Finlândia, a primeira viagem com bebê

Nunca imaginaria que a nossa primeira viagem com o Gabriel seria para Helsinque, a capital da Finlândia. Ele tinha acabado de completar 7 meses, e precisava conhecer terras mais distantes. Sonhamos com Ilhas Mauricios, mas não apareceu nenhuma promoção. Dai fomos mudando de destinos até que surgiu uma ótima oportunidade para os Países Bálticos, antigo sonho de viagem. De quebra a melhor passagem era para Helsinque, de onde pegaríamos um ferry para seguir viagem.

Viajar com bebê é bem diferente, mas depois de ver tantos pais com crianças na estrada, confesso que já não assustava tanto. Aquela história de que é preciso viajar antes de ter filhos já não fazia sentido há muito tempo.

Minha irmã, expert em viagem com filhos ( Viajo com filhos), sempre conta a história de quando o pediatra falou para ela que existem crianças no mundo todo, então não tem o que temer. A Finlândia, país com uma das melhores qualidades de vida do mundo, com certeza é um destino para se viajar de olhos fechados.

Na nossa primeira viagem internacional (o Gabriel tinha feito um voo nacional com 2 meses) desrespeitamos uma regra mencionada em diversos blogs de viagem, a de fazer voos curtos ou sem escala. Foi justamente o único problema que tivemos em toda a viagem. Se bem que não sei se o problema foi o tempo de voo, pois ele chorou no inicio da viagem. Moramos em uma chácara e ele dorme em um silencio absoluto, apenas com musica de fundo. No avião com tantas pessoas, luzes e televisões, existiam estímulos demais para que pegasse no sono. Por sorte a KLM nos forneceu o assento na primeira fila, com direito a bercinho e tudo (reservei gratuitamente antes).

O berço no avião ajuda muito!

O berço no avião ajuda muito!

Chegamos em Helsinque depois de uma longa viagem, e optamos por pegar um Uber em vez de trem ou ônibus. Logo estávamos no nosso apartamento, reservado pelo AirB&B. A Bibi começou a ver vantagens em viajar com bebê.

Não tenho muita pratica com reservas, normalmente escolhemos hotéis na estrada mesmo, e esta foi uma das grandes mudanças desta viagem, tudo reservado (ok, Europa Ocidental reservamos antes). O apartamento era minusculo, mas tinha uma pequena cozinha, então dava para preparar comida para o Gabriel. Era só levar e pedir para alguém esquentar em um restaurante ou café.

Ficamos no bairro de Kallio, antigo bairro industrial, hoje foi tomado por estudantes buscando preços mais baixos. Dezenas de pubs e pequenos restaurantes. Não é um lugar tão família, é bem jovem, mas bem localizado e com bons preços.

Kallio

Kallio

O transporte publico é super eficiente, mas é caro para bilhetes individuais. A saída é comprar os passes mais longos (24hs) se for usar bastante o metrô. Para bilhete simples, fica mais barato pegar um Uber se estiver em duas pessoas.

Não existem catracas no metro

Não existem catracas no metro

Tivemos azar com o tempo. A temperatura estava variando entre 10 e 15 graus, o que não é ruim, mas o problema foi a chuva, que não deu trégua. Caminhamos um pouco, mas acabamos mais é revezando entre cafés e restaurantes. Helsinque não é uma cidade cheia de atrações, quando eu pensava em viagens para a Finlândia, sempre sonhava com o norte do país, mas não deixou de ser um ótimo lugar pára nos adaptarmos.

Pinturas imitando pinturas rupestres em uma estação de metrô

Pinturas imitando pinturas rupestres em uma estação de metrô

Dois cafés e uma agua para a mamadeira

Dois cafés e uma água para a mamadeira, por favor…

Criança se adapta muito melhor que adultos. No segundo dia o Gabriel já dormiu a noite toda, enquanto nós estávamos acordados sentindo a diferença de fuso horário (6 horas). Para complicar, o verão na região tem noites muito curtas. O sol se punha as 22:50 e amanhecia às 3:50.

A Finlândia é famosa pela sua politica de bem estar social. Cobra altos impostos, o que reflete diretamente nos preços, mas possui os serviços básicos de saúde e educação de excelente qualidade. Isto acaba atraindo imigrantes, e nos divertimos e surpreendemos pessoas de Gana, Irã e Somália quando contamos de nossas viagens por lá. Ao perguntar sobre a vida na Finlândia todos tiveram a mesma resposta. Não da para ficar rico, mas pelo menos temos uma boa vida, trabalho e sabemos que sempre teremos o que comer!

Helsinque

Helsinque

Catedral Uspenski

Catedral Uspenski

Catedral Luterana

Catedral Luterana

Numa tregua da chuva

Numa trégua da chuva

Uma coisa que nos chamou atenção nas nossas visitas aos supermercados é que na nota vem discriminado separado o valor de um suco/água da embalagem. Tipo suco 80 centavos, lata 10 centavos. Uma maquina recolhe embalagens vazias e dá credito para gastar no estabelecimento.

Com a chuva deixamos o piquenique em Soumenlinna para uma próxima vez, e pegamos o ferry para Talim, capital de Estônia. Umas três horas de viagem, mas o Gabriel pouco se importava, estava mesmo é gostando de ter a atenção dos pais 24 horas por dia!

Partida do ferry

Partida do ferry

 

Espaço para crianças brincarem no ferry

Espaço para crianças brincarem no ferry

Encontramos um microondas para esquentar a comida que tínhamos preparado

Encontramos um microondas para esquentar a comida que tínhamos preparado