Etosha

Então, meio difícil escrever sobre o Etosha. E um grande zoológico  com todas as qualidades e defeitos destes. É um parque gigantesco, área suficiente para diversas espécies viverem muito bem, e conservadas de forma natural. Não é como um Kruger, mas não deixa de ser extremamente  comercial, com seus lodges refinados, piscinas e restaurantes. Claro que e um excelente lugar para ver a vida “ selvagem”, principalmente perto de vc. Os animais não se assustam, e existem os Waterholes, onde vc pode ficar tomando uma cerveja e eles vem beber água. Estes parques são meio artificiais para o meu gosto, mas talvez seja a única forma de ficar a 4 ou 5 metros de um leão.

Bota camuflagem nisto

Bota camuflagem nisto

Ta olhando o que?

Ta olhando o que?

Centenas de zebras

Centenas de zebras

Claro que agente continuou acampando, e cozinhando na fogueira, para escapar das altas taxas cobradas para estrangeiros. Um parque muito legal, totalmente recomendado, mas não é a Africa selvagem e intocada. A emoção de ver a vida selvagem livre nem se compara, mas requer tempo e paciência.

Africa!!

Africa!!

Procuramos alguns geo cache, “tesouros escondidos” com coordenadas em um site da internet. Achamos uma caixa de plastico com lembranças pessoais , alem de um caderno para colocar nome e contato. Bem divertido, pois normalmente escolhem lugares bem bonitos mas de difícil acesso.

Um elefante incomoda muita gente...

Um elefante incomoda muita gente…

Etosha depois da temporada de chuvas

Etosha depois da temporada de chuvas

Saindo do parque acampamos não muito longe, no dia seguinte paramos em Tsumeb para uma revisão no carro, comprar mantimentos e seguimos para a fronteira. Desistimos de ir pelo Caprivi, pois deveria estar alagado devido a pesada temporada de chuvas deste ano. Pena pois tem toda uma influencia de Angola que queria ver, mas acabamos passando e acampando em uma área dos San (Bushman), os primeiros habitantes do sul da África.

Foram mais de 3000 km de Namíbia, sendo que mais de 95% em Estrada de terra, e finalmente chegamos na fronteira com a Botsuana. Parecia uma porteira de fazenda, onde não passam mais que 50 pessoas por mês. Ao mostrar o passaporte Brasileiro, o Kaka foi lembrado imediatamente.

Anúncios

Dorp System e outras praticas

Como a África do Sul dominou a Namíbia ate 1990, exportou o regime do Apartheid para cá. Em ambos os países existiu uma prática chamada Dorp System, em que os fazendeiros e outros empregadores, pagavam parte do salario em bebidas alcoólicas  Uma forma muito clara de controlar os empregados e impedir o desenvolvimento destes. A pratica funcionou muito bem, e a herança e terrível. O alcoolismo é um grave problema, e mesmo o dorp system não existindo mais, grande parte da população menos favorecida passa todo o final de semana embriagada. Chegamos em algumas cidades na sexta feira e a fila na loja de bebidas era gigantesca.

Outra pratica legalizada no passado- e que apesar de proibida hoje- e amplamente difundida- e a punição física nas escolas. Não se comportou bem? Toma umas ripadas. Desobedeceu? Não fez lição de casa? Se atrasou? Da ate medo de pensar se na minha época fosse assim!!

Norte da Namibia

Ah Namíbia, que país encantador. Uma nova surpresa a cada Km rodado.

Saindo de Swakop, seguimos norte, por uma estrada que beirava a Skeleton Cost. Visual desértico, na beira do mar, com diversos destroços de navios e outras embarcações menores ao longo da costa (por isto do nome).

Skeleton Cost

Skeleton Cost

O gelado vento sudoeste derrubava a temperatura assim que o sol se punha (lembram que não temos janela na parte de trás?!) Andando pela costa, observamos muitas ossadas de animais também. Com certeza não e um lugar onde Robson Crusoe gostaria de naufragar. Com um lugar tao inóspito aos nossos pés, decidimos acampar!!! Posicionamos a Landy de frente para o vento, e pela primeira vez acampamos somente com 2 barracas, para que pudessem ficar protegidas do vento.

