Sírio-libanês!?

No Brasil usamos muito o termo sírio-libanês, como se fosse uma só coisa. Não e nenhum preconceito, nem desconhecimento, assim como kibe e esfirra eles estão sempre juntos, mas são diferentes. A verdade e que a imigração para o Brasil ocorreu ainda no seculo 19, quando ainda não existiam as nações independentes de Síria e Líbano.
Brasileiro não costuma vir muito para esta região (a não ser os que tem descendência sírio-libanesa). Já viajantes de outros países se assustam pelas (não) recomendações de seus governos, tratando a região como áreas de risco. Envolvimentos de Sírios no 11 de setembro; a invasão e guerra de Israel no Líbano em 2006, fizeram o turismo despencar. Uma pena para a economia local, mas uma tranquilidade para quem vem para cá. A cultura e tradição de Damasco, a modernidade de Beirute, mereceriam uma atenção maior das pessoas que planejam uma próxima viagem, e isto que estou falando só das capitais. Sem falar da simpatia do povo, e da deliciosa culinária, que vai muito alem de kibe e esfirra… Você vai escutar Habibi, Habibi toda hora, e não e a cadeia de restaurante e sim algo como “querido”, e “Pão Sírio” aqui se chama só “pão” (Gi, esta foi pra vc)!!
Da fronteira de Israel/Palestina fomos ate Amã, onde só fizemos uma conexão e seguimos para a Síria. As informações sobre vistos na fronteira novamente eram contraditórias. Na internet e guia, falava que tinha que tirar com antecedência, mas pessoas que encontrávamos falavam que dava para tirar na hora. Foi super rápido, e logo estávamos em território sírio. Pouco depois, olhando o visto que e todo em árabe, observei escrito 3 jours bem pequeno. Acho que porque falei que íamos para o Líbano e voltaríamos para a Síria, acharam que não ficaríamos muito em Damasco. A comunicação nunca e clara, então acontece estas coisas.
As opções de hotel baratos ficam muito próximas uma da outra, alem de perto da cidade velha, o que facilita muito. Ficamos num hotel que e um casarão antigo, com um patio interno super gostoso. Paredes com pinturas e decoração tipicas, poltronas e sofás com narguilés estrategicamente posicionados. Placas proibindo o consumo de álcool mostravam que a religião e levada a serio. As pequenas ruas ao redor faziam quase que uma barreira das avenidas, transito e poluição dos arredores. A região e cercada de cafés, sempre lotados de sírios. Com o inicio dos jogos da copa, o movimento que já era grande aumentou um monte. As centenas de bandeiras do Brasil espalhadas pela cidade tinham uma concorrência: bandeiras da Alemanha. Mesmo em menor numero, deu para ver que o apoio para eles não era pequeno.
Falam relativamente pouco inglês na Síria, então ao nos informarmos onde era a imigração para prolongarmos nosso visto acabamos indo em um lugar errado. Ate descobrir que não era la demorou um pouco, pulando de escritório em escritório, ate encontrar alguém que falava francês, pois inglês tava difícil. Descobrimos o lugar correto, e daí foi só encarar a burocracia. Paga uma pequena taxa, compra selo, tira fotocopias, leva papelada numa sala, volta para outra, fica em filas que se misturam para passar por 3 mesas numa pequena sala, carimba, vai em outra sala, pega assinatura, pula de mesa em mesa novamente (não em forma sequencial), muuita burocracia e tudo da certo no final. Era de rir.
Damasco e uma das mais antigas cidades constantemente habitadas do mundo. De 5 a 7 mil anos antes de Cristo já tinha gente vivendo por aqui. A cidade velha e muito legal. Murada, com seus mercados, ruas estreitas, mesquitas, ruínas romanas, igrejas, tudo muito vivo. Nada montado para os turistas, e sim para o dia a dia. Seguimos as filas para experimentar os deliciosos sorvetes locais, e andamos por tudo ao longo dos dias.
A mesquita Umayyad, fica não muito longe da entrada. Um antigo templo romano, que virou uma Basílica Bizantina, e depois da expulsão das cruzadas da região se transformou na mesquita. Muito bonita, com seu patio gigantesco, mosaicos e torres. As mulheres precisam colocar um roupão para se cobrirem e a Bibi teve que seguir as regras. Na sala de orações tem um lugar onde dizem estar a cabeça do São João Batista. Deve ser desde a época da Basílica Bizantina, se bem que ele é um profeta para o islamismo também. Em outra parte da mesquita estão os restos mortais de Husseim, importante muçulmano, neto do profeta Maomé. Um simpático iraniano matou nossa curiosidade. Por falar em heróis, existem tum ulos de alguns heróis das guerras contra as cruzadas por aqui, entre eles o Saladim.

