Pelas montanhas de Nagorno-Karabakh

Alguns conflitos entre a Armênia e Azerbaijão na disputa pelo Nagorno-Karabakh quase adiaram minha ida para lá. Um helicóptero derrubado, atiradores fazendo suas vitimas e campos de refugiados completando 20 anos… A região é mais um daqueles conflitos congelados. Historicamente o Nagorno-Karabakh – também chamada de Alto Karabakh em português – já teve autonomia, mas culturalmente é muito ligada à Armênia. Geograficamente para quase todo o mundo  faz parte do Azerbaijão, que dominava a região desde o final da primeira guerra mundial (dizem ter ligações étnicas com o povo original da região, mas isto é outra história). Já tiveram azeris morando lá (como minorias), mas desde a guerra de independência, quase todos foram expulsos ou mortos.

Um pouco de estudo e vimos que se não nos aproximássemos da “linha de frente”, divisa com o Azerbaijão, não teríamos problemas. Se é para explorar, resolvemos fazer bem feito. Nada de entrar pela “popular” rota Goris-Stepanakert. Usamos um caminho vindo do norte, atravessando o passe Sotk, por uma nova estrada que atravessa as montanhas. Nagorno significa “montanha” em Russo, Kara “Negro” em turco e Bakh “jardim”em persa, então com certeza valeria a pena o visual da “montanha do jardim negro”.

Nova estrada pelo Passe Sostk

Nova estrada pelo Passe Sostk

Nagorno-Karabakh

Nagorno-Karabakh

Desde o inicio já percebemos a influencia que a Armênia exerce na região. É como se fosse uma província armênia, idioma, placas, povo. Talvez tenha faltado um pouco o contato com karabakhs separatistas para ter uma ideia mais geral (com azeris já tínhamos conversado). Nem mesmo controle de imigração tivemos para entrar no país por esta estrada. Contornamos belas montanhas, seguimos pequenos riachos e uma hora ou outra aparecia um amontoado de casas. Tanques abandonados na beira da estrada e pequenos memoriais lembravam um pouco da guerra não tão distante.

Memoriais na beira da estrada

Memoriais na beira da estrada

Mas foi em Dadivank que fizemos nossa primeira parada mais longa. Um monastério incrível, construído entre os séculos 9 e 13, perdido no meio das montanhas! Foi fundado pelo Santo Dadi, que está sepultado na igreja principal. Existe um lento trabalho de restauração, mas parece meio abandonado. De qualquer maneira foi uma grata surpresa.

Primeira vista de Dadivank

Primeira vista de Dadivank

Monastério

Monastério

Mais estrada de terra, viajando por regiões remotas do norte do Nagorno-Karabakh (provincia de Shahumian). Já estávamos “quebrados” da viagem quando chegamos em Vank, uma das grandes atrações de NK. Lá que está o monastério Gandzasar (significa tesouro da montanha), um dos mais sagrados do país. Encontramos inclusive outros turistas estrangeiros por lá. A igreja principal é em homenagem ao São João Batista e possui algumas figuras talhadas na pedra.

Gandzasar

Gandzasar

No passado um morador local tentou a sorte na Russia e se deu bem. Quer dizer, mais ou menos. Enriqueceu muito, mandou dinheiro para a região, construiu um hotel bizarro, mas acabou sendo preso por se envolver na Mafia russa. Não preciso nem falar que por aqui ele é herói né?! Alem do hotel, restaurante e quase um “parque temático” ele ajudou na infraestrutura local. É possível de se observar novamente as marcas da guerra. Um longo muro coberto com as placas dos carros azeris é exposto com orgulho. Estes sinais aparecem em todos os lugares.

Placas dos carros azeris exibidas como troféus

Placas dos carros azeris exibidas como troféus

Algumas das bizarrisses do mafioso Karabakh-Russo

Algumas das bizarrices do mafioso Karabakh-Russo

Já bem mais perto de Stepanakert, capital de Nagorno-Karabakh, cabos aéreos ligam uma montanha a outra para impedir que aviões voem abaixo do radar. Mas o clima não é tenso, pelo menos não na capital. Uma cidade pequena, ruas arborizadas, praças floridas com wi-fi gratuito e cheia de pessoas.

A capital Stepanakert

A capital, Stepanakert

Chegada em Stepanakert

Chegada em Stepanakert

Depois de passar no Ministério de Relações exteriores para nos registrarmos e pegarmos o visto, pudemos caminhar tranquilamente e até tomar uma cerveja curtindo o entardecer de Stepanakert. Nosso motorista, Arman, é um franco-armênio, mas não conseguimos achar muito de francês nele. Tinha ideias bem radicais, quase fascistas eu diria. Tenho certeza que ele não gostou muito de algumas perguntas provocativas que fiz, mas bem ou mal acabava respondendo.

Ministério das relações exteriores

Reconhecido por poucos, mas é um país! Ou não?!

Florida

Flores e o palácio presidencial

Acabamos indo dormir na casa dele em Shushi, poucos quilômetros dali. Shushi já foi uma grande cidade, mas foi destruída na guerra. Lá era o centro da cultura azeri no Nagorno-Karabakh, portanto a sua população reduziu drasticamente. Algumas atrações como o antigo forte, igrejas e até uma mesquita valem a visita.

