Botsuana

A Botsuana é um país com uma população ainda menor que a da Namíbia  País que possui um sistema educacional, de saúde, econômico e político super desenvolvido, de dar inveja a qualquer outro país na Africa (além das ótimas carnes!!). O deserto do Kalahari toma boa parte do território, enquanto o Okavango delta é a principal atração ao norte. Entre 15 e 20 anos atrás, a Botsuana vem desenvolvendo um turismo exclusivo, de baixo impacto. Tem funcionado super bem e a procura é muito grande, apesar dos altíssimos preços. Um Lodge custa no minimo 700, 800 USD por dia para duas pessoas. Os mais refinados passam de 5000 USD por dia (com direito a safári aéreo!). Sendo assim, são muito poucas opções para quem não está disposto a gastar todo este dinheiro. Para nós, que carregamos tudo que precisamos, não é um problema, e é possível se virar bem, a custos bem baixos. Para manter o baixo impacto, mesmo com pessoas que viajam como nós, restringem o numero de acampamentos dentro dos parques para Camp sites. Excelente, ótimo acampar sem vizinhos. Ah, e parecem ter escutado as minhas reclamações dos campings nos grandes parques. Os daqui são super simples, sem estrutura e sem muros ou cercas, deixando os animais passarem livremente, inclusive no acampamento. A Botsuana é um pais com a vida selvagem super bem conservada. Aqui precisa se preocupar mais em não ser atacado por um leão ou pisoteado por um elefante do que ser assaltado. Só se tem acesso aos parques com 4×4, e se pode ate reservar algumas rotas, onde só passa um carro por dia.

Ao cruzar a pequena fronteira, que parecia um portão de fazenda, seguimos por pequenas e arenosas estradas. Mudamos um pouco nossa rota para passar por uma vila de Bushman. Estes não vivem conforme todas as tradições antigas (caçadores nômades , mas são relativamente isolados. A recepção foi super boa, e no inicio estranhamos o fato de pegarem nas nossas mãos e nos levarem para passear de mãos dadas. Era dia de festa, tinha musica e muitos estavam bêbados  Descobrimos que o time de futebol do exército da fronteira estava lá, para um jogo. Curtimos muito esta parada, dia de celebridade. Descobrimos que o caminho que estávamos indo estava intransitável, mesmo para 4 x 4, e voltamos para o plano original. No caminho a porta traseira de Landy se abriu sem que percebêssemos  dentre algumas coisas, caiu minha “day pack” com dinheiro, cartões  fotos, etc. Rodamos uns 10 km ate percebermos que tinha caído. Ao dar meia volta acabou o dísel e tivemos que pegar do galão de reserva. Neste meio tempo só passou só uma caminhonete no sentido contrário. Ao voltarmos, estava tudo lá, jogado no meio da estrada. Ufa!!

San people

San people

Maun

Maior cidade da região  onde muitos organizam seus safáris  Ficamos um tempo aqui para descansar mesmo, alem de lavar roupas e organizar o equipamento. As ultimas semanas tinham sido de muita correria. Ficamos no Old Bridge Backpackers. Lugar com um bom bar/restaurante, de frente para o rio, com almofadas e sofás espalhados, onde ficamos largados escutando jazz e lounge. De noite todas as mesas com velas, num super astral. Tinha ate uma piscina, pois no rio as vezes aparece um crocodilo ou um hipopótamo.

Old Bridge Backpackers

Old Bridge Backpackers

Moremi

Imaginem um parque onde:

–  3 vezes tivemos que parar o carro e ficar em silêncio, pois estávamos cercados por manadas de elefantes (mais de 50 elefantes cada!!)

– Corremos de um hipopótamo quando estávamos vendo o por de sol e este não gostou. No caminho no camping cruzamos com Antílopes correndo em outra direção  mas nem nos importamos e desviamos uma cobra Puff Adder (se não morrer com a picada, perde a perna) pouco antes da barraca.

– Acordamos de noite com rugidos de leões e depois com hienas.

– De manha tivemos o acampamento invadido primeiro por pequenos macacos, depois por Babuínos  que “tocaram” os macacos de lá e tomaram posse ate do carro.

Tudo isto em 24hs.

Que e que manda neste acampamento?

Quem é que manda neste acampamento?

Pathfinder

Puff Adder

Elephant Xing

Elephant Xing

Os 40 km que separam o Moremi do Chobe não são nem um pouco menos selvagens. Muito pelo contrario. Avistamos muito mais animais nesta região que nos parques. Quando estávamos fazendo um lanche numa sombra, apareceu um elefante que veio se aproximando com cara de que não gostou, e saímos um disparada. Acampamos pouco antes da entrada do parque Chobe, e pegamos muita lenha para fazer fogo suficiente para a noite toda. Criamos a linha da vida, que era a linha da luz. Onde estava escuro representava perigo. Pouco antes de dormir, subimos na Landy com holofotes  e vimos uma hiena a menos de 10 metros das barracas, só de olho. Pouco depois um hipopótamo passou por ali também.  De noite mais rugidos de leões  e uma hiena curiosa veio cheirar a barraca. Eu tive até pesadelo com tanto barulho a noite.

Africa...

Africa…

Que bela cagada!! (havaianas numero 43!!)

Que bela cagada!! (havaianas numero 43!!)

Alguem sabe qual e o lado da frente e o de tras do formigueiro?

Entrando no Chobe não muito longe dali, avistamos 7 leoas, que provavelmente foram as responsáveis pela barulheira da noite anterior. No parque do Chobe além de fazer mais safári  subimos uma pequena montanha, que e raridade na Botsuana, que é praticamente toda plana. Lá existem algumas pinturas rupestres muito antigas.

A noite em volta da fogueira, escutamos um barulho de animal a poucos metros de nós. Todos correram para o carro, e eu fiquei parado por segundos com uma cadeira de praia na mão para me defender (haha) até correr para o carro. Quando passam 3 Honey Badgers. Pequenos animais (pouco maior que um gamba), que são valentes, mas não atacam, só se defendem. Caímos na risada.

Arte

Arte

Okavango Delta

Okavango Delta

Mais Okavango

Mais Okavango

Leoas

Leoas

Restante do trajeto foi 4×4, nao passando de 25, 30 km por hora, ate chegar numa estrada asfaltada de ótima qualidade e seguirmos para Kasane, já quase fronteira com a Zâmbia. Em Kasane eles não tem muitos cachorros vira lata, mas no lugar tem Javalis largados na rua.

Seguindo para o ferry para a Zâmbia pude perceber que a Off Road Trip tinha terminado. Toda a natureza e isolamento seria trocado por caminhões, ônibus carros, gente, muita gente e diversas cores.