Videos da viagem – Africa e Peninsula Arabica

Pois e, os videos de viagem ficaram prontos, e alguns amigos puderam ver a pre estreia!rs

Gostamos da recepcao, e como falamos, acredito que junto com o blog, fotos e conversas, o video ajuda a entender a viagem. O video foi postado justamente no dia em que voltamos da nossa primeira viagem depois de chegar ao Brasil. Voces nao imaginam a saudades que da ao vermos estas imagens…

 

 

O primo rico

O Omã era muito poderoso, muitas das batalhas que houveram na Africa dos Árabes com os Portugueses eram eles. O Sultão dominava ate Zanzibar, e foram muito ativos no trafego de escravos. Hoje e um pais muito rico, devido ao petróleo e ao gás. O Omã e um Sultanato, e o Sultão manda em tudo. Apesar de grandes riquezas, não existe uma divisão de dinheiro com a população, que os deixa descontentes (Outros países pagam “mesadas”para seus cidadãos).

Ainda no Iêmen, voamos da Ilha Socotra para Mukalla. O aeroporto e bem afastado da cidade, e pistas modernas mostravam que nada de muito antigo por aqui. A cidade e cortada por um canal, e tem um morro bem no meio. Totalmente diferente de Sanaa, desde o clima, que e bem mais quente, ate todo o estilo, que e mais moderno. Fomos direto numa cia de ônibus, para comprar a passagem para o dia seguinte. Chegamos la e só tinha três ônibus por semana. Não tínhamos tempo para esperar. tinha um ônibus que ia ate outra cidade, a poucas horas da fronteira que saia naquela noite. Parecia perfeito, mas só tinha um lugar e não estavam aceitando nossa autorização da policia de Sanaa, tinha que ter carimbo da policia de Mukalla. Segundo eles, só abriria as 8 da manha do dia seguinte. Falaram de outra cia e fomos tentar. Tinha lugar, e comentaram que a policia tinha um plantão 24 hs. Fomos la e rapidinho conseguimos a autorização. Deu tempo para tomar um sorvete em uma sorveteria dividida em área para homens, mulheres e famílias. Notei que todos os lugares que estávamos indo eram só para homem, por isto não tinha divisão. Estrada muito boa, beirando a costa. Viajamos a noite toda e de manha chegamos em Al-Gaydah (nome sugestivo). Uma batalha para se fazer entender. Parecia que não tinha transporte ate a fronteira, e não tínhamos como contratar um só para nos. Fomos ate um hotel, para tomar um cafe e encontrar alguém que falasse inglês. Conversa com um, com outro e descobrimos uma van de Sauditas que sairia dali a pouco. A van chegou, cheia de pessoas vestidas com trajes típicos, parecia que seria tenso. Não demorou 5 min e tava todo mundo cantando, batendo palmas, super divertido. Já a algum tempo tinha deixado de ser plano e passávamos por montanhas e tuneis, mas agora viajávamos na beira do desfiladeiro, e não tinha como não comparar com a paisagem da Califórnia 1. Asfalto perfeito, e placas indicando lugares para banho, crianças, tartarugas, mergulho. Muuito estranho. No meio do nada, lugar que nunca recebe ninguém, nem locais, mas a estrutura ta pronta. Visual muito bonito ate a fronteira. Chegando no pequeno posto de imigração, peguei meu visto mas queriam que eu pagasse com a moeda local. Comentei que não tinha nem entrado no pais, mas que tinha USD. Ele aceitou mas não tinha troco. O motorista acabou pagando e acertei com ele depois.

Mukalla

Mukalla

IMG_3495

Vista da estrada

Em Omã a paisagem de montanhas continuava, agora ate mais altas, chegando ate a ter alguma vegetação. Perto de 3 hs depois estávamos passando pelas famosas praias de Salalah. Esta região fica cheia na época das monções. A região fica mais fria, verde nas montanhas, e um verdadeiro oásis. Os Sauditas vem aos montes, assim como o pessoal da capital, Muscat. Salalah e estranha, espalhada, com construções e quadras desorganizadas. Foi nosso primeiro contato com Omã, e deu para ver que os preços eram estilo europeus, se não mais caros. Um Rial vale 2,5 USD. Para poder circular dinheiro de menos valor, não dividem o Rial em centavos, e sim em Mil!! Tivemos boa parte da manha e toda a tarde para conhecer o lugar, mas como não era época de monções, decidimos pegar um ônibus já no dia seguinte para Muscat. Jardins, postes, praças, monumentos e imponentes Mesquitas mostravam que o dinheiro tava sobrando por aqui…

