Dargavs, a cidade dos mortos!

Se Dargavs, a cidade dos mortos, ficasse em algum outro país europeu, seu dia a dia seria diferente. Existiriam filas de turistas, lojinhas vendendo cartões postais, imãs de geladeira e camisetas. Barracas de comida nas proximidades disputariam os turistas a tapa. Hotéis com vista para a “cidade”, tours diários direto de Vladikavkaz, passes especiais para visitas noturnas em dias de lua cheia. Com certeza estaria listado na lista do patrimônio da Unesco e figuraria entre as principais atrações de qualquer país. Mas (para nossa sorte) não está! Ela esta perdida no meio do cáucasos, isolada, parada no tempo, cercada por montanhas de pelo menos 4 mil metros…

Saindo de Vladikavkaz, fomos sentido sudoeste, como quem iria para a Ossétia do Sul. Não tinha como não lembrar com frustração que estava tão perto deste “não-país”, mas que não poderia visitar por ter perdido a data de entrada. O Marcelo me incomodava dizendo que esta seria uma grande “mancha no meu currículo”. Depois de diversos contatos e burocracia com as autoridades da Ossétia do Sul, agora os planos eram outros.

Arredores de Vladikavkaz

Igreja ortodoxa nos arredores de Vladikavkaz

Dezenas de guindastes se destacavam nas obras de novos conjuntos habitacionais sendo construídos nos arredores de Vladikavkaz. Igrejas ortodoxas e memoriais de guerra montavam a paisagem que se tornava rural, com as imponentes montanhas do cáucasos atrás. Na parada para abastecer, carros da Ossétia do Sul nos mostravam o quanto estávamos perto deste “País que não existe”. Já conformado que não iriamos para lá, agora tentávamos achara o caminho para Dargavs.

RSO- República da Ossétia do Sul

RSO- República da Ossétia do Sul

Venda de mel

Produção e venda de mel na beira da estrada

Uma estrada simples, pequena mas relativamente bem conservada ia acompanhando uma corredeira que trazia água de desgelo. Nosso motorista, chamado “Guia” estava animado. Nunca tinha ido para “temida” Dargavs – a cidade dos mortos. Diz a lenda local que quem visita a cidade não volta vivo. Não sei se foi por isto, mas um pouco para frente paramos num local para fazer oferendas. Ele nos deu moedas e nos chamou para jugarmos numa espécie de poço. Nem pensamos duas vezes, poderíamos estar garantindo as nossas vidas, era melhor seguir o script.

Não custa nada deixar umas moedinhas

Não custa nada deixar umas moedinhas

Fomos viajando entre as belas montanhas, quando passamos por uma cidadezinha, Koban (?), relativamente bem estruturada. Fortes antigos e diversas torres tradicionais ao longo da colina. O “Guia” tentava nos explicar que era um lugar turístico, onde “muitos estrangeiros” vinham. Ok, quem sabe (como osseta) ele estava se referindo aos Russos como estrangeiros. Ele escutava animado musicas internacionais, e enquanto tocou Sting, nos questionou se não era musica brasileira. Não nos parecia muito bem informado…

Ruinas do Forte

Ruínas do Forte

Torres tradicionais

Torres tradicionais

Mudamos os trajeto, agora não seguíamos entre as montanhas e sim montanha acima. Avistamos pela primeira vez o Monte Kazbegi, o mesmo que tínhamos visto dias antes do lado Georgia. Entre uma e outra encruzilhada ficamos na duvida para onde seguir. Fomos atendidos por um simpático casal de ossetas. Mesmo Dargavs sendo tão incrível, não tinham a menor ideia de onde queríamos ir. Tivemos que mostrar uma foto para nos apontarem a direção. Antes disso a senhora fez questão de me levar até uma pequena casa de madeira próxima do rio. O Marcelo, Leo e Khouri não entendiam porque eu tinha entrado no “banheiro” com ela e demorado tanto. Na verdade era o local onde ela produzia pão para toda a vila, acho que ficaram aliviados ao saber disto. O marido, provavelmente depois de ter tomado umas doses de vodka, nos abraçava e sorria sem parar.

