Togo, despedida do Oeste da África

Confesso que não tinha grandes expectativas do Togo. Desde o inicio da programação da viagem, não imaginava explorar o interior, só os pouco menos de 60 quilômetros de costa deste pequeno país. Foi muito bom, pude conhecer com calma e digerir as experiencias tão intensas que tive até ali. Nestas horas, sem grandes planos, acabamos nos surpreendendo, e curtindo momentos simples, aqueles que não podem ser planejados.

As fronteiras pouco importam nesta região, onde povos são separados por linhas imaginarias. Grande parte do “Togo histórico” se é que se pode falar desta maneira, acabou fazendo parte de Ghana. Apesar de ter sido um protetorado alemão (1884) durante um período, pouco resta desta época e a língua colonial mais falada é o francês, já que a França assumiu o controle da região após a primeira guerra.

Minha primeira parada foi em Aného, pertinho da fronteira com o Benim, onde buscava a herança cultural dos escravos que voltaram do Brasil para lá. Assim como os Tabom (Ghana) e Agudás (Benim), também tiveram escravos libertos que se fixaram no Togo, e a cidade era apontada como um grande centro cultural deles. Pouco sobrou da antiga cidade protetorado alemão, no máximo uma ou outra construção colonial, a maioria bem decadente. Havia ouvido falar que até a cor das pessoas seria um pouco mais clara, devido ao “abrasileiramento”. Grande besteira. Quem já viajou pela África sabe que os tons de negro são infinitos e impossíveis de se classificar. Verdade é que não existe uma raça negra, nem fenótipa nem genótipa. Existe uma herança (multi) cultural africana, e só isto. A eugenia tentou em vão criar diferenças e padrões, mas sempre fracassou. Estudos mostram uma variabilidade genética maior entre os próprios grupos de indivíduos do que fora deles. Raça não existe, fato.

O povo Ewe, predominante na região, é amenista e crente nas praticas do Vudum. Muito rico culturalmente, colorido e bastante musical, fez minha estada na região ter sido muito agradável, apesar de não ter passado por grandes atrações.

Lago Togo

Lago Togo, com a histórica Togoville ao fundo

Acabei usando a capital, Lomé, como base, e as curtas distancias facilitaram bastante para eu explorar a região. Um curto táxi comunitário e eu estava em Agbodrafo, a antiga “Porto Seguro” na época dos portugueses. Lá tem um pequeno forte escravocrata, mas meu interesse maior era no sentido oposto ao litoral. Poucos quilômetros dali, por estradas de terra, cheguei no Lac Togo. Parecia a forma mais fácil de chegar até a histórica Togoville, mas não sem muita negociação. Canoas partiam sentido a pequena vila, todas carregadas com os mais diversos produtos, desde saco de alimentos até motocicletas. Mas pareciam não querer levar estrangeiros, pelo menos não pelo preço dos locais. Me passaram o preço que um grande hotel ali perto cobra, para um barco particular. Me surpreendi um pouco, pois no ultimo mês estava viajando por diversos países e nunca tentaram me enganar no preço do transporte. Nada de me revoltar, com um sorriso no rosto, apertos de mãos longos, piadas e abraços consegui derrubar o preço, mas não consegui pagar o justo. Com o turismo, existe uma certa crença que os mais ricos tem que dar dinheiro para os mais pobres. Não que esteja completamente errado, mas eu viajando de forma simples que estava, acabava me sentindo um pouco excluído. De qualquer forma, depois de bastante negociação, acabei cedendo e pensando que estava contribuindo um pouco com a região.

Togoville

Togoville

Redes de pesca no Lago Togo

Redes de pesca no Lago Togo

Pescadores

Pescadores

Pescadores recolhiam as redes, canoas navegavam lentamente quando pude avistar ao longe a torre da igreja. No meio de tantas capelas de Vudum se destaca uma grande catedral, que marca o lugar onde dizem que a virgem Maria apareceu nos anos 70.

Uma cidadezinha calma, com pescadores deitados na beira do lago, alguns comerciantes expondo mercadorias e uma ou outra pessoa na rua. A lotérica era o lugar mais movimentado e um bar/ restaurante o mais barulhento, apesar de poucos clientes. Crianças brincavam de bicicleta, jogavam bola e corriam com rodas. Uma ou outra gritava “Yovo” (homem branco) para mim e saia correndo dando risada.

Passei pela Mansão real, pela Catedral, capelas de vudum e pelo “Memorial”onde foi assinado o tratado com os alemães. Apesar do apelo turístico da região, não pareciam se importar muito com minha presença por ali. Fiz alguns amigos no pequeno mercado de rua e consegui um motorista para me levar de moto até Vogan, uma cidadezinha a alguns quilômetros dali, onde tem um grande mercado nas sextas-feiras. Não havia planejado, mas estava com sorte!

Este slideshow necessita de JavaScript.

No caminho, aquele clima rural, cenário de interior. Rápida parada para abastecer, num lugar que vendiam gasolina em garrafas de vidro de um litro. Notei quando nos aproximávamos de Vogan pela quantidade de mulheres com seus cestos na cabeça, e roupas coloridas, voltando das compras.

Abastecendo

Abastecendo

Movimento

Movimento em dia de mercado

É um grande mercado, onde se vende de tudo. Roupas, comidas, animais alem de qualquer coisa que possa precisar no dia a dia. Fora comida, e talvez um tecido ou outro, nada que eu quisesse comprar, mas ótimo lugar para observar as pessoas e o dia a dia. Um pouco de voyeurismo eu confesso. Para aliviar o calor, nada melhor que uma água de coco, que custava 70 CFA, algo em torno de 0,10 Eur.

Vogan

Vogan

Vogan

Vogan

Cores

Cores

Para sair de um grande mercado destes claro que só num carro superlotado. Fui no banco da frente dividindo com uma “Mama”. O carro quebrou, furou pneu, mas nada que eu não estivesse esperando, nem demorou tento assim para eu voltar para Lomé.

Estava hospedado num hotel na região de China Town, atras do palácio presidencial. Os quartos eram bem ruinzinhos, mas tinha um restaurante popular entre os expatriados, onde tinha até banda alguns dias a noite. Para comer eu preferia caminhar umas quadras dali, onde ficavam os restaurante libaneses, bem mais baratos. As comidas de rua sempre estava a disposição também!

Catedral Lomá

Catedral Lomé

A praia, alem de suja, é um local considerado perigoso, portanto eu apenas passava (não aproveitava), a caminho do hotel. Caminhei bastante pelo centro, explorei vários cantinhos do Grand Marché e o mercado de artesanatos. Mas eu estava mesmo sonhando em conhecer o Mercado Akodessewa, conhecido como “Marché des Féticheurs”, o Mercado da Feitiçaria. Como fica mais afastado é só parar uma das motos e acertar o preço. Acabei tendo sorte e um cara bem bacana me levou. Em vez de somente me deixar lá acabou me acompanhando e ficou meu amigo. Ele estava desempregado e tinha tempo livre. Aproveitava para aprender um pouco de inglês, mas ainda estava bem no inicio. Rodamos um pouco pelo mercado antes de achar a seção de feitiçarias. Dentre mantimentos e animais vivos, um pequeno gato me chamou a atenção. É para comer eu perguntei um pouco sem jeito. Claro espondeu a vendedora, com cara de “para que mais seria”. Todo mundo já comeu “filé miau”, mas ir comprar assim é um pouco estranho.

Filé Miau

Filé Miau

A seção de feitiçaria foi um pouco decepcionante, pelo menos para quem tem um espírito de viajante independente. Já na entrada tem uma placa onde mostra o preço da entrada e o valor que você precisa pagar para tirar fotos. O lugar não foi montado para o turista, ele está lá e vendem mercadorias para todo o Oeste da África, só aproveitaram a possibilidade para ganhar um extra. Você pode ter um tour onde vão te explicar a utilização de cada produto, tirar duvidas e até ter uma consulta. Tudo isto no meio de crânios de macacos, cascos de tartarugas, dentes, asas de morcego, garras de diversos animais e por aí vai.

Feitiçaria

Feitiçaria

Vudum

Vudum

Compras

Compras

Loja

Loja

Vale a pena, mas não deixa de ser um daqueles famosos pega-turista. Com certeza é possível ter experiencias bem mais autenticas com o Vudum em outros lugares, mas talvez as fotos não fiquem tão boas como ali.

Consultas

Consultas

Mercado Feitiçaria

Mercado Feitiçaria

Alguma encomenda?

Alguma encomenda?

Lomé é pequena para uma capital e muito fácil de se orientar. Dali eu iria até Accra, Ghana, para pegar o voo para o Brasil. Interessante que a fronteira Togo-Ghana fica nos limites da cidade, muito perto do centro. Minha estadia por  ali foi um período nostálgico, onde eu tive um certo tempo livre. Tomando cerveja ou comendo num restaurante eu ficava relembrando esta incrível viagem pelo Oeste da Africa.  Ernest Hemingway não poderia estar mais certo quando disse:

“Não me lembro de uma manhã na África em que eu acordei e não estivesse feliz”

Anúncios