O apartamento do Arman é em um bloco soviético, estava meio que caindo aos pedaços, mas ele via como uma grande oportunidade. Tinha outros apartamentos e pretendia reformar para turistas. Morava com sua mulher a a pequena filha, que era um terror. Maltratou um gato da hora que chegamos até irmos embora, uma verdadeira peste! Dava pena. Ao contrario do gato, fomos bem tratados e alimentados. Um bom jantar regado a vinho era o que precisávamos para fechar o longo dia.

Jantar em Shushi

Jantar em Shushi

Vista do nosso quarto em Shushi

Vista do nosso quarto em Shushi

Mas nossas aventuras não tinham terminado. Logo cedo tentamos convencer o Armen a nos levar até Agdam. Não foi nem uma discussão longa, ele dizia Não, Não e Não. Impossível! Agdam é uma cidade fantasma, totalmente devastada e saqueada. Fica bem próxima da fronteira, na linha de combate, portanto proibida para estrangeiros. Ele alegava se nos pegassem ele poderia se complicar. Tentamos montar um plano B e falamos com um taxista. Ele aceitou nos levar, mas no inicio do caminho já começou com as regras: não pararia, não poderíamos baixar a janelas e não poderíamos tirar fotos. Regras demais para nosso gosto! Pedimos para nos deixar no patio dos transportes em Stepanakert mesmo. Lá fui negociar com o motorista do Lada mais velho que encontrei. Com certeza ele gostaria de fazer uma corrida mais longa. E eu estava certo! A comunicação não foi muito fácil, mas já ofereci um preço justo e fechamos negocio. Saindo de Stepanakert passamos por mais tanques abandonados, uma ou outra base militar e não demorou muito até nosso motorista nos avisar que estávamos em Agdam. Serio? Não tinha nada, só uns montes de pedra. Ele entrou no meio da “cidade” e existiam poucos vestígios das construções. Uma cidade de mais de 100 mil habitantes foi colocada abaixo. Saquearam as ruínas e retiraram tudo que poderia ser aproveitado em outro lugar. Sobrou pouco até mesmo do parque de diversões. Passamos por um ou outro posto de controle mas não nos pararam. A hora de maior adrenalina foi quando a nosso pedido ele nos levou até a antiga mesquita. Está destruída, mas os dois minaretes (Torres da mesquita) se mantem em pé, e podem ser visto de longe. Uma base militar fica logo atrás, portanto ele me vetou quando na empolgação pedi para descer. Eu queria escalar o minarete, mas realmente talvez não fosse uma boa ideia.

Mesquita

Mesquita de Agdam, uma das poucas construções em pé

Adgan, a cidade fantasma

Adgan, a cidade fantasma

De volta a Stepanakert, paramos novamente no monumento Papik Talik, e demos mais uma passeada pelo centro. Mais uma rápida passagem por Sushi e pegamos a estrada para a Armênia. Um zigue-zague pelas belas montanhas, novas discussões com nosso motorista radical, e chegamos no controle de imigração, onde entregamos nosso registro e fomos liberados.

Papik-

Papik-Talik, uma homenagem aos povos ancestrais das montanhas de NK

Stepanakert

Stepanakert

Stepanakert

Stepanakert

Propaganda por todos os lados

Propaganda por todos os lados

Registro

Registro

Depois de voltar para o Brasil, publiquei algumas fotos do Nagorno-Karabakh na internet. Não demorou muito para eu fazer parte de uma “lista negra”de pessoas que viajaram para lá. Oficialmente o Azerbaijão proíbe visitar a região que não controla. A fronteira que utilizamos é considerada ilegal. Seria a mesma coisa que entrar na Abecásia via Russia e a Geórgia ficasse sabendo. Uma pena, espero que não atrapalhe futuras visitas para lá, pois gostaria de conhecer o enclave Nakhchivan, que fica entre Armênia e Turquia.

Marcado

Na lista negra!

Anúncios

Armênia, o primeiro país cristão do mundo!

A Armênia foi o primeiro país a adotar o cristianismo como religião oficial do estado, algumas décadas antes de Roma. A Igreja Apostólica Armênia (que não tem ligação com Ortodoxa ou Apostólica Romana) está diretamente ligada à cultura da região e talvez por isto, além da natureza e das pessoas, Igrejas e Monastérios são as grandes atrações do país.

A “Armênia Histórica” já foi muito maior. Em certos períodos chegou a ocupar grande parte da Turquia e oriente médio. Por falar nisto, o bairro antigo de Jerusalém é dividido até hoje em quatro partes:  Cristão, Muçulmano, Judeu e Armênio.  Durante a primeira guerra mundial, os armênios foram vitimas do primeiro genocídio do seculo XX, onde mais de 1,5 milhões de pessoas foram mortos. Era o colapso do império Otomano, e os armênios buscavam uma maior independência e autonomia (eram um dos muitos povos do Império Otomano). O que conhecemos hoje como Armênia, eles consideram ser a “Armênia Oriental”. O Grande simbolo nacional, o Monte Ararat, fica do outro lado da fronteira (que alias é fechada), poucos quilômetros dali. O Monte Ararat está em estampado em posteres e calendários em qualquer estabelecimento comercial do país. É onde a Arca de Noé teria encalhado após o dilúvio. Dizem que Erevan, a capital da Armênia, foi fundada por um trisneto de Noé. Me fez lembrar que contavam Sana, capital  do Iêmen, foi fundada por Sham, filho de Noé.

