Novo livro – De Istambul a Nova Délhi: Uma Aventura pela Rota da Seda

Lançamento Curitiba 19/10

Lançamento Curitiba 29/10

Ficou pronto o novo livro! Ele relata a última etapa da viagem. Uma jornada desde Istambul/Turquia até Nova Délhi/Índia, passando pelo norte do Iraque, Irã, Turcomenistão, Uzbequistão, Cazaquistão, Xinjiang (oeste da China), Paquistão e Índia (Caxemira, Ladakh e Ilhas Andaman).

Está no mesmo formato que o “De Cape Town a Muscat: Uma Aventura pela África”.  Acho até que um pouco mais bonito e colorido 🙂

Fotos, mapas, Relatos e dicas de viagem!

Quem quiser adquirir o seu:

Nome – De Istambul a Nova Délhi: Uma Aventura pela Rota da Seda

Editora: Pulp edições

Valor: R$ 40,00

Já estou enviando para todo o Brasil mediante depósito bancário.

Em breve nas principais livrarias do Brasil.

Anúncios

De Cape Town a Muscat: Uma aventura pela África

Capa

Capa

Ficou pronto o livro da primeira etapa da viagem! Fiquei muito feliz! No livro conto em detalhes a experiencia de viajar desde a Cidade do Cabo, na Africa do Sul até Mascate, em Omã. Toda a vivência, as primeiras impressões de quem acabou de deixar a vida no Brasil, o trabalho, para realizar um sonho de viajar sem passagem de volta. São 232 páginas, com cores, fotos, mapas ilustrados e relatos de viagem.

Quem quiser adquirir o seu:

Nome – De Cape Town a Muscat: Uma aventura pela África

Editora: Pulp edições

Valor: R$ 40,00

Likestore da Pulp: http://www.facebook.com/livrosdeviagem/app_206803572685797

Livraria Saraiva: http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/4381113/de-cape-town-a-muscat-uma-aventura-pela-africa/

Livraria Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/externo/index.asp?id_link=11095&destino=/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=30739236&uid=816050655710659&

Logo estará disponível nas principais livrarias do Brasil.

Leiam o que a Pulp Edições escreveu sobre o lançamento (Clique aqui)

Outras fotos:

Roteiro

africa1_resize

africa3_resize


africa2_resize Africa4_resize

Etosha

Então, meio difícil escrever sobre o Etosha. E um grande zoológico  com todas as qualidades e defeitos destes. É um parque gigantesco, área suficiente para diversas espécies viverem muito bem, e conservadas de forma natural. Não é como um Kruger, mas não deixa de ser extremamente  comercial, com seus lodges refinados, piscinas e restaurantes. Claro que e um excelente lugar para ver a vida “ selvagem”, principalmente perto de vc. Os animais não se assustam, e existem os Waterholes, onde vc pode ficar tomando uma cerveja e eles vem beber água. Estes parques são meio artificiais para o meu gosto, mas talvez seja a única forma de ficar a 4 ou 5 metros de um leão.

Bota camuflagem nisto

Bota camuflagem nisto

Ta olhando o que?

Ta olhando o que?

Centenas de zebras

Centenas de zebras

Claro que agente continuou acampando, e cozinhando na fogueira, para escapar das altas taxas cobradas para estrangeiros. Um parque muito legal, totalmente recomendado, mas não é a Africa selvagem e intocada. A emoção de ver a vida selvagem livre nem se compara, mas requer tempo e paciência.

Africa!!

Africa!!

Procuramos alguns geo cache, “tesouros escondidos” com coordenadas em um site da internet. Achamos uma caixa de plastico com lembranças pessoais , alem de um caderno para colocar nome e contato. Bem divertido, pois normalmente escolhem lugares bem bonitos mas de difícil acesso.

Um elefante incomoda muita gente...

Um elefante incomoda muita gente…

Etosha depois da temporada de chuvas

Etosha depois da temporada de chuvas

Saindo do parque acampamos não muito longe, no dia seguinte paramos em Tsumeb para uma revisão no carro, comprar mantimentos e seguimos para a fronteira. Desistimos de ir pelo Caprivi, pois deveria estar alagado devido a pesada temporada de chuvas deste ano. Pena pois tem toda uma influencia de Angola que queria ver, mas acabamos passando e acampando em uma área dos San (Bushman), os primeiros habitantes do sul da África.

Foram mais de 3000 km de Namíbia, sendo que mais de 95% em Estrada de terra, e finalmente chegamos na fronteira com a Botsuana. Parecia uma porteira de fazenda, onde não passam mais que 50 pessoas por mês. Ao mostrar o passaporte Brasileiro, o Kaka foi lembrado imediatamente.