveram por ali.

Resolvi estender o passeio e procurar também alguns círculos perto dos vilarejos. Sozinho eu não encontraria, então contratei uns meninos para me levar. Eles ficaram felizes da vida. Uma delicia caminhar entre as casas tipicas, as baobás e escutar as histórias e sonhos da piazada. Os círculos que encontramos, bem mais modestos, tinham um ar de vitória. As crianças discutiam qual era o melhor caminho, qual círculos deveríamos ir e nos divertíamos. Só o sol que castigava, pois estava muito quente.

Círculos de pedra

Círculos de pedra

Meus guias

Meus guias

Casas tipicas

Casas tipicas

Paisagem entre os vilareijos

Paisagem entre os vilareijos

Quando chegou o dia de ir embora, atravessei a ilha e segui pela margem sul. Não tinham ônibus diretos, então tive que fazer diversas conexões até voltar para o Senegal, agora na porção sul, Casamance. Antes disso eu tive que passar pela imigração, que também queria que eu pagasse pelo carimbo. Não eram agressivos, na verdade se faziam de meus amigos. Mas desta vez era de dia, e eu estava com tempo. Coloquei minha arte de negociação para funcionar, dizia que ia voltar por aquela fronteira e até anotei o telefone do guarda. Não fugi da mordida, mas pelo menos paguei só um Euro.

Viajei pelo sul do Senegal e para Guiné Bissau, mas tinha que atravessar a Gambia novamente para pegar meu voo em Dakar, Senegal.

Desta vez fui pela costa da Gâmbia. Dias antes as fronteiras Gâmbia-Senegal tinham sido fechadas novamente. Os dois países vivem brigando por causa da cobrança de impostos. Para a economia do Senegal, atravessar a Gambia, cerca de 40 quilômetros, é bem mais fácil que contornar, que seria uns 600 ou 700 quilômetros. Eu perderia um dia de viagem caso tivesse que dar a volta na Gâmbia. Resolvi arriscar e pude passar, para surpresa minha, sem cobrança para carimbarem o passaporte!

Mototáxi até a primeira cidade pós fronteira e um Peugeot velho (Sept Place) até Serekunda e estava na costa da Gâmbia. Tinham me alertado para evitar o litoral, mas não custava passar um dia na praia. Passei por Kotu e Bakau, até achar uma pequena pousada. Ia sair para comer, mas pensei em ver o mar antes. Fui me decepcionando e entendi exatamente porque haviam me falado para evitar o litoral. As praias da Gâmbia são famosas e muitos turistas vão para lá. Mas é o tipo de gente que fica só nos resorts, só fala com os locais que são seus empregados. Isto gera um clima de segregação muito forte. As pessoas passam a olhar o estrangeiro como uma forma de ganhar dinheiro, e os turistas se escondem atras dos muros, seguranças e vidros dos carros fechados para ter o menos contato possível com as pessoas. Vão para a África sem querer viver a África. Resorts de luxo com bairros inteiros para dar apoio, muitos com casebres com telhado de zinco. O preço de drinks caríssimos são o equivalente a mais de uma semana de trabalho de quem os serve. Não durou muito. Olhei chocado tudo aquilo, voltei para pousada, pedi desculpas e peguei a minha mochila. Me irritei tanto que não consegui nem esperar o ônibus. A demora me fez pegar um táxi mesmo, afinal seriam só 12 Km. Porem mais surpresas estavam por vir. Nos pararam numa barreira policial. O guarda pediu meu passaporte e ficou puxando papo. Resolveu revistar minha mochila. Falou brincando se eu não tinha um “presente” para ele. Me fiz de bobo e ele nos liberou. Não muito tempo depois nos pararam novamente. Desta vez um soldado sorridente me contava como estavam deixando tudo ótimo e seguro para os turistas. Eu olhei com uma cara de “não to te entendendo”. Ele deu uns tapinhas nas insignias do seu ombro e pediu uma colaboração. Fala serio! Disse que estava sem nada no momento, talvez outro dia. Ele manteve o sorriso, agora bem forçado e me dispensou.

Praias e restaurantes só para estrangeiros

Praias e restaurantes só para estrangeiros

Foi um alivio chegar a Banjul. Uma cidade calma e sem grandes atrações. Fiquei em um hotel quase ao lado do Arco 22, um monumento em homenagem ao golpe de estado dado em um presidente democraticamente eleito. Andei pela cidade, explorei mercados, prédios históricos, conheci a mesquita principal e peguei informações sobre o ferry que teria que pegar no dia seguinte. Por alguns momentos me senti anonimo, mas as vezes apareciam malandros com um papo bem manjado. Sempre super simpáticos, mas com interesse estampado na cara. Uma pena, mas parece que a barreira entre o estrangeiro e a população local está bem definida.

Arco 22 no final de tarde

Arco 22 no final de tarde

Num restaurante, um aglomerado de pessoas se espremia na frente de uma televisão. Pensei que era um jogo de futebol, muito popular por ali, mas não. Na Gâmbia, assim como no Senegal e grande parte do Oeste da Africa, além do futebol, o esporte nacional é a Luta Tradicional. Parecida com a Luta Greco-Romana, mas embalada por tambores e ritos tradicionais. Ao contrario dos países vizinhos, na Gâmbia e no Senegal, os lutadores podem dar tapas antes de derrubar os oponentes, se tornando muito mais violenta. O esporte lota as arenas e sempre esta presente na televisão.

Luta tradicional

Luta tradicional

O ferry de Banjul para Barra é o caminho mais próximo para ligar as capitais da Gâmbia e Senegal. Cheguei cedo para pegar o primeiro mas tive que esperar um bom tempo. Ferry lotado e colorido, onde finalmente pude bater papo com pessoas comuns. Uma travessia lenta mas agradável e com bela vista de Banjul na saída. Em Barra taxistas diziam que não tinha ônibus, que a fronteira com o Senegal estava para fechar, mas eu já tinha me acostumado com a malandragem local. Ignorei o assedio e fui até o patio do transporte. Deu tempo de comer alguma coisa para gastar minhas ultimas notas da moeda local e partir para o Senegal, onde entraria sem pagar pelo carimbo.

Banjul

Banjul

Ferry Banjul-Barra

Ferry Banjul-Barra

Chegada em barra

Chegada em barra