Monte Ararat

Monastério Khor Virap com o Monte Ararat ao fundo. Poucos Km de Erevan

Sabia que era possível tirar o visto na fronteira, mas como meu passaporte estava “passeando”para pegar outros vistos, acabamos pegando o da Armênia (ainda no Brasil), já que antecipado era gratuito ena fonteira paga. Achamos que estaríamos agilizando nossa entrada no país e ganhando mais uns minutos de sono no trem noturno. Doce ilusão! Fomos os últimos a ser atendidos, ficamos numa fila gigante onde todos pegaram e pagara os seus vistos. Valeu a tentativa…

Erevan é uma cidade bem diferente do que eu imaginava. Não sobrou muito da parte antiga, ainda tem muitos aspectos soviéticos, por outro lado é toda moderninha com estatuas e arte na rua, além de cafés e parques lotados. É impressionante como as capitais do sul do Cáucaso Baku, Tibilisi e Erevan não tem nada a ver uma com a outra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma das grandes atrações é o monumento chamado Cascade, cheio de obras de arte por fora e por dentro. Lá de cima uma ótima vista para a cidade, com o monte Ararat ao fundo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Erevan com o Mt Ararat ao fundo

Erevan as 6:30 da manhã, com o Mt Ararat ao fundo 

Fomos até o memorial do Genocídio que fica no alto da montanha Tsitsernakaberd. O museu ainda está em reformas, para a cerimonia de 100 anos que acontece em 2015, mas tem uma pequena exposição. Um grande monumento, que representa as 12 províncias da “Grande Armênia”com uma chama eterna queimando no meio. Alguns jovens de uma escola se empolgaram ao nos ver e se aproximaram para matar a curiosidade, conversando, tirando fotos e aproveitando para praticar inglês.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O cetro da Igreja Armênia fica em Echmiadzin, nos arredores de Erevan. Divertido ir até lá de lotação, quando não entendiam uma palavra do que falávamos. Muita gente, dentre fieis e turistas, caminhavam pelos jardins floridos e tentavam se proteger nas sombras, já que o calor estava muito forte. Presenciamos alguns batizados, onde famílias festivas soltavam pombos brancos. No museu, diversas relíquias, sendo a mais importante, a lança que teria furado Jesus quando ele estava na cruz.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Confesso que nesta viagem tivemos uma overdose de igrejas e monastérios. Em todos os cantos do país tem muitos deles. Se desconsiderarmos a parte natural e o conjunto (que também era muito bonito) o monastério que mais gostamos foi Geghard. Visitamos no domingo, estava cheio de fieis. A igreja possui varias entradas para a luz, cavernas e o pessoal estava cantando, estava incrível,  dando todo um clima para o lugar! Na frente varias barraquinhas vendiam pão com nozes entre outras guloseimas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

A ruína greco-romana de Garni ( Sec 1 ac) não fica muito longe e tem uma super vista para o belo cânion.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outra região que chama a atenção por sua beleza é o Lago Sevan. O monastério Sevanavank (ano 874) com o lago ao fundo, pequenos vilarejos, Noratus com as Khachkar, famosas cruzes tradicionais armênias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

De lá fomos para o Nagorno-Karabakh, mais um dos Países Que não existem. Paramos em Vardenis, uma vila toda empoeirada, onde compramos mantimentos antes de encarar a longa estrada pela montanha. Mas isto eu conto mais para frente, em outro post.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Depois de visitar o Nagorno-Karabakh, fomos até Goris, cidadezinha perdida no meio de um cânion. Nosso destino final era um monasterio alguns quilômetros mais para frente, o Tatev.

Goris

Goris

Para chegar lá, precisa pegar o Wings of Tatev, que afirmam ser o teleférico mais longo do mundo. Confesso que já estava um pouco de saco cheio de visitar igreja. Queria ter mais contato com pessoas, escutar histórias, fazer amizade. Por outro lado a natureza de toda a Armênia é belíssima, então forma todo um ambiente, um conjunto especial para todos estes monastérios. Por dentro o Tatev não se difere tanto dos outros que visitamos, mas fica pendurado na beira de um penhasco, num visual incrível!! Ficava só imaginando como seria a época em que foi construído, no século 9, e na idade média, quando funcionou como universidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tatev

Tatev

Me despedi do Leo, Khouri e Marcelo que seguiriam para o Irã, país que visitei anos atrás. Eu peguei estrada para Erevan, de onde iria para Tibilisi-Geórgia, para pegar o voo para casa.