Monte Kazbegi visto do lado osseta-russo da fronteira

Monte Kazbegi visto do lado osseta/russo da fronteira

Esqueça

Esqueça politica, conflitos e fronteiras, o mundo é feito de pessoas!

Indicações turisticas

Sinais do turismo na região

Não estávamos longe de Dargavs, e quando chegamos ao próximo vilarejo, decidimos ir caminhando, para observarmos melhor o ambiente todo. O rio Gizeldon estava tímido, com pouca água, mas todo o vale e as montanhas dão um clima especial para o lugar.

Rio

Rio Gizeldon

Primeira vista de Dargavs

Primeira vista de Dargavs

Dargavs, a cidade dos mortos, na verdade é um cemitério. São cerca de 100 criptas, construídas entre os seculos 12 e 16. Todas as necrópoles tem uma arquitetura bem singular e uma torre solitária se destaca um pouco mais a direita.

Dargavs

Dargavs

Torre

Torre solitária

Dargavs

Criptas com as montanhas ao fundo

Vista de cima da torre

Vista de cima da torre

O silencio tomava conta do lugar. Teias de aranha comprovavam o abandono, mas a beleza de todo o conjunto nos impedia de achar algo de assustador. Até mesmo os caixões abertos e os esqueletos pareciam estar em harmonia. Moedas nas entradas de algumas tumbas são a unica marca de que existe visitação por ali.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma das lendas é de que uma praga assolou a Ossétia centenas de anos atras. Dargavs teria sido construída para servir de abrigo para os doentes, que teriam vivido lá enquanto aguardavam a sua morte. Dai viria a história de que quem vai para Dargavs não volta com vida. Arqueologistas comprovam que as construções são bem mais antigas que a praga de poucos seculos atrás, que dizimou grande parte da população. De qualquer maneira não é difícil de imaginar que a praga tenha dado origem a esta superstição de não sair vivo de lá.

Dargavs

Dargavs

Teias e aranhas por todos os lados

Teias e aranhas por todos os lados

Cemitério tem que ter flor!

Cemitério tem que ter flor!

Dargavs

Dargavs

Dargavs

Dargavs

Depois de explorar toda a região por horas, procurar curiosidades, subir na torre e apreciar a vista fantástica do local, decidimos voltar. Durante o longo trajeto não fazíamos piada sobre não voltar de lá com vida. Não queríamos dar chance para o azar. Com tantas curvas, precipícios e motoristas com hábitos suicidas, demoramos para relaxar.

Visual na beira da estrada

Visual na beira da estrada

Poucas horas depois, contornamos Vladikavkaz e  nos aproximamos da fronteira da Rússia com a Geórgia. Uma fila de caminhões apareceu, nos mostramos que não teríamos tarefa fácil. Se na ida para a Ossétia o “Zico” deu um show de habilidade/contatos/proatividade, agora era a vez do “Guia” mostrar seus talentos. Furava fila, desafiava “caras de poucos amigos” e só parava quando aparecia um carro de polícia. Também tinha uns contatos por ali, o que claro que facilitou muito. Depois de varias situações, chegamos a imigração russa. Furando novamente a fila descaradamente, questionei porque ninguém reclamava. Ele só fez sinais mostrando telefones, armas e outras coisas que não entendi direito. A mafia estava conosco novamente, não seria desta vez que nos impediriam. A oficial da imigração se frustrou quando não entendemos nenhuma das perguntas que fez. Perdemos uns minutos mas logo fomos liberados.

A equipe! Agora parados em um congestionamento na "terra de ninguém", entre Ossétia (Rússia) e Geórgia

A equipe! Agora parados em um congestionamento na “terra de ninguém”, entre Ossétia (Rússia) e Geórgia

Mas não chegaríamos com tanta facilidade à Geórgia. ainda tinha toda a “Terra de ninguém”entre as duas fronteiras. Nosso motorista fez o possível e impossível, ultrapassou filas dentro de tuneis e tudo, mas uma hora tudo parou. Ficamos um bom tempo parados em congestionamentos, só observando a “mafia dos fura fila”. Nos aproximando da República da Geórgia a situação foi se normalizando. Na imigração nos olharam com certa suspeita, fizeram meia duzia de perguntas e nos liberaram. O transito fluiu e não demorou muito para chegarmos próximo de Kazbegi. A noite se aproximava e não imaginávamos ter que enfrentar um novo congestionamento, quando de repente cruzamos com milhares de ovelhas!! Uma situação no minimo inesperada, mas para falar a verdade nada mais nos surpreendia…

Congestionamento na chegada na Geórgia

Congestionamento na chegada na Geórgia

Mídia, novo livro, palestras e próximas viagens.