Acampando na SC

Acampando na SC

Neve na Namibia? Nao, sal!!

Neve na Namíbia? Não, sal!!

Pouco antes de chegar a Tora bay, viramos sentido ao interior, pois logo se tornaria área restrita. A paisagem lunar começou a mudar, e diversas “ Table Mountains” e outras que parecem cones passaram a surgir no horizonte. Parecia que estávamos sendo transportados a milhões de anos atrás, na era dos dinossauros.

onde estao os dinossauros?

onde estao os dinossauros?

Passando pela pequena cidade de Bergsig, por sorte fomos forcados a parar, devido a um problema na embreagem. Sim, por sorte, pois uma cidade minuscula, que apenas passaríamos abanando, foi uma experiencia sensacional.

Logo que paramos, diversas curiosas criancas apareceram. Timidade inicial vencida, já estávamos batendo altos papos, brincando e rindo muito tentando aprender a língua Damara (quase todos falam Inglês, Africaner e a língua local).

Novos amigos

Novos amigos

Apesar de ser um problema simples no carro, decidimos ficar uns dias pois o ambiente era muito simpático. Manha seguinte ao acordar vimos que as crianças estavam não mais que 30 metros das nossas barracas, só nos esperando para brincar. Decidimos subir uma montanha para curtir o visual, e a piazada foi junto, de pés descalços, apesar da relativa dificuldade da escalada. Gastamos um bom tempo la no topo, com uma vista magica.

Gregorius, o unico que subiu de tenis

Gregorius, o unico que subiu de tenis

Ao retornarmos, descobrimos a preocupação de todos, pois nas noites anteriores, algumas Cheetas haviam atacado as cabras, e fugido naquela direção. Esta região de Damaraland e Kaokoland (quase Angola) e tida como uma das ultimas áreas selvagens da região Sul da Africa (na Africa do sul por exemplo, vida selvagem somente nos parques nacionais e fazendas particulares). Descobrimos que os raros Elefantes do deserto (so restam alguns na Namíbia e em Mali) haviam passado por ali 3 dias antes, e fomos atras deles, com auxilio de uma pessoa do local. Depois de certa dificuldade devido a ausência de estradas, avistamos o grupo de elefantes ao longe. Estes animais não são acostumados com seres humanos, e como o vento soprava na direção deles, perceberam nossa presença, e se posicionaram para defender os filhotes. Já estava ficando tarde, e decidimos voltar no dia seguinte. De volta a cidade, compramos uma bola pra piazada e ficamos jogando futebol. (O comercio da cidade se restringe a um bar, que vende de tudo)

No dia seguinte, não obtendo sucesso em ver os elefantes novamente (ficamos sabendo de uma revista que demorou 3 meses para localizar estes elefantes), seguimos pela estrada, agora novamente ao norte. Avistamos Zebras, Girafas e bem ao longe Leões, todos soltos, sem cercas ou portões de parques, como deveria ser, como era no passado. Parávamos e perdíamos um bom tempo observando, hipnotizados.

Ao longe, a primeira girafa que avistamos

Ao longe, a primeira girafa que avistamos

Seguimos até Ongongo, onde acampamos a 30 metros de uma cachoeira de agua quente, entre montanhas, num vale super alto astral.

Cachoeira de agua quente!

Cachoeira de agua quente!

Região muito bonita, mas com um pequena comunidade muito pobre. Ao passarmos, muitas crianças corriam em direção ao carro, tentando vender artesanato ou lenha. Nada custava mais que 1 USD, que para eles era muito dinheiro. Todas sem roupas, com um olhar triste, de mão estendida. Sim, na Namíbia também tem miséria, e me cortou o coração.

Viajamos todo o dia por estradas parecidas com as de perto da chácara (pra quem não sabe, Tangua-Almirante Tamandare) tentando chegar ate Opuwo, mas já estava noite e decidimos acampar na estrada mesmo. Já estava acostumado com o barulho dos Chacais a noite, mas confeco que fiquei um pouco assustado ao ouvir leões. Não queria ver a natureza? Entao tome!!!rsrs

Em Opuwo (100 km de Angola) encontramos varias pessoas da tribo Himba, que ainda mantem suas tradições, e muito poucos falam Inglês. Foi uma pena não passarmos mais tempo la, mas tivemos que seguir viagem.