Armênia

Pegando estrada

A viagem até Erevan era longa, cheia de curvas. Já anoitecia quando paramos para rebocar um senhor com o carro estragado. Indaguei o motorista se não era perigoso parar na beira da estrada. Ele sorriu e disse:  “não estamos no Brasil, este senhor precisava de ajuda”. Já bem mais tarde, passamos ao lado do enclave de Nakhchivan, um pedaço do Azerbaijão que fica entre a Turquia e Armênia. Paramos o carro para ele me mostrar uma “parede”, um monte de terra de metros de altura que beirava a estrada. Para os “Snippers”(atiradores) não atacarem os carros, dizia. Logo soldados apareceram, mas me autorizaram a ver a vala que acompanha esta muralha. Um buraco gigantesco para impedir a invasão de tanques. Um pouco para frente está a fronteira com a Turquia, também bastante sensível, e que até hoje é controlada pelos Russos (o tratado é herança soviética, mas recentemente foi prorrogado). Realmente não é Brasil, mas em ambos os casos, sempre fica mais fácil apontar o problema dos outros…

República da Geórgia

A Georgia funcionou como hub para eu visitar os países vizinhos e acabei entrando e saindo quatro vezes no país. De certa maneira isto fez com que eu me sentisse meio que intimo, quase em casa por ali. Até o formato todo original das letras do alfabeto georgiano não me eram mais estranhas.

Georgiano

Hã?!

 

Comentei que a região que mais gostei na Geórgia foi Svaneti, que fica no meio das montanhas. Mas tem muitas outras coisas interessantíssimas no país. A capital, Tbilisi, é bonita, interessante e cheia de contrastes. Prédios em blocos soviéticos no seus subúrbios, uma cidade velha que esta sendo restaurada rapidamente no centro, e cercada por construções modernas. Bem no meio da Geórgia, ótimo ponto de apoio para visitar outras atrações. E os turistas sabem disto. Impossível não observar nas ruas vários estrangeiros. No metro sempre tinham vários grupos de jovens com suas mochilas. Se no Brasil a Georgia não é um destino tão popular, os europeus já descobriram…

A cidade velha é um charme. Apesar do grande investimento que fazem no país, ainda é relativamente autentica. Uma parte bem turística, contrasta com casas lindas caindo aos pedaços poucas quadras dali. No meio de tudo isto, dezenas de casas sendo reformadas para se tornarem hotéis, restaurantes e cafés. Tem tudo para se tornar um destino turístico muito popular.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O forte Narikala fica no topo de Tbilisi, onde é possível chegar de teleférico e ter uma ótima vista da cidade. Um pouco mais para o lado tem um funicular. Diversas pontes, de diversos estilos, atravessam o rio Mtkavari que corta a cidade. O palácio presidencial e a catedral Sameba também tem seu destaque em Tbilisi.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Carros modernos nas ruas e jovens que baixíssimos salários. Cafés descolados na rua Rustaveli e mulheres tradicionais nas igrejas. Tudo parece um verdadeiro conflito de ideias e ideais.

.

Mulheres cobrem a cabeça para entrar nas Igrejas Ortodoxas

Bem perto de Tbilisi fica a antiga capital do “Reino da Ibéria”, Mtskheta. Pequena, charmosa com suas ruas de pedra, é um lugar muito agradável e bonito para se visitar. Lugar sagrado para a Igreja Ortodoxa, é onde a Sta Nino (que saiu da Capadócia) teria convertido o Rei Mirian III no início do seculo 4. Logo após a conversão, o Rei Miriam III tornou o cristianismo a religião oficial de toda a região.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O cristianismo está diretamente ligado com a cultura e a história da Geórgia. Muitos dos atrativos da região tem relação com a religião. Pegamos um microonibus até a região desértica de Kakheti, bem perto da fronteira com a Azerbaijão. Lá está o Monastério David Gareja, ativo até hoje, que possui um complexo de centenas de células monásticas em cavernas. Na verdade parte do complexo deste monastério está em terras azeris, o que gera uma disputa territorial até hoje. Simpáticos soldados azeris controlam a linha da divisa para que nenhum maluco saia caminhando deserto a dentro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quando comentei em outro post que subi a Military Highway sentido Kazbegi e Ossétia do Norte, acabei não colocando nenhuma foto do caminho.  O forte Ananuri e suas duas igrejas são só mais um na lista dos monumentos da Geórgia que fazem parte do patrimônio da Unesco.

Ananuri

Ananuri

 

.

Painel com ótima vista na beira na Military Highway

Num lugar tão único e interessante como a Geórgia, não poderia faltar uma boa comida tipica!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Gostei muito da Geórgia. Belezas naturais, cultura fortíssima, história, povo simpático e bons preços. Tipo do lugar que agrada os mais diversos estilos de viajantes. A Bibi já tinha muita vontade de ir para lá, e depois que contei algumas histórias para ela, tive a certeza de que vou voltar! O legal é que existem diversas opções de destinos. Eu adorei a região de montanhas de Svaneti, mas ainda existe Mutso, Shatili e Tusheti. Se conheci David Gareja, tem as cavernas monásticas de Vardzia, e assim por diante. Posso voltar e fazer uma viagem completamente diferente desta, mas não me incomodaria nem um pouco repetir alguns lugares tão legais 😉

Dargavs, a cidade dos mortos!

Se Dargavs, a cidade dos mortos, ficasse em algum outro país europeu, seu dia a dia seria diferente. Existiriam filas de turistas, lojinhas vendendo cartões postais, imãs de geladeira e camisetas. Barracas de comida nas proximidades disputariam os turistas a tapa. Hotéis com vista para a “cidade”, tours diários direto de Vladikavkaz, passes especiais para visitas noturnas em dias de lua cheia. Com certeza estaria listado na lista do patrimônio da Unesco e figuraria entre as principais atrações de qualquer país. Mas (para nossa sorte) não está! Ela esta perdida no meio do cáucasos, isolada, parada no tempo, cercada por montanhas de pelo menos 4 mil metros…

Saindo de Vladikavkaz, fomos sentido sudoeste, como quem iria para a Ossétia do Sul. Não tinha como não lembrar com frustração que estava tão perto deste “não-país”, mas que não poderia visitar por ter perdido a data de entrada. O Marcelo me incomodava dizendo que esta seria uma grande “mancha no meu currículo”. Depois de diversos contatos e burocracia com as autoridades da Ossétia do Sul, agora os planos eram outros.

Arredores de Vladikavkaz

Igreja ortodoxa nos arredores de Vladikavkaz

Dezenas de guindastes se destacavam nas obras de novos conjuntos habitacionais sendo construídos nos arredores de Vladikavkaz. Igrejas ortodoxas e memoriais de guerra montavam a paisagem que se tornava rural, com as imponentes montanhas do cáucasos atrás. Na parada para abastecer, carros da Ossétia do Sul nos mostravam o quanto estávamos perto deste “País que não existe”. Já conformado que não iriamos para lá, agora tentávamos achara o caminho para Dargavs.

RSO- República da Ossétia do Sul

RSO- República da Ossétia do Sul

Venda de mel

Produção e venda de mel na beira da estrada

Uma estrada simples, pequena mas relativamente bem conservada ia acompanhando uma corredeira que trazia água de desgelo. Nosso motorista, chamado “Guia” estava animado. Nunca tinha ido para “temida” Dargavs – a cidade dos mortos. Diz a lenda local que quem visita a cidade não volta vivo. Não sei se foi por isto, mas um pouco para frente paramos num local para fazer oferendas. Ele nos deu moedas e nos chamou para jugarmos numa espécie de poço. Nem pensamos duas vezes, poderíamos estar garantindo as nossas vidas, era melhor seguir o script.

Não custa nada deixar umas moedinhas

Não custa nada deixar umas moedinhas

Fomos viajando entre as belas montanhas, quando passamos por uma cidadezinha, Koban (?), relativamente bem estruturada. Fortes antigos e diversas torres tradicionais ao longo da colina. O “Guia” tentava nos explicar que era um lugar turístico, onde “muitos estrangeiros” vinham. Ok, quem sabe (como osseta) ele estava se referindo aos Russos como estrangeiros. Ele escutava animado musicas internacionais, e enquanto tocou Sting, nos questionou se não era musica brasileira. Não nos parecia muito bem informado…

Ruinas do Forte

Ruínas do Forte

Torres tradicionais

Torres tradicionais

Mudamos os trajeto, agora não seguíamos entre as montanhas e sim montanha acima. Avistamos pela primeira vez o Monte Kazbegi, o mesmo que tínhamos visto dias antes do lado Georgia. Entre uma e outra encruzilhada ficamos na duvida para onde seguir. Fomos atendidos por um simpático casal de ossetas. Mesmo Dargavs sendo tão incrível, não tinham a menor ideia de onde queríamos ir. Tivemos que mostrar uma foto para nos apontarem a direção. Antes disso a senhora fez questão de me levar até uma pequena casa de madeira próxima do rio. O Marcelo, Leo e Khouri não entendiam porque eu tinha entrado no “banheiro” com ela e demorado tanto. Na verdade era o local onde ela produzia pão para toda a vila, acho que ficaram aliviados ao saber disto. O marido, provavelmente depois de ter tomado umas doses de vodka, nos abraçava e sorria sem parar.

Monte Kazbegi visto do lado osseta-russo da fronteira

Monte Kazbegi visto do lado osseta/russo da fronteira

Esqueça

Esqueça politica, conflitos e fronteiras, o mundo é feito de pessoas!

Indicações turisticas

Sinais do turismo na região

Não estávamos longe de Dargavs, e quando chegamos ao próximo vilarejo, decidimos ir caminhando, para observarmos melhor o ambiente todo. O rio Gizeldon estava tímido, com pouca água, mas todo o vale e as montanhas dão um clima especial para o lugar.

Rio

Rio Gizeldon

Primeira vista de Dargavs

Primeira vista de Dargavs

Dargavs, a cidade dos mortos, na verdade é um cemitério. São cerca de 100 criptas, construídas entre os seculos 12 e 16. Todas as necrópoles tem uma arquitetura bem singular e uma torre solitária se destaca um pouco mais a direita.

Dargavs

Dargavs

Torre

Torre solitária

Dargavs

Criptas com as montanhas ao fundo

Vista de cima da torre

Vista de cima da torre

O silencio tomava conta do lugar. Teias de aranha comprovavam o abandono, mas a beleza de todo o conjunto nos impedia de achar algo de assustador. Até mesmo os caixões abertos e os esqueletos pareciam estar em harmonia. Moedas nas entradas de algumas tumbas são a unica marca de que existe visitação por ali.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma das lendas é de que uma praga assolou a Ossétia centenas de anos atras. Dargavs teria sido construída para servir de abrigo para os doentes, que teriam vivido lá enquanto aguardavam a sua morte. Dai viria a história de que quem vai para Dargavs não volta com vida. Arqueologistas comprovam que as construções são bem mais antigas que a praga de poucos seculos atrás, que dizimou grande parte da população. De qualquer maneira não é difícil de imaginar que a praga tenha dado origem a esta superstição de não sair vivo de lá.