Cidade velha de Damasco

Mesquita Umayyad

Aproveitei que a Bibi ficou estudando naquele lugar chato que descrevi do hotel, e sai para desvendar um pouco mais da cidade velha. Lojas de tempero com cascos de tartaruga, estrelas do mar e outras coisas esquisitas penduradas. Tentei perguntar o que era e já queriam empacotar para mim. Acabei parando no meio de uma mesquita Xiita, muito bonita, toda decorada e com grandes lustres. Tava tendo pregação em alguns pátios e fiquei observando. Um senhor se aproximou falando um inglês perfeito, e aproveitei para entender um pouco mais da diferença dos xiitas e sunitas (principais ramificações do Islamismo).

Patio do nosso hotel

Dentro de uma mesquita xiita

Macumba?!

Fui no bairro cristão, primeiro sozinho e depois com a Bibi. Andamos aleatoriamente pelos corredores, explorando a região. Existem algumas passagens da Bíblia que ocorreram por aqui e fomos conferir. Visitamos uma casa damasense do seculo 18, que foi transformada em museu. A Bibi também deu a olhadinha dela nas lojas, e a tranquilidade dos vendedores surpreende. Jogam o preço la em cima, esperando que você negocie, mas não são nada insistentes. Se falar que vai dar uma olhada em outros lugares eles ate te incentivam, agradecem e pedem para você voltar (e e claro que sempre tem coisa mais barata para frente). O povo e super simpático, e de varias maneiras achamos parecido com o povo brasileiro. A expectativa era grande, pois só ouvíamos falar maravilhas do lugar, e não nos decepcionamos. E daqueles lugares difíceis de ir embora. A cidade e grande, bagunçada, meio caótica, mas parece pura, tem personalidade. Conhecemos dois jornalistas brasileiros, Mauricio e Wilian, que estão viajando a quase um ano e mandando matérias para o Brasil. Aproveitamos para falar bastante em português, falando do Brasil, mundo e de nossas vidas e escolhas. Muito gente boa, fomos jantar juntos quase todos os dias.
A Bibi resolveu não encarar a ida ate Palmira, ruínas romanas que ficam no meio do deserto, já próximo ao Iraque. Na verdade já pertenceu a diversos povos antes dos romanos, e era estrategicamente muito importante para as caravanas que passavam por ali. São umas três horas de viagem, e escutei novamente o quanto o mundo foi injusto com o Iraque, assunto muito comum na Jordânia também. A cidade em si e pequena e empoeirada. Quente, muito quente. Com certeza a temperatura passava dos 40 graus. Andei sozinho pelas ruínas da cidade, um dos principais locais de visitação da Síria.