IMG_3496

Salalah

IMG_3497

Mesquita em Salalah

A Viagem ate Muscat, depois que se afasta de Salalah, e monótona, deserto de areia dos dois lados, KM e mais KM sem alterar. Deu para adiantar bastante o novo livro que estou lendo, What is the What (historia da trajetória de um refugiado do Sudão ate o Exílio na Etiópia, Quênia e EUA). Um bom tempo depois, já perto de Muscat, iniciavam as autopistas, cheias de anéis rodoviários, tudo com velocidade de 120 km/h permitida, mesmo perto da cidade. Jardins, praças, e tudo mais instalados e sendo implementados. Logo apareceram Mc, Pizza Hut, papa Jones, Hardees, Star B, Subway Burger K, e tudo mais que tinha direito. Passamos ao lado da grande mesquita, onde esta o maior tapete sem emendas do mundo (adoro estas manias de grandeza…hehe). Chegamos no centrão, parte comercial. Tudo novo, não ocidental, mas sem estilo. Vimos que nenhumas das solicitações de couchsurfing tinham sido atendidas., então saímos em busca de hotéis. Não foi fácil, mesmo os mais simples (que aqui tem ate ar condicionado) estavam fora do nosso orçamento. Um pouco mais afastado achamos um que poderia ser uma opção, mas decidimos comer algo e checar o Couchsurfing de novo. Estávamos sentados na rua e acabamos conversando com um Paquistanês (ta cheio de indiano, paquistanês e filipino) que deu dica de 3 hotéis baratos perto da marina. Fomos para la e os hotéis não eram mais barato que o que tínhamos achado, mas a região bem mais simpática, entre morros com fortes antigos, e perto do mercado tradicional de Muscat. Tudo reformado, com cara de novo e iluminação colorida. Muito artificial para o meu gosto, faltava um pouco de vida, mas tinha que reconhecer que a região era muuito melhor para ficar.

Disfarcado...hehe

Dia seguinte cedo fui fazer a barba, que não cortava desde Nairóbi. Enquanto isto o Guru entrou em contato com um Couchsurfer que foi nos buscar e nos levou para cima e para baixo. Conhecemos o que restou da cidade velha, um dos palácios do Sultão, algumas praias e fomos almoçar num restaurante indiano. Ele e indiano mas mora aqui já faz mais de 15 anos. Fomos ate a casa do Suresh para conhecer a família e ficamos conversando um tempo. Ele tem uma boa condição de vida e viaja com bastante frequência, tinha se cadastrado no CS uma semana atras. Fomos para uma praia mais Up Market e paramos no Star B. caffe. Tinha perguntado sobre vilas de pescadores, algum lugar charmoso. Ele me levou numa “vila” onde 90% das casas são novas, com bons carros na garagem. Ser pescador aqui e fácil… Teve um ciclone a alguns anos atras e o governo construiu novas casas para todos os afetados, e não e coab não!! Ainda visitamos o mercado tradicional, que fora na época do final do Ramadan, e bem pra turista, e tomamos um suco no calcadão.

Noite em Muscat

IMG_3518

Roupas de Praia

Parece que ele gostou de ajudar agente, e arrumou um funcionário para nos buscar cedo para nos levar ate a área das embaixadas, pois o Guru tinha que buscar uns vistos. Neste meio tempo outro CS respondeu nossa mensagem e combinamos de nos encontrar. Desta vez era um Omani mesmo, que veio no seu mais tradicional traje tipico. Começamos a conversar e ele adorou nossas historias, na verdade nos achou uns malucos. Ligou para outro amigo dele, bem gente boa, que viaja bastante. Acabamos fazendo outro tour com eles, visitando nascentes de água quente que são canalizadas para banhos públicos, comendo o nosso “espetinho de gato” que e comida tipica por aqui, indo nos bares com musica onde os árabes enchem a cara sem ninguém reclamar, alem de monumentos e outras atrações mais previsíveis. Os dois são umas figuras, e tao fazendo aula de Salsa, só pra interagir com a mulherada. Haha Não adianta, no mundo inteiro e a mesma coisa, as mulheres vão dançar porque gostam e os homens por causa delas…

IMG_3538

Mais CSfers

Neste meio tempo passei num escritório da Emirates, para comprar passagem para Malasia, via Dubai, desta forma pegaria o mesmo voo que a Bibi. Eles comentaram que se a espera para conexão fosse maior que 8 horas, eu teria direito a transporte, refeição, hotel e eles providenciariam o visto. Que beleza. Na verdade nunca tive interesse em conhecer Dubai, mas “de graça ate ônibus errado…”

Minhas pesquisas na internet apontavam preços mais baixos que na “loja”. Ao questionar porque, falaram que deveria ser pela taxa de administração, e que na internet eles sempre tinham promoções. O preço estava bom, e comprei pela net. Chegaria em Dubai as 5:50 da manha e o voo para Malasia seria as 3:10 da madruga do dia seguinte. Fui num voo vazio para Dubai. Nem me preocupei quando não tinham o tal Voucher no chek in, pois falaram que tinha um guichê especifico la na chegada.