A viagem, o livro e o blog tem sido destaque em diversos meios de comunicação. Nem sempre publico aqui, mas quem se interessar pelas matérias e entrevistas tem toda a relação na pagina “Mídias” (Clique Aqui).

Recentemente saiu no Jornal O Dia, Revista Viajar e na semana passada teve matéria na Folha de São Paulo. Para ler Clique aqui.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O novo livro está bem adiantado e logo vou postar mais sobre ele.

Fechamos uma serie de palestras, treinamentos e workshops até o final do ano.

O próximo é dia 24 de Setembro, no Hub Curitiba. Para saber mais: http://hub-curitiba.com/a-viagem-transforma-o-homem/

Neste curso tentaremos responder algumas perguntas:

Por que e para quê viajar?  Como uma viagem pode transformar o homem?   Há tipos diferentes de viagens?   Como se planeja uma viagem de longa duração? E como se administra?   Todos os roteiros levam ao mesmo lugar, ou existem roteiros melhores de acordo com o que se busca em uma viagem?

Enquanto não marcamos a nossa próxima viagem, vou escrevendo sobre os países que visitei mas que nunca publiquei nada. Deve ter pelo menos uns 20 faltando.

 

 

Sírio-libanês!?

No Brasil usamos muito o termo sírio-libanês, como se fosse uma só coisa. Não e nenhum preconceito, nem desconhecimento, assim como kibe e esfirra eles estão sempre juntos, mas são diferentes. A verdade e que a imigração para o Brasil ocorreu ainda no seculo 19, quando ainda não existiam as nações independentes de Síria e Líbano.
Brasileiro não costuma vir muito para esta região (a não ser os que tem descendência sírio-libanesa). Já viajantes de outros países se assustam pelas (não) recomendações de seus governos, tratando a região como áreas de risco. Envolvimentos de Sírios no 11 de setembro; a invasão e guerra de Israel no Líbano em 2006, fizeram o turismo despencar. Uma pena para a economia local, mas uma tranquilidade para quem vem para cá. A cultura e tradição de Damasco, a modernidade de Beirute, mereceriam uma atenção maior das pessoas que planejam uma próxima viagem, e isto que estou falando só das capitais. Sem falar da simpatia do povo, e da deliciosa culinária, que vai muito alem de kibe e esfirra… Você vai escutar Habibi, Habibi toda hora, e não e a cadeia de restaurante e sim algo como “querido”, e “Pão Sírio” aqui se chama só “pão” (Gi, esta foi pra vc)!!
Da fronteira de Israel/Palestina fomos ate Amã, onde só fizemos uma conexão e seguimos para a Síria. As informações sobre vistos na fronteira novamente eram contraditórias. Na internet e guia, falava que tinha que tirar com antecedência, mas pessoas que encontrávamos falavam que dava para tirar na hora. Foi super rápido, e logo estávamos em território sírio. Pouco depois, olhando o visto que e todo em árabe, observei escrito 3 jours bem pequeno. Acho que porque falei que íamos para o Líbano e voltaríamos para a Síria, acharam que não ficaríamos muito em Damasco. A comunicação nunca e clara, então acontece estas coisas.
As opções de hotel baratos ficam muito próximas uma da outra, alem de perto da cidade velha, o que facilita muito. Ficamos num hotel que e um casarão antigo, com um patio interno super gostoso. Paredes com pinturas e decoração tipicas, poltronas e sofás com narguilés estrategicamente posicionados. Placas proibindo o consumo de álcool mostravam que a religião e levada a serio. As pequenas ruas ao redor faziam quase que uma barreira das avenidas, transito e poluição dos arredores. A região e cercada de cafés, sempre lotados de sírios. Com o inicio dos jogos da copa, o movimento que já era grande aumentou um monte. As centenas de bandeiras do Brasil espalhadas pela cidade tinham uma concorrência: bandeiras da Alemanha. Mesmo em menor numero, deu para ver que o apoio para eles não era pequeno.
Falam relativamente pouco inglês na Síria, então ao nos informarmos onde era a imigração para prolongarmos nosso visto acabamos indo em um lugar errado. Ate descobrir que não era la demorou um pouco, pulando de escritório em escritório, ate encontrar alguém que falava francês, pois inglês tava difícil. Descobrimos o lugar correto, e daí foi só encarar a burocracia. Paga uma pequena taxa, compra selo, tira fotocopias, leva papelada numa sala, volta para outra, fica em filas que se misturam para passar por 3 mesas numa pequena sala, carimba, vai em outra sala, pega assinatura, pula de mesa em mesa novamente (não em forma sequencial), muuita burocracia e tudo da certo no final. Era de rir.
Damasco e uma das mais antigas cidades constantemente habitadas do mundo. De 5 a 7 mil anos antes de Cristo já tinha gente vivendo por aqui. A cidade velha e muito legal. Murada, com seus mercados, ruas estreitas, mesquitas, ruínas romanas, igrejas, tudo muito vivo. Nada montado para os turistas, e sim para o dia a dia. Seguimos as filas para experimentar os deliciosos sorvetes locais, e andamos por tudo ao longo dos dias.
A mesquita Umayyad, fica não muito longe da entrada. Um antigo templo romano, que virou uma Basílica Bizantina, e depois da expulsão das cruzadas da região se transformou na mesquita. Muito bonita, com seu patio gigantesco, mosaicos e torres. As mulheres precisam colocar um roupão para se cobrirem e a Bibi teve que seguir as regras. Na sala de orações tem um lugar onde dizem estar a cabeça do São João Batista. Deve ser desde a época da Basílica Bizantina, se bem que ele é um profeta para o islamismo também. Em outra parte da mesquita estão os restos mortais de Husseim, importante muçulmano, neto do profeta Maomé. Um simpático iraniano matou nossa curiosidade. Por falar em heróis, existem tum ulos de alguns heróis das guerras contra as cruzadas por aqui, entre eles o Saladim.