Palmyra

Fui comer alguma coisa e me proteger do sol. Por sorte tava tendo jogo da Argélia, único time árabe da copa, portanto com a torcida de todos. Me diverti. Ainda encontrei os jornalistas brasileiros com quem passei um tempo. Fui num castelo em cima de uma montanha, local com uma vista impressionante de toda a região. Infelizmente tava meio nublado esta hora, e vi que o por do sol não teria nada demais. Resolvi encarar as 3 horas de viagem para ficar com a Bibi. Chegando na rodoviária taxistas me cercaram. Ao falar que queria pegar um ônibus, não se opuseram nem insistiram. Um deles me levou pela mão e andou ate o ponto me mostrando qual ônibus pegar, além de falar para o motorista onde eu iria descer. Da para acreditar? I love this place!
A Bibi conheceu um senhor que trabalhava na União Árabe e acabamos indo de carona com ele para o Líbano em alto estilo, de motorista e tudo. Tava engraçado ele de terno e gravata, indo para uma reunião, e nos com as mochilas, de bermuda e chinelo. O cara e muito gente boa e fomos conversando o tempo todo. Bom ver o ponto de vista de um egípcio muçulmano, que viaja todos os países árabes e morou nos EUA. Ainda tivemos um imprevisto na fronteira, por algo que escreveram no nosso passaporte quando prorrogaram o visto, mas o solicito e simpático oficial da imigração resolveu tudo da forma mais rápida possível. Infelizmente isto fez com que nosso amigo se atrasasse para a reunião, mas acho que o bate papo foi proveitoso para os dois lados, então ele não deve ter se importado taanto. Nos despedimos já em Beirute, quando ele foi trabalhar e nos procurarmos um hotel barato para ficar.
Achar um lugar barato para dormir em Beirute é fácil, pois praticamente só existem três ou quatro opções, então você sabe exatamente aonde ir. O próximo problema e que estão sempre lotados. Arrumamos um quarto ate que ajeitado numa pensão, mas o problema e que tinha gente caindo pelas janelas de tao lotada. Dormito rios, camas no terraço, até no corredor e sofás da sala!! Impossível se sentir em casa. Conhecemos um DJ gaúcho que esta morando por ali e deu umas boas dicas da região.
Beirute e moderna, descolada e a primeira vista muito rica. O centro da cidade foi todo reconstruído, pois depois de bombardeiros não sobrou nada. Fizeram uma arquitetura antiga, com jardins e lojas de marca. Muito bonito, glamouroso, mas meio artificial. Mulheres andam com roupas curtas e decotadas, e o numero de “moderninhos” e muito grande. Na corniche, calcadão beira mar, e um desfile de carros, os libaneses gostam de aparecer. Vimos diversas Ferraris, Porches e a quantidade de táxis da Mercedes é incontável! Mas não tem praia propriamente dita. São pedras onde o pessoal usa para mergulhar, pescar ou ate fumar narguilé. Os chiques e famosos usam alguns dos clubes ou marinas, todos estruturados, perfeito lugar para ver e ser visto. No topo de uma colina centenas de pessoas se reúnem para ver o por de sol, com os pingen rocks, pedras que saem do mar, dando todo um charme.

