Ossétia do Norte – Alânia: Fora da rota turística

A região do norte do Cáucaso possui uma das maiores concentrações de etnias do mundo. De certa maneira isto explica, mas não justifica, a grande quantidade de conflitos na região. São diversos povos, buscando preservar sua cultura, reconquistar seu espaço, buscar autonomia ou proclamar independência. As Alanos (ou norte ossetas), são um povo persa, descendentes dos Citas e dos Sármatas, originários de uma região ao sul do Irã (hoje Sistão-Baluchistão, próximo da fronteira com o Paquistão), que chegaram no norte do cáucaso entre os  seculos 4 e 7. Tiveram influencia dos Bizantinos e muitos se converteram para o cristianismo. Sofreram muito com os ataques dos mongóis e tatars no seculo 13 e no seculo 17 se converteram ao islamismo, sob influencia dos seus vizinhos do Cáucasos. No final do seculo 18, a região da Ossetia do Norte-Alânia passou a fazer parte do império russo. Não muito tempo depois, em 1806, a região onde hoje é a Ossétia do Sul também foi anexada, junto com a Geórgia. Estes poucos anos de cisão geram conflitos até hoje. A República da Ossétia do Norte – Alânia faz parte da Federação Russa, enquanto que a Ossétia do Sul fez parte da Geórgia até poucos anos atrás, quando proclamou (e com ajuda dos russos, conseguiu)  independência. A Ossétia do Sul é mais um dos “Países Que não Existem”, país de facto independente mas com reconhecimento limitado. Devido a queda da barreira, e perda da data acordada para a entrada, toda a programação inicial para visitar a Ossétia do Sul foi por água abaixo. Restava me contentar com porção norte da Ossétia. A situação politica pode ser bem diferente, porem o povo, costumes e até a bandeira são as mesmas!

Havia passado uns dias viajando sozinho pela região de Svaneti, no norte da Geórgia. Quando soube que a fronteira havia sido reaberta, subi toda a Military Highway até bem próximo da fronteira Geórgia-Russia. Em Kazbegi, ultimo vilarejo da Geórgia, reencontrei o Marcelo e conheci dois grandes amigos e parceiros de viagem dele, o Leo e o Khouri. Kazbegi é uma região belíssima, cheia de montanhas nevadas e com ótimas oportunidades de trilhas. Devido ao fácil acesso por estradas, é um dos principais destinos turísticos de montanha da Geórgia. Mas eu vinha de montanhas ainda mais incríveis, então meu foco era outro. Esta fronteira Geórgia-Russia era fechada para estrangeiros até poucos anos atrás. Hoje não apresenta grandes problemas, ainda mais para brasileiros, que não precisam mais de visto para a Russia. Mas não pense que é tão fácil assim. Não existe transporte público até o outro lado, tampouco até a fronteira. As únicas possibilidades são alugar um táxi ou ir de carona. Também não é possível atravessar a fronteira a pé, tem que estar com um veículo.

Como estávamos em quatro pessoas, não ficou caro para contratar um motorista para nos levar até Vladikavkaz, capital da Ossétia do Norte-Alânia. Eram somente 35 km, mas nosso motorista teria que fazer todo o tramite de fronteira e voltar. Mal sabíamos o grande negocio que estávamos fazendo!

Military Highway

Military Highway sem transito. Nesta foto também sem as montanhas que chegam a bloquear a visão de tão proximas.

Saímos bem cedo, e a estrada é incrível, como que cortando as montanhas. Alguns cânions e tuneis e logo pudemos observar  maquinas trabalhando para liberar as pedras do desmoronamento. As filas de carros iniciaram e descemos para o moderno centro de controle de passaportes georgiano. Muita fila, ou melhor, tumulto. Nada de cavalheirismo, era lei da selva mesmo, onde os mais fortes passavam na frente e atingiam o seu objetivo: sair da Geórgia. A funcionaria da imigração vasculhou meu passaporte buscando o visto russo. Expliquei que não precisávamos e já me preparava para um longo discurso quando ela deu de ombros, como quem dizia, “o problema é teu”!

O nosso motorista já tinha furado a fila dos carros e nos esperava ansioso para partir. Nesta terra de ninguém, já estávamos agradecendo ele, mas nem imaginávamos o que vinha pela frente. Algumas curvas para frente e o transito parou completamente. Na pista para um carro já tinham dois. O nosso motorista, Zico, só deu uma piscadinha e foi avançando na pista contraria. Parava para falar com algumas pessoas que o orientavam. Parecia ter uma ordem dentro daquele caos. Aparentemente esta ordem estava ao nosso favor. Ao furar a fila, poucos contestavam, e quando acontecia, já vinham pessoas defender o Zico. Era como se uma mafia comandasse tudo ali. Qualquer possibilidade, qualquer milimetro possível para embicar na frente de outro carro o nosso motorista ia sem pensar. Em um certo momento  já ocupavam toda a pista no sentido contrario. Os carros da Russia não podiam avançar, e dar ré parecia impossível. Apareceram alguns policiais e antes que a coisa complicasse, depois de muita manobra e negociações, conseguimos um lugar na fila propriamente dita. Com certeza economizamos horas de viagem somente naquele pequeno trecho, pois muitos carros não se moviam. Foi aquele alivio de ter seguido com um carro, ainda mais com o Zico, e não de carona.

Estrada congestionada nas duas pistas

Estrada congestionada nas duas pistas. Os russos estavam tentando vir no outro sentido.

No posto de controle da Russia, pareciam não saber se precisávamos de visto ou não. O Zico falava bem pouco inglês, mas de certa forma acabava nos ajudando. Nós soltávamos uns “Brasil, Russia Friends! No visa! BRICS, BRICS. Piting and Dilma!”haha “Tourists, Excursion, after back to Georgia”… Deu certo!

Imigração russa

Imigração russa e bielorrussa. Interessante que brasileiros precisam de visto para a Bielorrússia, mas não existe controle na fronteira Russia-Bielorrússia.

Para percorrer os 35 quilômetros entre Kazbegi e Vladikavkaz demoramos umas três horas e meia. Chegamos na capital da Ossétia do Norte – Alânia passando por memoriais de guerra, tanques antigos e edifícios estilo comunista. Eu confiante dizia que o Zico poderia somente nos deixar próximo a estação de trem que nos viraríamos. Como percebemos a dificuldade e movimento da fronteira, tentamos já deixar agendado a nossa volta. O Zico parou perto de uns carros e chamou um amigo dele. Paramos para conversar e tentar acertar a data de volta e um preço justo. Neste meio tempo saí para olhar o a cidade, sentir o clima da região. Discretamente eu e o Marcelo tiramos umas fotos, mas isto não terminou bem.

Vladikavkaz

Vladikavkaz

Vladikavkaz

Chegada em Vladikavkaz

Vladikavkaz

Ultima foto antes de ir parar na delegacia

Vladikavkaz

Vladikavkaz

Não demorou muito até um policial se identificar e pedir nossos passaportes. Fez uns telefonemas e apareceu mais um carro cheio de policiais. Queriam saber o que estávamos fazendo ali e quais eram nossos planos. Coitado do Zico, que estava louco de vontade de voltar para a Geórgia. Teve que ir conosco até a delegacia. Entramos, passamos em frente das celas e numa pequena mesa entregamos nossos passaportes e respondemos uma ou outra pergunta. O Zico assumiu a situação e conversava com os policiais. Um bêbado tentava interagir conosco e incomodava os policiais. Ficava entrando e saindo da cela onde tirava umas sonecas e cuspia como se tivesse tirando o pulmão pela boca. Os policiais não gostaram muito, mas não deixou de ser uma atração para nós, já que ficamos um bom tempo lá. Tivemos que nos segurar para não rir varias vezes.

Chegamos na Ossétia na semana do aniversário de dez anos do massacre de Beslan, onde terroristas inguches fizeram mais de 1200 pessoas reféns numa escola, e mataram 334, muitas delas crianças. Não sabíamos se suspeitávamos que eramos jornalistas ou algo do tipo. Já estávamos cansados, quando um oficial nos entregou os documentos e fez uma cara de “aproveitem!”. Sabia que na Russia o registro era necessário, e achei que de certa forma havia sido bom, pois isto já estaria feito. Aceitamos quando o Zico se ofereceu para nos levar até o hotel. Eu tinha anotado o nome de um hotel barato (8 usd por pessoa), Общежитие КЭЧ,  e sabia que ficava na esquinas das ruas Karl Marx e Kirov, só isto. Nos surpreendemos quando a antipática senhora que cuidava da recepção negou a nossa estadia lá. “No Tourist!” Tourist problem”, ou algo do tipo, nosso motorista/amigo/interprete traduzia. Também tinha anotado o nome de uns hotéis disponíveis na internet, mas eram caros, somente para uma emergência. Fomos para ferroviária. Em qualquer lugar do mundo existem hotéis baratos perto da ferroviária. O que encontramos não era nem um pouco bom e nem tão barato assim, mas atendia as nossas necessidades. No quarto tinha um papel de parede descascado, um cheiro de mofo e mobilhas da época do Stalin. Por outro lado na recepção havia até wifi. Não pretendíamos gastar tempo no hotel e o Zico estava de partida, então decidimos ficar ali mesmo. Utilizaríamos como base para explorar a região, evitando ter que viajar para outras republicas e ficar procurando hoteis. Descobrimos que nosso “registro” na delegacia não valia para o hotel, e eles tiveram que fazer outro.

Acreditem, era bem pior que a foto

Nosso hotel era estilo apartamento, eu fiquei na sala – um luxo!

Registro

Novo registro, mesmo depois de ter passado horas na delegacia

Antes de voltar para a Georgia o Zico nos deixou num pátio de onde saem as marshrutkas (lotações), algo como uma “rodoviária”. Nos despedimos e agradecemos muito toda a ajuda que recebemos! Fui tentar entender o preço e os horários do microonibus que iria para Grosny, capital da Republica de Chechênia. A Comunicação era precária, mas dava para ter uma ideia do que estava acontecendo. Enquanto isto o Leo e o Khouri foram pegar informações com uma senhora num guichê. Não sei como seria se eu tivesse viajando sozinho, ou só com a Bibi, mas em quatro pessoas parecia que chamávamos muito a atenção. Policiais viram a movimentação e se aproximaram. “Passport” um deles dizia. Pronto, iniciava mais um longo interrogatório (quando eu digo longo, é muito longo mesmo!). Depois de recolherem nossos passaportes, fizeram uns telefonemas. Apareceu um oficial a paisana que falava umas palavras em inglês. Logo apelidamos ele de “KGB”. Pensamos melhor e achamos que ele poderia entender, então alteramos o nome dele para “Robocop”.

Respondíamos uma ou outra pergunta, enquanto o Robocop recebia instruções pelo telefone. Quando questionado se já havia visitado a Russia o Marcelo teve que falar que sim. O Robocop ficou muito intrigado e queria saber onde tinha ido, se tinha amigos russos… Ficava repetindo perguntas para ver se o Marcelo se contradizia. Calmamente o Marcelo explicava que fazia mais de 25 anos que tinha visitado Moscou e São Petersburgo, que pouco lembrava da viagem. Convencido, o Robocop agora queria saber detalhes da nossa viagem. Comentei que pegaríamos um ônibus e atravessaríamos a Republica de Inguchetia, até a Chechênia, onde pretenderíamos visitar Grosny. “Tourist, excurssion”, repetíamos. Eles se convenceram, e depois de repetir tudo o que faríamos, nos liberaram. Eu ainda tentei pegar o telefone no Robocop. Ele ameaçou dar, mas quis saber porque. Eu gesticulava e tentava explicar que se algum outro policial nos parasse, pediria para ligar para ele. Assim não perderíamos tempo e simplificaríamos as coisas. Ele se negou. Teríamos que se virar sozinhos.

Nos reunimos rapidamente e decidimos mudar de planos. Havíamos perdido muito tempo com todos estes interrogatórios. Estávamos chamando muito a atenção, e poderíamos ter mais problemas. Fui negociar com um táxi para nos levar até Grosny. Depois de algumas contra propostas e muitos números riscados num papel amassado, chagamos num acordo. Chamei o pessoal e entramos no carro. Imediatamente o Robocop sai de um carro de onde nos observava de longe. Se aproximou e questionava: “Vocês não iam de ônibus..?” Santa burocracia! Uma pequena mudança nos planos parecia absurda para ele. Novas explicações, anotou até o nome do hotel onde estávamos e nos liberou.

Era somente nosso primeiro dia no Cáucaso russo e já estávamos exaustos. Por outro lado tudo isto indicava que estávamos viajando bem longe da rota turística e muitas surpresas estavam por vir!

Memorial de Guerra

Memorial de Guerra

 

Anúncios

Republica Shqiperia e um novo pais!

Alguem gosta de ler Brazil com “Z”? Que tal Brasile, Bresil ou Brasilien? Todo mundo quer o Brasil assim como chamamos no nosso pais! Por isto o titulo: Republica Shqiperia, a forma como os Albanese chamam o seu pais! A lingua albanesa vem dos ilirios (assim como o proprio povo) uma das grandes potencias europeias do passado. E um povo muito orgulhoso (nao tanto quanto os macedonios, que chegam a “niveis argentinos”) e citam facilmente nomes dos albaneses que foram Papas, lideres Otomanos e pessoas importantes na politica mundial atual. Foi um pais fechado, muito fechado, um comunismo fortissimo, que chegou a romper com a Iuguslavia, URSS e China por achar que eles estavam pegando leve. Durante muito tempo foi o pais mais pobre da Europa, e todo o isolamento parece ainda nao ter acabado. Dizem que 9 entre 10 mafiosos do mundo sao albaneses, inclusive na Italia!

Mesmo com a pouca frequencia e falta de transporte da Macedonia para a Albania, nossa viagem foi super tranquila. O candidato a Dervishe (Hussem), veio com um motorista nos buscar em Ohrid, e nos levou ate a fronteira, onde o Baba estava nos esperando. Toda historia comecou quando ainda estavamos em Tetova, e falamos que iriamos para a Albania. O Baba não gostou quando falamos que iriamos sozinhos e de onibus. Preocupacao tipo de pai. Ele afirmava que um pais que não teve religiao por tanto tempo não tinha coracao, e de nada adiantou narrarmos diversas das nossas aventuras em outros paises. Para ele, que viveu a repressao, a questao da Albania e incomparevel. Como ele vai todas as semanas para la, para cuidar dos monasterios, dar consenhos, fazer vizitas e trabalhar, se ofereceu para nos mostrar o pais. Claro que aceitamos, pois teriamos uma outra perspectiva. Ainda perto da fronteira, proximo ao lago Ohrid, mas do lado albanes, paramos na primeira Tekke, e o Baba se mostrou muito abil com as plantas arquitetonicas da reforma e comandando o pessoal. Depois de outras paradas, chegamos a Korca, uma cidade um pouco maior da regiao, onde nos hospedariamos. La nos despedimos deles, pois tinham que ir a outros Tekkes alem de encontrar com mais pessoas. Ficamos com um motorista a nossa disposicao, alem de estarmos num dos melhores hoteis da cidade. Insisti em pagar, mas nao deixaram. Na verdade eles tambem nao estavam pagando, eram trocas de favores, e como existem muitos bektaishis na Albania, vimos que nao teriamos muito o que nos preocupar. Ainda fomos ate Voskopoja, vila que ja foi uma importante cidade dos Balcas, onde existem duas duzias de igrejas, monasterios, alem de casas de pedra e um clima que nada nos lembrava a Europa, pelo menos nao a dos dias de hoje.

Auto estrada europeia!!

A europa nao e so Paris...

Este clima nao mudou nos primeiros dias de viagem. Seguimos por uma pequena estrada, sem acostamento, passando pelo meio de altas e impressionantes montanhas, com campos, pastores e regioes extremamente rurais. Pequenas vilas, e uma ou outra cidade, como Erseka e Permeti, que mesmo assim nao tinham nem meia duzia de ruas paralelas. O que nao faltavam eram os antigos blocos de apartamentos comunistas e estatuas de altos e fortes soldados, mostrando que a “propaganda” nao era fraca. Ao lado da estrada centanas de “bunkers iglus” estavam colocados em posicao estrategicas. Em todo o pais chegou a ter 700.000 bunkers destes, sendo que a populacao da Albania chega somente a tres milhoes de pessoas. Feitos de concreto pesado, teriam sido bem mais uteis se utilizados para a infraestrutura do pais, mas hoje estao abandonados parecendo mais como OVNIS. No mapa a viagem parecia que seria curta, mas devido a tantas montanhas, eram muitas curvas e sobe e desce, portanto foi bem demorado. Mas adoramos, um super visual!! Dormimos em Girocastra, antiga cidade (da Unesco), com suas casa de telhado de pedra e arquitetura tipica, alem de um grande forte no topo de uma montanha. Tinha um guia nos esperando (bektaishi e claro) e nada de pagar entradas nem hotel! Tiramos varias duvidas, aprendemos sobre a regiao e visitamos a casa onde morou o Hoxha, ditador da Albania por mais de 40 anos. Pegamos uma praia em Saranda, lugar que poderia estar na Grecia, e na verdade quase esta. Enseada em forma de ferradura, mar adriatico, bem astral, quase na frente da ilha grega de Corfu. Ficamos algumas horas ali, e ainda fomos mais para o sul, no Parque nacional de Butrini, que tambem e da Unesco. La existem restos de cidades que um dia foram dos Ilirios, Romanos, Gregos, Otomanos e por ai vai. Tinha mais turista de cruzeiros de navios do que pedra sobre pedra dos sitios arqueologicos. Iniciamos nossa subida rumo a Vlora, por um litoral todo recortado, cheio de curvas e uma super subida numa montanha que tinha uma otima vista. Viagem gostosa, do lado voltado para o mar era quase so pedras e bunkers e do outro tinham florestas de pinus cobrindo de verde todas as montanhas.

Bunkers por todos os lados!

Girocastra

Mar Adriatico

Vlora nao nos seduziu. Cidade praiana movimentada, feiona, onde foi proclamada a independencia do pais em 1912. Incrivel a quantidade de bandeiras dos EUA em todo o pais. Sao os grandes aliados da Albania, desde a independencia, e depois do comunismo, e claro. Outra mania nacional sao as casas de apostas. Sao como casinos, mas basicamente para jogos esportivos. Tem em tudo que e canto! A proxima parada foi em outra cidade da Unesco, Berati. Provavelmente um dos lugares que mais gostamos da Albania (tirando a parte da natureza). Cidade antiquissima, com diversos bairros, arquitetura, igrejas e mesquitas por todos os lados. Mais uma fortaleza na montanha (viraram piada, pois quase toda cidade tem!), mas esta tem dentro um bairro onde as pessoas ainda moram nos casaroes antigos. Comemos um carneiro com iugurte ao forno sensacional. Na praca principal, uma igreja de um lado e uma mesquita do outro. As religioes parecem se darem bem aqui, e ate se dao, mas o problema e que nao tem forca nenhuma. Com tantos anos de proibicao, hoje poucos sao religiosos.

Berati

50 anos sem direito a propriedade! Agora 7 a cada 10 carros sao Mercedes!!

Dentre suas andancas pelos monasterios da Macedonia, Kosovo e Albania, encontramos com o Baba novamente e fomos juntos ate o Monte Tomori, local sagrado para os Bektaishis. Mais um monasterio esta em reforma la, e a 2500 metros e o mais alto do pais. No topo da montanha tem uma “capela” para um dos Imans muculmanos. Na mesma caminhonete que estavamos, foi uma ovelha amarrada, que logo descobrimos que seria oferecida para sacrificio. Ela foi degolada, e depois do sangue escorrer, um pouco foi passado nas nossas testas, seguido de oracoes. A carne nao e desperdicada, e cada parte e doada a um grupo da sociedade. A carne de ovelha estava saborosa, mas pareceu estrana depois de ter presenciado o sacrificio da “prima” dela…

Sacrificio

Com o Baba

Vista do Monte Tabor

Demos uma esticada ate Tirana, com paradas em Durresi e outros lugares para o Baba se encontrar e orienter pessoas. Desde doentes ate pessoas que necessitavam de conselhos espirituais. Nao preciso nem falar que todo o tempo de viagem que tinhamos com ele aproveitamos bastante para conversar sobre o assunto. Tirana tem uma mistura interessante, com predios de colonia Italiana ao lado dos monstros comunistas. La nos despedims do Baba que nao parou, eram quase meia noite quando nos deixou num hotel e seguiu viagem por mais algumas horas ate seu proximo destino. Fomos ate Kruja, outra cidade antiga, com forte, e que uma familia estava nos esperando para mostrar a regiao e onde tivemos um super almoco. Acabamos ate recebendo um convite para o casamento antes de irmos embora. Aprendemos um pouco mais sobre o Skanderbeg, heroi Albanes, que depois mais de 20 anos como soldado escravo dos otomanos se rebelou e desertou, para voltar e proteger seu pais. Mais algumas cidades e fortes, mas so de passagem. Mesmo em Shkodra, que parecia interessante, acabamos nao explorando muito. O final de tarde se aproximava, e a estrada ate a fronteira com Montenegro era demorada e esburacada. Nos despedimos do simpatico motorista (cristao ortodoxo) que nos acompanhou, e deixamos uns presentinhos para todos. Inicialmente era para termos so passado pela Albania, mas acabamos estendendo nossa estada.

A Tirana italiana...

e a Tirana Comunista

Predio velho, pintura nova!

Propganda

Montenegro e um dos paises mais novos. Ate pouco tempo fazia parte da Servia-Montenegro, que nada mais era que a Iuguslavia, depois de ter perdido Eslovenia, Croacia, Bosnia e Macedonia. Sabiamos que era um pequeno pais, com magnificas paisagens naturais, mas nos surpreendemos com a sua rapida caminhada para a Uniao Europeia.

Mesmo sendo uma fronteira da Europa, e ate que desafiadora. Nada de transporte publico, e uma estradinha vagabunda. O oficial da imigracao de Montenegro estava com dor de barriga ou bravo por causa da profissao de sua mae, e nao foi nem um pouco simpatico. A noite ja chegava, e nao tivemos outra opcao a nao ser esticar o dedao e pedir carona. Vantagem que com a parada para mostrar passaportes, ja tinhamos selecionado alguns carros, e tentato conversar com alguns deles.

Um cara muito simpatico iria ate 10 km antes de Podgorica, capital e nosso destino. Ao chegar em sua cidade, acho que se comoveu, e sabia que nao teria onibus no dia, e nos levou ate Podgorica. Ate iamos ficar la, mas quando vimos a qualidade do quarto que estavam nos oferecendo por um preco nem tao amigo assim, resolvemos emendar a viagem ate a Baia de Kotor, onde teriamos um descanso merecido. Chegamos em Kotor ja era quase uma da manha, e para agravar, e epoca de carnaval la. O pessoal na rua, festando, e nos com as mochilas, procurando algum lugar para dormir. Sabiamos que nao achariamos o melhor lugar, entao caminhamos para dentro da cidade velha murada, andamos pelos corredores estreitos e pegamos a primeira opcao que nao estava lotada, para procurar um lugar com calma no outro dia.

Ficamos novos depois de uma longa noite de sono. Nem parecia que estavamos tao perto do “carnaval” deles. Saimos a procura de uma casa, e conseguimos mais um “achado” daqueles. Como temos sorte com isto. Uma casa bem perto da cidade velha, mas num lugar super calmo. Um jardim com arvores frutiferas, e uma varanda coberta com um “parreiral de kiwi”, onde tomavamos cafe da manha todos os dias. Descobrimos uma pequena praia, e nossa rotina foi praia-casa-praia, durante uns dias, esquecendo que estavamos perto da cidade antiga. A bahia de Kotor e cercada por altas montanhas, dando todo um contorno diferente. Inacreditavelmente navios de cruzeiros chegam ate ali, e o movimento era grande por isto.

Tudo aqui ja foi parte dos venezianos, portanto o carnaval deles e mais original que o nosso.

Um final de tarde, depois de andarmos pela cidade, resolvi enfrentar a caminhada ate o topo de uma montanha, acampanhando as muralhas da cidade, onde existe um antigo forte. E uma boa caminhada, mas a vista vai melhorando a medida que se sobe, o que e um otimo incentivo. La de cima e que se tem ideia da dimensao dos fiords, e a (maravilhosa!) vista fica completa. Fiquei la ate quase o anoitecer, e na descida as badaladas dos sinos das igrejas davam o clima para o lugar. Em outro dia subi novamente, mas desta vez com a Bibi. Andamos mais pela cidade velha, que e muito pequena, entao acabavamos dando voltas e voltas pelos mesmos lugares. Para acalmar o calor, so na base de sorvete e cerveja.

Kotor Bay

A algum tempo atras tivemos que marcar nossa passagem de volta. Como vamos utilizar milhagem, nao tivemos muita opcao, entao nos restou antecipar um pouco a volta. Com isto Kosovo e Servia estavam descartados, pois mesmo que fosse rapido tirar o visto, perderiamos um tempo precioso de final de viagem. Queriamos ir para o parque nacional de Durmitor, no norte de Montenegro, mas ao descobrir que tinha um onibus direto para Sarajevo de Kotor, achamos melhor ir para a Bosnia-Herzegovina e deixar o norte do pais para a proxima viagem para a regiao, junto com o que faltou dos Balcas. Apesar de na placa da rodoviaria mostrar dois horarios, so queriam me vender para o primeiro deles, nao adiantou insistir. Era complicado, pois chegariamos no meio da madrugada, mas nao tivemos o que fazer. Depois de aproveitarmos nosso ultimo dia, fomos para a rodoviaria, e nos surpreendemos ao saber que nosso onibus estava lotado! Tiraram nossas mochilas do bagageiro e foram embora nos deixando com os bilhetes na mao. Simples assim! Uns noruegueses falaram que o mesmo aconteceu com eles dias antes. Achamos que teriamos que esperar o outro dia, quando o pessoal achou uma solucao depois de alguns telefonemas. Nos colocaram no onibus mais tarde, aquele que eu nao quiseram me vender a passagem. De quebra me devolveram um pouco do dinheiro, pois era mais barato!! Que beleza!

Sírio-libanês!?

No Brasil usamos muito o termo sírio-libanês, como se fosse uma só coisa. Não e nenhum preconceito, nem desconhecimento, assim como kibe e esfirra eles estão sempre juntos, mas são diferentes. A verdade e que a imigração para o Brasil ocorreu ainda no seculo 19, quando ainda não existiam as nações independentes de Síria e Líbano.
Brasileiro não costuma vir muito para esta região (a não ser os que tem descendência sírio-libanesa). Já viajantes de outros países se assustam pelas (não) recomendações de seus governos, tratando a região como áreas de risco. Envolvimentos de Sírios no 11 de setembro; a invasão e guerra de Israel no Líbano em 2006, fizeram o turismo despencar. Uma pena para a economia local, mas uma tranquilidade para quem vem para cá. A cultura e tradição de Damasco, a modernidade de Beirute, mereceriam uma atenção maior das pessoas que planejam uma próxima viagem, e isto que estou falando só das capitais. Sem falar da simpatia do povo, e da deliciosa culinária, que vai muito alem de kibe e esfirra… Você vai escutar Habibi, Habibi toda hora, e não e a cadeia de restaurante e sim algo como “querido”, e “Pão Sírio” aqui se chama só “pão” (Gi, esta foi pra vc)!!
Da fronteira de Israel/Palestina fomos ate Amã, onde só fizemos uma conexão e seguimos para a Síria. As informações sobre vistos na fronteira novamente eram contraditórias. Na internet e guia, falava que tinha que tirar com antecedência, mas pessoas que encontrávamos falavam que dava para tirar na hora. Foi super rápido, e logo estávamos em território sírio. Pouco depois, olhando o visto que e todo em árabe, observei escrito 3 jours bem pequeno. Acho que porque falei que íamos para o Líbano e voltaríamos para a Síria, acharam que não ficaríamos muito em Damasco. A comunicação nunca e clara, então acontece estas coisas.
As opções de hotel baratos ficam muito próximas uma da outra, alem de perto da cidade velha, o que facilita muito. Ficamos num hotel que e um casarão antigo, com um patio interno super gostoso. Paredes com pinturas e decoração tipicas, poltronas e sofás com narguilés estrategicamente posicionados. Placas proibindo o consumo de álcool mostravam que a religião e levada a serio. As pequenas ruas ao redor faziam quase que uma barreira das avenidas, transito e poluição dos arredores. A região e cercada de cafés, sempre lotados de sírios. Com o inicio dos jogos da copa, o movimento que já era grande aumentou um monte. As centenas de bandeiras do Brasil espalhadas pela cidade tinham uma concorrência: bandeiras da Alemanha. Mesmo em menor numero, deu para ver que o apoio para eles não era pequeno.
Falam relativamente pouco inglês na Síria, então ao nos informarmos onde era a imigração para prolongarmos nosso visto acabamos indo em um lugar errado. Ate descobrir que não era la demorou um pouco, pulando de escritório em escritório, ate encontrar alguém que falava francês, pois inglês tava difícil. Descobrimos o lugar correto, e daí foi só encarar a burocracia. Paga uma pequena taxa, compra selo, tira fotocopias, leva papelada numa sala, volta para outra, fica em filas que se misturam para passar por 3 mesas numa pequena sala, carimba, vai em outra sala, pega assinatura, pula de mesa em mesa novamente (não em forma sequencial), muuita burocracia e tudo da certo no final. Era de rir.
Damasco e uma das mais antigas cidades constantemente habitadas do mundo. De 5 a 7 mil anos antes de Cristo já tinha gente vivendo por aqui. A cidade velha e muito legal. Murada, com seus mercados, ruas estreitas, mesquitas, ruínas romanas, igrejas, tudo muito vivo. Nada montado para os turistas, e sim para o dia a dia. Seguimos as filas para experimentar os deliciosos sorvetes locais, e andamos por tudo ao longo dos dias.
A mesquita Umayyad, fica não muito longe da entrada. Um antigo templo romano, que virou uma Basílica Bizantina, e depois da expulsão das cruzadas da região se transformou na mesquita. Muito bonita, com seu patio gigantesco, mosaicos e torres. As mulheres precisam colocar um roupão para se cobrirem e a Bibi teve que seguir as regras. Na sala de orações tem um lugar onde dizem estar a cabeça do São João Batista. Deve ser desde a época da Basílica Bizantina, se bem que ele é um profeta para o islamismo também. Em outra parte da mesquita estão os restos mortais de Husseim, importante muçulmano, neto do profeta Maomé. Um simpático iraniano matou nossa curiosidade. Por falar em heróis, existem tum ulos de alguns heróis das guerras contra as cruzadas por aqui, entre eles o Saladim.

Cidade velha de Damasco

Mesquita Umayyad

Aproveitei que a Bibi ficou estudando naquele lugar chato que descrevi do hotel, e sai para desvendar um pouco mais da cidade velha. Lojas de tempero com cascos de tartaruga, estrelas do mar e outras coisas esquisitas penduradas. Tentei perguntar o que era e já queriam empacotar para mim. Acabei parando no meio de uma mesquita Xiita, muito bonita, toda decorada e com grandes lustres. Tava tendo pregação em alguns pátios e fiquei observando. Um senhor se aproximou falando um inglês perfeito, e aproveitei para entender um pouco mais da diferença dos xiitas e sunitas (principais ramificações do Islamismo).

Patio do nosso hotel

Dentro de uma mesquita xiita

Macumba?!

Fui no bairro cristão, primeiro sozinho e depois com a Bibi. Andamos aleatoriamente pelos corredores, explorando a região. Existem algumas passagens da Bíblia que ocorreram por aqui e fomos conferir. Visitamos uma casa damasense do seculo 18, que foi transformada em museu. A Bibi também deu a olhadinha dela nas lojas, e a tranquilidade dos vendedores surpreende. Jogam o preço la em cima, esperando que você negocie, mas não são nada insistentes. Se falar que vai dar uma olhada em outros lugares eles ate te incentivam, agradecem e pedem para você voltar (e e claro que sempre tem coisa mais barata para frente). O povo e super simpático, e de varias maneiras achamos parecido com o povo brasileiro. A expectativa era grande, pois só ouvíamos falar maravilhas do lugar, e não nos decepcionamos. E daqueles lugares difíceis de ir embora. A cidade e grande, bagunçada, meio caótica, mas parece pura, tem personalidade. Conhecemos dois jornalistas brasileiros, Mauricio e Wilian, que estão viajando a quase um ano e mandando matérias para o Brasil. Aproveitamos para falar bastante em português, falando do Brasil, mundo e de nossas vidas e escolhas. Muito gente boa, fomos jantar juntos quase todos os dias.
A Bibi resolveu não encarar a ida ate Palmira, ruínas romanas que ficam no meio do deserto, já próximo ao Iraque. Na verdade já pertenceu a diversos povos antes dos romanos, e era estrategicamente muito importante para as caravanas que passavam por ali. São umas três horas de viagem, e escutei novamente o quanto o mundo foi injusto com o Iraque, assunto muito comum na Jordânia também. A cidade em si e pequena e empoeirada. Quente, muito quente. Com certeza a temperatura passava dos 40 graus. