Barrado no país do faz de conta!!

Cheguei em Dubai naquele voo vazio, e logo me informaram onde era o local onde tiraria o voucher. Tinha toda uma estrutura para isto. Tava ate empolgado. Mesmo não “indo com a cara” de Dubai, sempre e legal conhecer um lugar novo, para pelo menos poder falar do que viu, não do que imagina. A funcionaria pegou minha passagem, cadastrou no computador, e me devolveu. Falou que como eu tinha viajado num voo promocional, não tinha direito a transporte, visto, hotel, só tinha direito a uma refeição. Não desisti, contei da minha viagem, expliquei que era a primeira vez que voava com a Emirates, que eles tinham me informado que seria a mesma coisa… Mas não adiantou. Resolvi tentar um visto de transito com o funcionário da imigração. Ele falou que dependia da documentação do mesmo lugar que tinha ido. Final das contas falaram que o visto era atrelado ao hotel, e que com as taxas, se pagasse 188 USD podia ficar um dia. Dei uma boa risada na cara deles, agradeci e sai.

O aeroporto da uma ideia, mesmo que limitada, da cidade. Palmeiras gigantes, pequenos lagos, tudo artificial (e brega). Fui explorar um pouco o aeroporto, ver que lojas que tinha, onde dava para dormir. Acabei descobrindo que tem internet gratuita. Atualizei uns posts, escrevi e-mails, tudo de pé, porque teoricamente era para ficar pouco. Logo tava me sentindo no filme “O Terminal”, acho que e do Spielberg, com o Ton Hanks. Seriam quase 22 h ali. Usei pela primeira vez o site www.sleepinginairports.net que teoricamente deveria dar dicas de bons lugares para se dormir…hehe Optei por uma poltrona semi reclinada. Tinha direito a almoço ou janta, e acabei escolhendo o almoço. Um buffet indiano, bem completo, com direito a repeteco. Depois tomei um cafe e fiquei lendo la no restaurante mesmo. Como tinham muitas frutas, não achei que faria diferença levar umas para depois. Tentei falar com a Bibi antes dela sair de Londres, mas nao deu.

Muito tempo depois, próximo da chegada do voo, ficava andando de um lado para o outro esperando a Bibi chegar, e não tinha o acompanhamento das chegadas, só dos voos que iam sair. Toda hora eu tinha que perguntar se o voo tinha atrasado. Atrasou um pouco, mas logo ela chegou, para minha tranquilidade. Tínhamos poucas horas para o voo, e ficamos grudados, se curtindo, mas a saudades não passa tao rápido… Já no avião, conseguimos três poltronas pois o voo não estava lotado. Fomos super bem atendidos pelo comissario de bordo que era brasileiro. Alias, desde que sai do Brasil, o lugar que mais vi brasileiros foi em Dubai, todos cheios de sacolas de compra, felizes da vida…

Com três poltronas foi bem melhor. Dormimos super bem e acordamos quando já estávamos chegando na Malásia.