centro reconstruído

visual do cafe no por de sol

beira mar

Existem bons cafés nesta região, onde novamente os libaneses exibem seus brinquedinhos estacionados na frente. O pessoal aqui gosta de comer bem, beber e festar. Alias, festar como se não houvesse amanha, o que ali pode não ser só uma expressão. Ouvimos seguidamente historias de que poderia estourar outra guerra neste verão. Nos avisaram para ficar de olho no porto, se esvaziasse era para nos preocuparmos. Para alguns e só tática dos israelenses para espantar o turismo, que representa grande parte da receita do Líbano. Aproveitamos o embalo e fomos conferir uma das noitadas. Resolvemos encarar a famosa BO18, clube da moda por aqui. Convidamos um americano e uma americana para irem juntos com a gente. Foi engrado, pois ao descer do táxi no estacionamento, andamos meio sem saber onde era, ate apontarem para nos a entrada, que era uma escada no meio do estacionamento. O lugar e embaixo da terra, um bunker. O segurança tentou conferir a lista de convidados, pois não se compra entrada, só entra “a galerinha”. Pior que não tinha roupa de sair, então tava beem largado. Mas pra estrangeiro sempre e diferente, e sendo casal foi mais fácil também. Noitada pegando, muito divertido. O teto se abria de vez em quando, e só dava para ver o céu e alguns seguranças la em cima. Dizem que mais tarde chega muita gente de festas particulares e ficam no estacionamento também. Libaneses e Israelenses podem ter varias diferenças entre si, mas os dois gostam de uma festa e tem mulheres muito bonitas.
Beirute ta toda enfeitada para a Copa, e vimos a estreia do Brasil numa das ruas dos barzinhos. Depois do jogo teve buzinasso e tudo! Aqui também a seleção tem um grade apoio, seguida pela Alemanha. Ao contrario de Damasco, que era uma unanimidade entre os viajantes, encontramos muitas pessoas que não gostaram muito de Beirute. E uma cidade movimentada, moderna e cara, mas nos aproveitamos bastante.
Claro que nem tudo são flores. E um lugar de grande desigualdade social. E fomos conferir essa parte também. Fomos ate o antigo assentamento palestino de Chatila/Sabra, hoje praticamente uma favela, onde ocorreu um massacre um 82. O exercito israelense, ao isolar Beirute e afastar a resistência, isolou este bairro palestino e deixou uma “milicia crista” entrar e matar mais de 2000 civis palestinos. Agora bato na tecla do meu outro post: “Milicia Crista”? Um cristão de verdade faria isto? A mesma coisa dos “atentados muçulmanos”. Isto e religião ou politica?
No ônibus para Chatila conversávamos com uns palestinos quando um viu minha tatuagem e mostrou a sua. Estava escrito “Ali”. Eu comentei com ele que deveria ser xiita, pois Ali era o primo e genro do profeta Maomé, que casou com sua filha Fátima. Ganhei a confiança do cara na hora, valeu a pena ter feito o dever de casa na mesquita! Logo na primeira rua que descemos, ao pedir informações vimos o abismo social que existe no Líbano. O cara nos informava qual parte era de domínio do Hezbollah, Fatah, Hamas e outros grupos. Fomos andando e nas primeiras quadras não nos sentimos muito bem. Eu fiquei meio assim por ter trazido a Bibi, se tivesse sozinho seria diferente. Alem de mal encarados, o pessoal ali eram todos torcedores da Alemanha! Mas não demorou muito para tudo mudar. Entre as bandeiras de Hamas, Fatah, fotos do Arafat e do Templo da Rocha, gigantescas bandeiras do Brasil passaram a aparecer.

Terroristas?