Cidade velha de Damasco

Mesquita Umayyad

Aproveitei que a Bibi ficou estudando naquele lugar chato que descrevi do hotel, e sai para desvendar um pouco mais da cidade velha. Lojas de tempero com cascos de tartaruga, estrelas do mar e outras coisas esquisitas penduradas. Tentei perguntar o que era e já queriam empacotar para mim. Acabei parando no meio de uma mesquita Xiita, muito bonita, toda decorada e com grandes lustres. Tava tendo pregação em alguns pátios e fiquei observando. Um senhor se aproximou falando um inglês perfeito, e aproveitei para entender um pouco mais da diferença dos xiitas e sunitas (principais ramificações do Islamismo).

Patio do nosso hotel

Dentro de uma mesquita xiita

Macumba?!

Fui no bairro cristão, primeiro sozinho e depois com a Bibi. Andamos aleatoriamente pelos corredores, explorando a região. Existem algumas passagens da Bíblia que ocorreram por aqui e fomos conferir. Visitamos uma casa damasense do seculo 18, que foi transformada em museu. A Bibi também deu a olhadinha dela nas lojas, e a tranquilidade dos vendedores surpreende. Jogam o preço la em cima, esperando que você negocie, mas não são nada insistentes. Se falar que vai dar uma olhada em outros lugares eles ate te incentivam, agradecem e pedem para você voltar (e e claro que sempre tem coisa mais barata para frente). O povo e super simpático, e de varias maneiras achamos parecido com o povo brasileiro. A expectativa era grande, pois só ouvíamos falar maravilhas do lugar, e não nos decepcionamos. E daqueles lugares difíceis de ir embora. A cidade e grande, bagunçada, meio caótica, mas parece pura, tem personalidade. Conhecemos dois jornalistas brasileiros, Mauricio e Wilian, que estão viajando a quase um ano e mandando matérias para o Brasil. Aproveitamos para falar bastante em português, falando do Brasil, mundo e de nossas vidas e escolhas. Muito gente boa, fomos jantar juntos quase todos os dias.
A Bibi resolveu não encarar a ida ate Palmira, ruínas romanas que ficam no meio do deserto, já próximo ao Iraque. Na verdade já pertenceu a diversos povos antes dos romanos, e era estrategicamente muito importante para as caravanas que passavam por ali. São umas três horas de viagem, e escutei novamente o quanto o mundo foi injusto com o Iraque, assunto muito comum na Jordânia também. A cidade em si e pequena e empoeirada. Quente, muito quente. Com certeza a temperatura passava dos 40 graus. Andei sozinho pelas ruínas da cidade, um dos principais locais de visitação da Síria.