Dargavs

Dargavs

Teias e aranhas por todos os lados

Teias e aranhas por todos os lados

Cemitério tem que ter flor!

Cemitério tem que ter flor!

Dargavs

Dargavs

Dargavs

Dargavs

Depois de explorar toda a região por horas, procurar curiosidades, subir na torre e apreciar a vista fantástica do local, decidimos voltar. Durante o longo trajeto não fazíamos piada sobre não voltar de lá com vida. Não queríamos dar chance para o azar. Com tantas curvas, precipícios e motoristas com hábitos suicidas, demoramos para relaxar.

Visual na beira da estrada

Visual na beira da estrada

Poucas horas depois, contornamos Vladikavkaz e  nos aproximamos da fronteira da Rússia com a Geórgia. Uma fila de caminhões apareceu, nos mostramos que não teríamos tarefa fácil. Se na ida para a Ossétia o “Zico” deu um show de habilidade/contatos/proatividade, agora era a vez do “Guia” mostrar seus talentos. Furava fila, desafiava “caras de poucos amigos” e só parava quando aparecia um carro de polícia. Também tinha uns contatos por ali, o que claro que facilitou muito. Depois de varias situações, chegamos a imigração russa. Furando novamente a fila descaradamente, questionei porque ninguém reclamava. Ele só fez sinais mostrando telefones, armas e outras coisas que não entendi direito. A mafia estava conosco novamente, não seria desta vez que nos impediriam. A oficial da imigração se frustrou quando não entendemos nenhuma das perguntas que fez. Perdemos uns minutos mas logo fomos liberados.

A equipe! Agora parados em um congestionamento na "terra de ninguém", entre Ossétia (Rússia) e Geórgia

A equipe! Agora parados em um congestionamento na “terra de ninguém”, entre Ossétia (Rússia) e Geórgia

Mas não chegaríamos com tanta facilidade à Geórgia. ainda tinha toda a “Terra de ninguém”entre as duas fronteiras. Nosso motorista fez o possível e impossível, ultrapassou filas dentro de tuneis e tudo, mas uma hora tudo parou. Ficamos um bom tempo parados em congestionamentos, só observando a “mafia dos fura fila”. Nos aproximando da República da Geórgia a situação foi se normalizando. Na imigração nos olharam com certa suspeita, fizeram meia duzia de perguntas e nos liberaram. O transito fluiu e não demorou muito para chegarmos próximo de Kazbegi. A noite se aproximava e não imaginávamos ter que enfrentar um novo congestionamento, quando de repente cruzamos com milhares de ovelhas!! Uma situação no minimo inesperada, mas para falar a verdade nada mais nos surpreendia…

Congestionamento na chegada na Geórgia

Congestionamento na chegada na Geórgia

Ossétia do Norte – Alânia: Fora da rota turística

A região do norte do Cáucaso possui uma das maiores concentrações de etnias do mundo. De certa maneira isto explica, mas não justifica, a grande quantidade de conflitos na região. São diversos povos, buscando preservar sua cultura, reconquistar seu espaço, buscar autonomia ou proclamar independência. As Alanos (ou norte ossetas), são um povo persa, descendentes dos Citas e dos Sármatas, originários de uma região ao sul do Irã (hoje Sistão-Baluchistão, próximo da fronteira com o Paquistão), que chegaram no norte do cáucaso entre os  seculos 4 e 7. Tiveram influencia dos Bizantinos e muitos se converteram para o cristianismo. Sofreram muito com os ataques dos mongóis e tatars no seculo 13 e no seculo 17 se converteram ao islamismo, sob influencia dos seus vizinhos do Cáucasos. No final do seculo 18, a região da Ossetia do Norte-Alânia passou a fazer parte do império russo. Não muito tempo depois, em 1806, a região onde hoje é a Ossétia do Sul também foi anexada, junto com a Geórgia. Estes poucos anos de cisão geram conflitos até hoje. A República da Ossétia do Norte – Alânia faz parte da Federação Russa, enquanto que a Ossétia do Sul fez parte da Geórgia até poucos anos atrás, quando proclamou (e com ajuda dos russos, conseguiu)  independência. A Ossétia do Sul é mais um dos “Países Que não Existem”, país de facto independente mas com reconhecimento limitado. Devido a queda da barreira, e perda da data acordada para a entrada, toda a programação inicial para visitar a Ossétia do Sul foi por água abaixo. Restava me contentar com porção norte da Ossétia. A situação politica pode ser bem diferente, porem o povo, costumes e até a bandeira são as mesmas!

Havia passado uns dias viajando sozinho pela região de Svaneti, no norte da Geórgia. Quando soube que a fronteira havia sido reaberta, subi toda a Military Highway até bem próximo da fronteira Geórgia-Russia. Em Kazbegi, ultimo vilarejo da Geórgia, reencontrei o Marcelo e conheci dois grandes amigos e parceiros de viagem dele, o Leo e o Khouri. Kazbegi é uma região belíssima, cheia de montanhas nevadas e com ótimas oportunidades de trilhas. Devido ao fácil acesso por estradas, é um dos principais destinos turísticos de montanha da Geórgia. Mas eu vinha de montanhas ainda mais incríveis, então meu foco era outro. Esta fronteira Geórgia-Russia era fechada para estrangeiros até poucos anos atrás. Hoje não apresenta grandes problemas, ainda mais para brasileiros, que não precisam mais de visto para a Russia. Mas não pense que é tão fácil assim. Não existe transporte público até o outro lado, tampouco até a fronteira. As únicas possibilidades são alugar um táxi ou ir de carona. Também não é possível atravessar a fronteira a pé, tem que estar com um veículo.