Não eram só as facções politicas que dividiam o bairro, mas também as preferencias futebolísticas. Começamos a conversar com um senhor e logo foi aparecendo gente. Fomos andando e já tinha uma duzia de jovens conosco. Nos convidaram para sentar e tomar um chá, e trouxeram copos do Brasil. Todos estavam com camisetas e faixas da seleção. Ficamos conversando um tempão, falando sobre suas dificuldades por serem palestinos, falta de direitos, mas também de sonhos, desejos e dia a dia. Pessoas do bem, jovens cheios de vida e ideias. Com o tempo, ao se sentirem confortáveis, mostraram fotos deles uniformizados e armados. Era difícil de acreditar, mas fácil de entender. Assim como o soldado israelense que conhecemos la, o pessoal aqui ta cansado de tanto conflito, mas por causa de meia duzia de louco de cada lado, civis continuam morrendo. Nos levaram para caminhar mais, nos deram presentes e não nos deixaram pagar nada, nem o chá. Entramos num café e fizemos a maior bagunça cantando musica do Brasil, tocando bumbo e corneta, muito divertido. Até na hora da foto fiz chifrinho na piazada. Nos escoltaram de volta ate onde pegaríamos o ônibus. Comentaram que o inicio do bairro era meio barra pesada, pois era onde existia o trafico de drogas. Explicaram que os palestinos que se davam bem e iam morar em outros países e meio que esqueciam a “causa”. De certa forma lembravam da frase que o Arafat quando ainda jovem escreveu com seu próprio sangue para o exercito Egípcio: “Don’t forguet Palestine”. Eles já queriam combinar alguma coisa para fazermos no dia seguinte e saber quando voltaríamos lá. Trocamos emails e contatos e saímos com o coração apertado.
Seguindo o roteiro não tradicional, um dia fomos ao sul de Beirute, para Sidam (saida). Não, nossa principal intenção não era visitar esta cidade fenícia citada na Bíblia, com mais de seis mil anos de historia. Faríamos uma conexão la para ir no recém inaugurado museu do Hezbollah. Ao descer no ponto de ônibus a comunicação com os taxistas não era fácil, e não sabiam onde queríamos ir. Ao encontrar um senhor que falava Inglês, ele me perguntou: E acham que vão deixar vocês entrarem? Realmente o lugar era novo, e o pessoal não tinha informações. Ouvimos falar que tinha sido inaugurado a menos de duas semanas. Mas a areá era conhecida, e o motorista cristão ficou fazendo mistério, dizia para não falarmos inglês que era perigoso. Mostrou suas cicatrizes da guerra, mas logo vimos que ele era louco mesmo. De qualquer forma chegar nas montanhas, em área do Hezbollah, nos causou silencio. Bandeiras em todos os postes, alem de fotos dos mártires (homens bomba e heróis da resistência) davam o clima para o lugar. No meio de uma vista magnifica chegamos a um grande estacionamento, com dois ônibus e muitos carros. Na hora deu para ver que logo este lugar vai ser uma grande atracão turística, listada em todos os guias de viagem. Novinho em folha, algumas partes ainda não estão nem abertas ao publico, como a loja de lembranças. A estrutura e perfeita, iluminação, placas em inglês e árabe, água, ate salas para se rezar. Parece que quem construiu foi para a Disney para tirar ideias (hehe, desculpe, não me aguentei!).
Bem, e um museu em céu aberto, na região onde houveram os combates entre os Israelenses e o Hezbollah. Uma forte propaganda mostrando como eles eram a resistência libanesa, e com menos armas e tecnologia conseguiram lutar. Mesmo estilo dos locais que visitamos no Vietnã. Existem bunkers cavados nas pedras, com longos tuneis e material exposto. Armas, tanques e foguetes da resistência alem de material capturado e destruído de Israel. Duas partes chamam muito atenção. Uma especie de furacão, com arcos e muitos tanques e armas de Israel destruídas, junto com capacetes de soldados israelenses, como se fosse um “obra de arte”, e o memorial para os mártires. E uma escadaria bem íngreme, alta, que se sobe com esforço e ao olhar em frente só se vê o céu. Chegando la em cima tem um jardim super florido com a homenagem aos mortos, e tudo cercado pelas belas montanhas. O esforço, sacrifício, céu e paraíso estão evidentes, mesmo não estando escrito em nenhum lugar. Pena não termos conseguido ver o filme que passa algumas vezes ao dia. Uma sala só dedicada a Israel não tinha tradução em Inglês. Acredito que a propaganda devia ser forte. Muitas famílias e turistas árabes, mas acho que logo os estrangeiros vão descobrir. Com certeza valeu a pena.
Hezbollah!

Museu muito bem montado. Ispirado na Disney?rs

Turismo local

Estávamos felizes quando saímos de Beirute para as montanhas no norte do Líbano. Mesmo tendo gostado bastante da experiencia, precisávamos um pouco de paz, ficar longe do barulho e movimento da grande cidade.

Anúncios

Explorando as Ilhas Querimbas

Decidimos que não iriamos de ônibus/ caminhão até a recomendada praia de Pangane, para depois pegar o barco para Ibo, voltando para o Sul. Tinha muito mais lógica subir pelas ilhas e depois voltar para o continente. Ok, mas como fazer isto? Na pousada que estávamos falaram que era complicado e tal. Um dia estávamos explorando a cidade baixa de Pemba, e fomos falar com alguns pescadores. Descobrimos um Dhow (tipo de Jangada) que iria levar mantimentos para pequenas ilhas e depois  navegar ate Ibo. Não tivemos duvida, acertamos com o pescador (mais barato que o táxi de Wimbe para Pemba) e a meia noite já estávamos lá, dormindo no Dhow, esperando a mare certa para iniciarmos a viagem.

Aguardando a saida

Aguardando a saida

As 3 da madruga estávamos partindo, em meio a algas verde fluorecentes (pareciam neon), iluminadas pela Lua. Dormimos poucas horas sobre os sacos de arros e varias bugigangas. O sol nascendo foi um momento a parte, assim como os golfinhos que logo apareceram. Tentei dividir uns pães e amendoins que tinha com a tripulação  mas eles não deram muita bola. Logo percebi porque. Acenderam um fogareiro portátil  prepararam um delicioso chá (servido com pimenta) e aqueceram um pão tipo ” sonho”. Depois de um tempo descobrimos que existia um banheiro improvisado, e rimos muito quando o Samuel utilizou. Passamos por diversas ilhas, algumas muito pequenas, e eramos atracão turística.