Himba no mercado de rua

Himba no mercado de rua

Himba Tribe

Himba Tribe

Que tal um churasco hj a noite?

Que tal um churasco hj a noite?

Ficamos surpresos ao encontrar uma estrada (muito boa) de asfalto, coisa que praticamente não havíamos visto por aqui ( existem somente entre as principais cidades), e seguimos em direção ao sul agora, rumo a Kananjab, pois estávamos ao lado do Parque Nacional do etosha, e não era permitido o acesso por ali, então teríamos que contornar o parque.

Heraras

Heraras

4000 KM depois

Depois de rodar mais de 4000 km na África do Sul, cheguei ao parque Kalagadi, na tríplice fronteira  A.Sul-Botsuana-Namíbia. Ficamos alguns dias fazendo Games (Safaris) e logo vimos que não era tao fácil ver os principais animais. Tem que ter muito paciência, principalmente nestes parques grandes onde não tem uma superpopulação de animais.

Kalagadi Park

Kalagadi Park

Entramos na Namibia pela fronteira Mata-Mata, e após rodar alguns KM, acampamos ao lado da estrada mesmo.

Camping na estrada

Camping na estrada

Atravessamos o que restava do Kalahari, todo o deserto do Karoo acampando onde dava, pois praticamente não tinham cidades. A Namíbia é um pais muito grande, com uma população de pouco mais de 2 milhões de habitantes. As poucas cidades que tinham, eram minúsculas, portanto não podia fazer nenhum contato com o Brasil, o que me deixou preocupado.

O deserto do Karoo é um plato, onde o horizonte se perde em todas as direções, e que muda muito ao se aproximar do deserto da Namibia, todo montanhoso e com dunas.  Já no deserto da Namíbia acampamos o mais perto possível de Sossiusvlei, um dos cartões postais mais famosos da Namíbia, com suas dunas vermelhas intermináveis. Show de bola!!!

Dunas

Dunas

Dunas

Dunas

Depois de passar um tempo nesta região, saímos rumo a Swakopomund, mas a Landy estragou novamente (estava indo tão bem…) perto de Solitaire (procurem no Google Earth). Uma “cidade” com umas 5 casas, um Lodge, um posto de gasolina e uma padaria. Tinha uma lua cheia incrível, e não foi tao ruim ficar no Deserto mais uma noite.

Lua Cheia em Solitaire

Lua Cheia em Solitaire

Agoniado pois não tinha como passar notícias para a Bibi, pensei em abandonar a “expedição” pela primeira vez, tinha decidido que se não saíssemos no dia seguinte (parecia um problema sério) seguiria de carona, pois não tinha transporte coletivo. Inacreditavelmente deu tudo certo, o que surpreendeu até ao Piter.

Landy funcionando!!!

Passamos por uns Pass muito bonitos, e chegamos a uma reta interminável, totalmente plana, mas ainda com estrada de terra. Rodamos muitos KM até chegarmos em Swakopomund. Os ventos gelados do atlântico sul, ao encontrarem com o deserto, causam um fog muito forte. Ficou tudo nublado, e  frio, parecendo o leste europeu em Janeiro.

Mas as coincidências não param por aí. Até a primeira guerra mundial, a Namíbia era parte da Alemanha, e se chamava German South West Africa (ficou sob o domínio da Af. do Sul depois disto até a independência em 1990), portanto possui incríveis semelhanças com a Alemanha. Entendi plenamente o que o Lula quis dizer  ” … Nem parece Africa,” quando se referia a Namíbia.

Arquitetura toda europeia, ruas todas limpas, tudo organizado. Claro que nao se pode generalizar ” Africa ” como um todo, mas muitas cidades aqui parecem com a Europa e não com a Africa. Ou vcs acham que Blumenau é a cara do Brasil?

Swakopomund

Swakopomund

Dizem que Luderitz e ainda mais tradicional, mas acabamos não passando por lá. Foi de lá que Almyr Klink saiu com seu barco a remo para atravessar o atlântico (Cem dias entre o céu e o Mar).

Termino este post com uma frase dele, inspiração para qualquer viajante:

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”
Amyr Klink