Como estávamos em quatro pessoas, não ficou caro para contratar um motorista para nos levar até Vladikavkaz, capital da Ossétia do Norte-Alânia. Eram somente 35 km, mas nosso motorista teria que fazer todo o tramite de fronteira e voltar. Mal sabíamos o grande negocio que estávamos fazendo!

Military Highway

Military Highway sem transito. Nesta foto também sem as montanhas que chegam a bloquear a visão de tão proximas.

Saímos bem cedo, e a estrada é incrível, como que cortando as montanhas. Alguns cânions e tuneis e logo pudemos observar  maquinas trabalhando para liberar as pedras do desmoronamento. As filas de carros iniciaram e descemos para o moderno centro de controle de passaportes georgiano. Muita fila, ou melhor, tumulto. Nada de cavalheirismo, era lei da selva mesmo, onde os mais fortes passavam na frente e atingiam o seu objetivo: sair da Geórgia. A funcionaria da imigração vasculhou meu passaporte buscando o visto russo. Expliquei que não precisávamos e já me preparava para um longo discurso quando ela deu de ombros, como quem dizia, “o problema é teu”!

O nosso motorista já tinha furado a fila dos carros e nos esperava ansioso para partir. Nesta terra de ninguém, já estávamos agradecendo ele, mas nem imaginávamos o que vinha pela frente. Algumas curvas para frente e o transito parou completamente. Na pista para um carro já tinham dois. O nosso motorista, Zico, só deu uma piscadinha e foi avançando na pista contraria. Parava para falar com algumas pessoas que o orientavam. Parecia ter uma ordem dentro daquele caos. Aparentemente esta ordem estava ao nosso favor. Ao furar a fila, poucos contestavam, e quando acontecia, já vinham pessoas defender o Zico. Era como se uma mafia comandasse tudo ali. Qualquer possibilidade, qualquer milimetro possível para embicar na frente de outro carro o nosso motorista ia sem pensar. Em um certo momento  já ocupavam toda a pista no sentido contrario. Os carros da Russia não podiam avançar, e dar ré parecia impossível. Apareceram alguns policiais e antes que a coisa complicasse, depois de muita manobra e negociações, conseguimos um lugar na fila propriamente dita. Com certeza economizamos horas de viagem somente naquele pequeno trecho, pois muitos carros não se moviam. Foi aquele alivio de ter seguido com um carro, ainda mais com o Zico, e não de carona.

Estrada congestionada nas duas pistas

Estrada congestionada nas duas pistas. Os russos estavam tentando vir no outro sentido.

No posto de controle da Russia, pareciam não saber se precisávamos de visto ou não. O Zico falava bem pouco inglês, mas de certa forma acabava nos ajudando. Nós soltávamos uns “Brasil, Russia Friends! No visa! BRICS, BRICS. Piting and Dilma!”haha “Tourists, Excursion, after back to Georgia”… Deu certo!

Imigração russa

Imigração russa e bielorrussa. Interessante que brasileiros precisam de visto para a Bielorrússia, mas não existe controle na fronteira Russia-Bielorrússia.

Para percorrer os 35 quilômetros entre Kazbegi e Vladikavkaz demoramos umas três horas e meia. Chegamos na capital da Ossétia do Norte – Alânia passando por memoriais de guerra, tanques antigos e edifícios estilo comunista. Eu confiante dizia que o Zico poderia somente nos deixar próximo a estação de trem que nos viraríamos. Como percebemos a dificuldade e movimento da fronteira, tentamos já deixar agendado a nossa volta. O Zico parou perto de uns carros e chamou um amigo dele. Paramos para conversar e tentar acertar a data de volta e um preço justo. Neste meio tempo saí para olhar o a cidade, sentir o clima da região. Discretamente eu e o Marcelo tiramos umas fotos, mas isto não terminou bem.

Vladikavkaz

Vladikavkaz

Vladikavkaz

Chegada em Vladikavkaz

Vladikavkaz

Ultima foto antes de ir parar na delegacia

Vladikavkaz

Vladikavkaz

Não demorou muito até um policial se identificar e pedir nossos passaportes. Fez uns telefonemas e apareceu mais um carro cheio de policiais. Queriam saber o que estávamos fazendo ali e quais eram nossos planos. Coitado do Zico, que estava louco de vontade de voltar para a Geórgia. Teve que ir conosco até a delegacia. Entramos, passamos em frente das celas e numa pequena mesa entregamos nossos passaportes e respondemos uma ou outra pergunta. O Zico assumiu a situação e conversava com os policiais. Um bêbado tentava interagir conosco e incomodava os policiais. Ficava entrando e saindo da cela onde tirava umas sonecas e cuspia como se tivesse tirando o pulmão pela boca. Os policiais não gostaram muito, mas não deixou de ser uma atração para nós, já que ficamos um bom tempo lá. Tivemos que nos segurar para não rir varias vezes.

Chegamos na Ossétia na semana do aniversário de dez anos do massacre de Beslan, onde terroristas inguches fizeram mais de 1200 pessoas reféns numa escola, e mataram 334, muitas delas crianças. Não sabíamos se suspeitávamos que eramos jornalistas ou algo do tipo. Já estávamos cansados, quando um oficial nos entregou os documentos e fez uma cara de “aproveitem!”. Sabia que na Russia o registro era necessário, e achei que de certa forma havia sido bom, pois isto já estaria feito. Aceitamos quando o Zico se ofereceu para nos levar até o hotel. Eu tinha anotado o nome de um hotel barato (8 usd por pessoa), Общежитие КЭЧ,  e sabia que ficava na esquinas das ruas Karl Marx e Kirov, só isto. Nos surpreendemos quando a antipática senhora que cuidava da recepção negou a nossa estadia lá. “No Tourist!” Tourist problem”, ou algo do tipo, nosso motorista/amigo/interprete traduzia. Também tinha anotado o nome de uns hotéis disponíveis na internet, mas eram caros, somente para uma emergência. Fomos para ferroviária. Em qualquer lugar do mundo existem hotéis baratos perto da ferroviária. O que encontramos não era nem um pouco bom e nem tão barato assim, mas atendia as nossas necessidades. No quarto tinha um papel de parede descascado, um cheiro de mofo e mobilhas da época do Stalin. Por outro lado na recepção havia até wifi. Não pretendíamos gastar tempo no hotel e o Zico estava de partida, então decidimos ficar ali mesmo. Utilizaríamos como base para explorar a região, evitando ter que viajar para outras republicas e ficar procurando hoteis. Descobrimos que nosso “registro” na delegacia não valia para o hotel, e eles tiveram que fazer outro.

Acreditem, era bem pior que a foto

Nosso hotel era estilo apartamento, eu fiquei na sala – um luxo!

Registro

Novo registro, mesmo depois de ter passado horas na delegacia

Antes de voltar para a Georgia o Zico nos deixou num pátio de onde saem as marshrutkas (lotações), algo como uma “rodoviária”. Nos despedimos e agradecemos muito toda a ajuda que recebemos! Fui tentar entender o preço e os horários do microonibus que iria para Grosny, capital da Republica de Chechênia. A Comunicação era precária, mas dava para ter uma ideia do que estava acontecendo. Enquanto isto o Leo e o Khouri foram pegar informações com uma senhora num guichê. Não sei como seria se eu tivesse viajando sozinho, ou só com a Bibi, mas em quatro pessoas parecia que chamávamos muito a atenção. Policiais viram a movimentação e se aproximaram. “Passport” um deles dizia. Pronto, iniciava mais um longo interrogatório (quando eu digo longo, é muito longo mesmo!). Depois de recolherem nossos passaportes, fizeram uns telefonemas. Apareceu um oficial a paisana que falava umas palavras em inglês. Logo apelidamos ele de “KGB”. Pensamos melhor e achamos que ele poderia entender, então alteramos o nome dele para “Robocop”.

Respondíamos uma ou outra pergunta, enquanto o Robocop recebia instruções pelo telefone. Quando questionado se já havia visitado a Russia o Marcelo teve que falar que sim. O Robocop ficou muito intrigado e queria saber onde tinha ido, se tinha amigos russos… Ficava repetindo perguntas para ver se o Marcelo se contradizia. Calmamente o Marcelo explicava que fazia mais de 25 anos que tinha visitado Moscou e São Petersburgo, que pouco lembrava da viagem. Convencido, o Robocop agora queria saber detalhes da nossa viagem. Comentei que pegaríamos um ônibus e atravessaríamos a Republica de Inguchetia, até a Chechênia, onde pretenderíamos visitar Grosny. “Tourist, excurssion”, repetíamos. Eles se convenceram, e depois de repetir tudo o que faríamos, nos liberaram. Eu ainda tentei pegar o telefone no Robocop. Ele ameaçou dar, mas quis saber porque. Eu gesticulava e tentava explicar que se algum outro policial nos parasse, pediria para ligar para ele. Assim não perderíamos tempo e simplificaríamos as coisas. Ele se negou. Teríamos que se virar sozinhos.

Nos reunimos rapidamente e decidimos mudar de planos. Havíamos perdido muito tempo com todos estes interrogatórios. Estávamos chamando muito a atenção, e poderíamos ter mais problemas. Fui negociar com um táxi para nos levar até Grosny. Depois de algumas contra propostas e muitos números riscados num papel amassado, chagamos num acordo. Chamei o pessoal e entramos no carro. Imediatamente o Robocop sai de um carro de onde nos observava de longe. Se aproximou e questionava: “Vocês não iam de ônibus..?” Santa burocracia! Uma pequena mudança nos planos parecia absurda para ele. Novas explicações, anotou até o nome do hotel onde estávamos e nos liberou.

Era somente nosso primeiro dia no Cáucaso russo e já estávamos exaustos. Por outro lado tudo isto indicava que estávamos viajando bem longe da rota turística e muitas surpresas estavam por vir!

Memorial de Guerra

Memorial de Guerra