Banheiro

Banheiro

Dhow igual ao nosso

Dhow igual ao nosso

Pronto para a chuva

Pronto para a chuva

Desde o inicio da viagem, peguei ” chuva” (chuvisco na verdade, suuuper leve), só dois dias. Um em Cape town e outro em Nampula. Claro que Murphy ia aparecer ali. Nuvens pretas começaram a se formar, e nem o lençol improvisado como vela auxiliar foi suficiente para fugirmos da tempestade. Vento forte fez o Dhow disparar, mas logo chegou a chuva. Quem ta na chuva e para se molhar… Não durou mais que uma hora e meia, e deslizamos sobre ondas que aumentaram consideravelmente de tamanho. Passamos por mais ilhas, contornamos um manguezal ate chegarmos em Ibo, principal ilha do arquipélago  Foi paixão a primeira vista. Totalmente isolada, com seus casarões portugueses espalhados pelas largas ruas. Luz só das 18 as 20, e quando tem gasolina para o gerador. Restaurante? Um ou outro a não ser os das duas “luxuosas” pousadas de franceses. Alias, algumas das ilhas são de propriedade de um árabe  que construiu resorts, com pista de pouso e tudo (como que os turistas ricos chegariam la?). Os poucos dias que tínhamos programado para a ilha principal se transformaram em uma semana, ao descobrirmos que o dia de São João estava próximo  e era o Padroeiro da Cidade alem do aniversario da própria  Com isto teríamos que cancelar a recomendada e isolada praia de Pangane, o  que fiz sem do. Praia bonita tem muita no Brasil, mas aquela ilha era um caldeirão cultural, e com a festa que se aproximava estava melhor ainda. Nunca trocaria os papos de final de tarde com o Sr João Batista (de 82 anos, conselheiro da ilha, que estudou muito e trabalhou com os Portugueses) para ficar largado numa praia bonita.

Ibo!!

Ibo!!

Já no primeiro dia preparamos uma Garoupa de 18 Kg. Deu um trabalhão. Fizemos grelhada, frita e ensopado, como não tem geladeira (eletricidade), comemos, demos para os amigos que já tínhamos feito, e almoçamos no dia seguinte. O peixe custou menos de 30 reais, a mais alguns trocados para os temperos e acompanhamentos. Com a falta de restaurantes tivemos que nos virar, mas sempre preparávamos coisas gostosas. Quando dava preguiça  corríamos para o centrinho e comprávamos peixe frito (vinha enrolado em folha de caderno), salgados, doce de amendoim, pé de moleque, tentáculos de polvo, vários tipos de pães e ” sonho” (na verdade e sem recheio). Eu gostava de comprar os tentáculos de polvo, já com molho apimentado, e misturar com arroz. Teve um dia que fiz uma Caranguejada,   sirizada na verdade. Comprei quase 10 kg para 4 pessoas e cada um tinha direito a 4 siris. Imagine o tamanho do bichinho. Se bem que consegui umas patolas extras.

Garoupa

Garoupa

Patola

Patola

Quer farinha? Tem que moer mandioca...

Quer farinha? Tem que moer mandioca…

Um dia fomos caminhando na mare baixa para a ilha vizinha, Querimba. Foram duas horas de caminhada, no inicio entre mangues e depois por areia. Na mare cheia fica com 4 metros de profundidade em certas partes. Nas outras ilhas, só 20 % da população fala Português  devido a forte influencia dos árabes  Conhecemos um Moçambicano descendente de Alemão que nos mostrou sua impressionante plantação de cocos (exporta para a Tanzânia  que toma grande parte da ilha. Tomamos água de coco, comemos o doce broto que germina dentro do coco de fomos para as praias. Ele contou das dificuldades de se investir no Moçambique  que não era como no Brasil (que visitou a 20 anos atras) onde tudo funcionava, tinha infraestrutura… Da para acreditar?

Querimba

Querimba

Visual

Visual

Teve dias que fomos para o banco de areia da Ilha Matemo, teve dia que fomos fazer mergulho, com uma suuper visibilidade e direito a ver mais golfinhos.