Palmyra

Fui comer alguma coisa e me proteger do sol. Por sorte tava tendo jogo da Argélia, único time árabe da copa, portanto com a torcida de todos. Me diverti. Ainda encontrei os jornalistas brasileiros com quem passei um tempo. Fui num castelo em cima de uma montanha, local com uma vista impressionante de toda a região. Infelizmente tava meio nublado esta hora, e vi que o por do sol não teria nada demais. Resolvi encarar as 3 horas de viagem para ficar com a Bibi. Chegando na rodoviária taxistas me cercaram. Ao falar que queria pegar um ônibus, não se opuseram nem insistiram. Um deles me levou pela mão e andou ate o ponto me mostrando qual ônibus pegar, além de falar para o motorista onde eu iria descer. Da para acreditar? I love this place!
A Bibi conheceu um senhor que trabalhava na União Árabe e acabamos indo de carona com ele para o Líbano em alto estilo, de motorista e tudo. Tava engraçado ele de terno e gravata, indo para uma reunião, e nos com as mochilas, de bermuda e chinelo. O cara e muito gente boa e fomos conversando o tempo todo. Bom ver o ponto de vista de um egípcio muçulmano, que viaja todos os países árabes e morou nos EUA. Ainda tivemos um imprevisto na fronteira, por algo que escreveram no nosso passaporte quando prorrogaram o visto, mas o solicito e simpático oficial da imigração resolveu tudo da forma mais rápida possível. Infelizmente isto fez com que nosso amigo se atrasasse para a reunião, mas acho que o bate papo foi proveitoso para os dois lados, então ele não deve ter se importado taanto. Nos despedimos já em Beirute, quando ele foi trabalhar e nos procurarmos um hotel barato para ficar.
Achar um lugar barato para dormir em Beirute é fácil, pois praticamente só existem três ou quatro opções, então você sabe exatamente aonde ir. O próximo problema e que estão sempre lotados. Arrumamos um quarto ate que ajeitado numa pensão, mas o problema e que tinha gente caindo pelas janelas de tao lotada. Dormito rios, camas no terraço, até no corredor e sofás da sala!! Impossível se sentir em casa. Conhecemos um DJ gaúcho que esta morando por ali e deu umas boas dicas da região.
Beirute e moderna, descolada e a primeira vista muito rica. O centro da cidade foi todo reconstruído, pois depois de bombardeiros não sobrou nada. Fizeram uma arquitetura antiga, com jardins e lojas de marca. Muito bonito, glamouroso, mas meio artificial. Mulheres andam com roupas curtas e decotadas, e o numero de “moderninhos” e muito grande. Na corniche, calcadão beira mar, e um desfile de carros, os libaneses gostam de aparecer. Vimos diversas Ferraris, Porches e a quantidade de táxis da Mercedes é incontável! Mas não tem praia propriamente dita. São pedras onde o pessoal usa para mergulhar, pescar ou ate fumar narguilé. Os chiques e famosos usam alguns dos clubes ou marinas, todos estruturados, perfeito lugar para ver e ser visto. No topo de uma colina centenas de pessoas se reúnem para ver o por de sol, com os pingen rocks, pedras que saem do mar, dando todo um charme.

centro reconstruído

visual do cafe no por de sol

beira mar

Existem bons cafés nesta região, onde novamente os libaneses exibem seus brinquedinhos estacionados na frente. O pessoal aqui gosta de comer bem, beber e festar. Alias, festar como se não houvesse amanha, o que ali pode não ser só uma expressão. Ouvimos seguidamente historias de que poderia estourar outra guerra neste verão. Nos avisaram para ficar de olho no porto, se esvaziasse era para nos preocuparmos. Para alguns e só tática dos israelenses para espantar o turismo, que representa grande parte da receita do Líbano. Aproveitamos o embalo e fomos conferir uma das noitadas. Resolvemos encarar a famosa BO18, clube da moda por aqui. Convidamos um americano e uma americana para irem juntos com a gente. Foi engrado, pois ao descer do táxi no estacionamento, andamos meio sem saber onde era, ate apontarem para nos a entrada, que era uma escada no meio do estacionamento. O lugar e embaixo da terra, um bunker. O segurança tentou conferir a lista de convidados, pois não se compra entrada, só entra “a galerinha”. Pior que não tinha roupa de sair, então tava beem largado. Mas pra estrangeiro sempre e diferente, e sendo casal foi mais fácil também. Noitada pegando, muito divertido. O teto se abria de vez em quando, e só dava para ver o céu e alguns seguranças la em cima. Dizem que mais tarde chega muita gente de festas particulares e ficam no estacionamento também. Libaneses e Israelenses podem ter varias diferenças entre si, mas os dois gostam de uma festa e tem mulheres muito bonitas.
Beirute ta toda enfeitada para a Copa, e vimos a estreia do Brasil numa das ruas dos barzinhos. Depois do jogo teve buzinasso e tudo! Aqui também a seleção tem um grade apoio, seguida pela Alemanha. Ao contrario de Damasco, que era uma unanimidade entre os viajantes, encontramos muitas pessoas que não gostaram muito de Beirute. E uma cidade movimentada, moderna e cara, mas nos aproveitamos bastante.
Claro que nem tudo são flores. E um lugar de grande desigualdade social. E fomos conferir essa parte também. Fomos ate o antigo assentamento palestino de Chatila/Sabra, hoje praticamente uma favela, onde ocorreu um massacre um 82. O exercito israelense, ao isolar Beirute e afastar a resistência, isolou este bairro palestino e deixou uma “milicia crista” entrar e matar mais de 2000 civis palestinos. Agora bato na tecla do meu outro post: “Milicia Crista”? Um cristão de verdade faria isto? A mesma coisa dos “atentados muçulmanos”. Isto e religião ou politica?
No ônibus para Chatila conversávamos com uns palestinos quando um viu minha tatuagem e mostrou a sua. Estava escrito “Ali”. Eu comentei com ele que deveria ser xiita, pois Ali era o primo e genro do profeta Maomé, que casou com sua filha Fátima. Ganhei a confiança do cara na hora, valeu a pena ter feito o dever de casa na mesquita! Logo na primeira rua que descemos, ao pedir informações vimos o abismo social que existe no Líbano. O cara nos informava qual parte era de domínio do Hezbollah, Fatah, Hamas e outros grupos. Fomos andando e nas primeiras quadras não nos sentimos muito bem. Eu fiquei meio assim por ter trazido a Bibi, se tivesse sozinho seria diferente. Alem de mal encarados, o pessoal ali eram todos torcedores da Alemanha! Mas não demorou muito para tudo mudar. Entre as bandeiras de Hamas, Fatah, fotos do Arafat e do Templo da Rocha, gigantescas bandeiras do Brasil passaram a aparecer.

Terroristas?

Não eram só as facções politicas que dividiam o bairro, mas também as preferencias futebolísticas. Começamos a conversar com um senhor e logo foi aparecendo gente. Fomos andando e já tinha uma duzia de jovens conosco. Nos convidaram para sentar e tomar um chá, e trouxeram copos do Brasil. Todos estavam com camisetas e faixas da seleção. Ficamos conversando um tempão, falando sobre suas dificuldades por serem palestinos, falta de direitos, mas também de sonhos, desejos e dia a dia. Pessoas do bem, jovens cheios de vida e ideias. Com o tempo, ao se sentirem confortáveis, mostraram fotos deles uniformizados e armados. Era difícil de acreditar, mas fácil de entender. Assim como o soldado israelense que conhecemos la, o pessoal aqui ta cansado de tanto conflito, mas por causa de meia duzia de louco de cada lado, civis continuam morrendo. Nos levaram para caminhar mais, nos deram presentes e não nos deixaram pagar nada, nem o chá. Entramos num café e fizemos a maior bagunça cantando musica do Brasil, tocando bumbo e corneta, muito divertido. Até na hora da foto fiz chifrinho na piazada. Nos escoltaram de volta ate onde pegaríamos o ônibus. Comentaram que o inicio do bairro era meio barra pesada, pois era onde existia o trafico de drogas. Explicaram que os palestinos que se davam bem e iam morar em outros países e meio que esqueciam a “causa”. De certa forma lembravam da frase que o Arafat quando ainda jovem escreveu com seu próprio sangue para o exercito Egípcio: “Don’t forguet Palestine”. Eles já queriam combinar alguma coisa para fazermos no dia seguinte e saber quando voltaríamos lá. Trocamos emails e contatos e saímos com o coração apertado.
Seguindo o roteiro não tradicional, um dia fomos ao sul de Beirute, para Sidam (saida). Não, nossa principal intenção não era visitar esta cidade fenícia citada na Bíblia, com mais de seis mil anos de historia. Faríamos uma conexão la para ir no recém inaugurado museu do Hezbollah. Ao descer no ponto de ônibus a comunicação com os taxistas não era fácil, e não sabiam onde queríamos ir. Ao encontrar um senhor que falava Inglês, ele me perguntou: E acham que vão deixar vocês entrarem? Realmente o lugar era novo, e o pessoal não tinha informações. Ouvimos falar que tinha sido inaugurado a menos de duas semanas. Mas a areá era conhecida, e o motorista cristão ficou fazendo mistério, dizia para não falarmos inglês que era perigoso. Mostrou suas cicatrizes da guerra, mas logo vimos que ele era louco mesmo. De qualquer forma chegar nas montanhas, em área do Hezbollah, nos causou silencio. Bandeiras em todos os postes, alem de fotos dos mártires (homens bomba e heróis da resistência) davam o clima para o lugar. No meio de uma vista magnifica chegamos a um grande estacionamento, com dois ônibus e muitos carros. Na hora deu para ver que logo este lugar vai ser uma grande atracão turística, listada em todos os guias de viagem. Novinho em folha, algumas partes ainda não estão nem abertas ao publico, como a loja de lembranças. A estrutura e perfeita, iluminação, placas em inglês e árabe, água, ate salas para se rezar. Parece que quem construiu foi para a Disney para tirar ideias (hehe, desculpe, não me aguentei!).
Bem, e um museu em céu aberto, na região onde houveram os combates entre os Israelenses e o Hezbollah. Uma forte propaganda mostrando como eles eram a resistência libanesa, e com menos armas e tecnologia conseguiram lutar. Mesmo estilo dos locais que visitamos no Vietnã. Existem bunkers cavados nas pedras, com longos tuneis e material exposto. Armas, tanques e foguetes da resistência alem de material capturado e destruído de Israel. Duas partes chamam muito atenção. Uma especie de furacão, com arcos e muitos tanques e armas de Israel destruídas, junto com capacetes de soldados israelenses, como se fosse um “obra de arte”, e o memorial para os mártires. E uma escadaria bem íngreme, alta, que se sobe com esforço e ao olhar em frente só se vê o céu. Chegando la em cima tem um jardim super florido com a homenagem aos mortos, e tudo cercado pelas belas montanhas. O esforço, sacrifício, céu e paraíso estão evidentes, mesmo não estando escrito em nenhum lugar. Pena não termos conseguido ver o filme que passa algumas vezes ao dia. Uma sala só dedicada a Israel não tinha tradução em Inglês. Acredito que a propaganda devia ser forte. Muitas famílias e turistas árabes, mas acho que logo os estrangeiros vão descobrir. Com certeza valeu a pena.
Hezbollah!

Museu muito bem montado. Ispirado na Disney?rs

Turismo local

Estávamos felizes quando saímos de Beirute para as montanhas no norte do Líbano. Mesmo tendo gostado bastante da experiencia, precisávamos um pouco de paz, ficar longe do barulho e movimento da grande cidade.