Banco de areia perto de Matemo

Banco de areia perto de Matemo

Mas gostamos mesmo de nos “perder” em Ibo. Com as festas a ilha tava borbulhando. Cheio de gente de outras ilhas, do continente e alguns turistas. Inclusive encontramos os portugueses novamente alem de outras pessoas que conhecemos no caminho. O dia da festa foi uma atracão a parte. Cedo já tinha musica, danças tipicas, e ate o governador do distrito apareceu para falar no palanque. As crianças engomadinhas, nos seus melhores vestidos de festa, com cabelos devidamente arrumados e penteados. Muitas comidas e a noite colocaram ate um telão com filmes de Bollywood, que era o suprassumo para quem não tem nem tv. Alguns cantores e muita festa e bebedeira antes de pular a fogueira. Na verdade, fora o santo a festa não tem nada a ver com o nosso São João (só algumas bandeirinhas). No dia seguinte, dia da independência de Moçambique  já tava tudo mais calmo. Acho que era a ressaca. Moçambique conquistou a Independência só em 1975, quando as forças revolucionarias (Frelimo) chutaram Portugal do pais. Não foi a mesma moleza que no Brasil.

Dia de Festa

Dia de Festa

Sao Joao

Sao Joao

Corrida de Dhow

Corrida de Dhow

Estilos

Estilos

Ibo tb possui alguns fortes e também foi palco de guerras contra os árabes  local de venda de escravos, e região estratégica para os portugueses. Mas e bem diferente da Ilha de Moçambique.

Dificuldade da Independencia estampada na bandeira

Dificuldade da Independencia estampada na bandeira

Casa de Cha

Casa de Cha

Entardecer em Ibo

Entardecer em Ibo

Aqui nao pode!!!

Aqui nao pode!!!

Aqui pode...

Aqui pode…

Vendedoras com as "comidinhas de rua"

Vendedoras com as “comidinhas de rua”

Achamos um Dhow que iria ate a Tanzânia  em 3 dias de viagem. Acertamos com o proprietário e nos despreocupamos. Menos de 10 horas antes de sair ele nos falou de um problema que teve e cancelou. Estava com o tempo contado para chegar a Dar Es Salam (Tanzânia) para esperar a Bibi (primeira dama). Foi uma correria ate achar um barco que sairia de madrugada, fazer diversas  conexões em cruzamentos, primeiro utilizando pau de arara e depois caçambas de caminhonetes. Esta fronteira e uma das mais desafiadoras da Africa, muito cansativa. Região sem estrutura, de pequenas vilas, de onde o Frelimo veio conquistando território ate chegar em Maputo. No caminho fizemos paradas forcadas devido um problema da ultima caminhonete. Em algumas vilas fui cercado, queriam saber como sabia português, se tinha morado em Angola ou em Moçambique. Quando falava que era do Brasil, alguns nem sabiam onde era, um comentou: América do sul, né?! Perguntavam se estava a trabalho, em busca de ouro. Contei do meu trajeto até ali e dos meus planos para o restante da viagem pela África, quando uma pessoa sabiamente comentou: Ah, você viaja em busca de conhecimento então…

Cacamba

Cacamba

E mais cacamba...

E mais cacamba…

Ta com fome?

Ta com fome?

Depois de mais de 12 hs e viagem, chegamos a Mocimboa da Praia. Recebemos o convite que uma pessoa da caminhonete para dormir na casa dele. Ficamos na sala, numa estera de palha. Dia seguinte, perto das 4 já estávamos recolhendo gente na Land Cruise para seguir pela difícil estrada ate a fronteira. Em um momento contei 28 pessoas na caminhonete. Não dava para se mexer. A estrada de terra virou arreia, e foi uma longa viagem. Na hora de carimbar a saída quase tivemos problemas com os guardas (novamente), mas conseguimos se safar. Dai foi só pegar um barco e atravessar para a Tanzânia  Dormimos não muito longe dali, e logo seguiríamos pelo sul da Tanzânia até chegar em Dar Es Salam

Barco na fronteira Moz x Tanzania

Barco na fronteira Moz x Tanzania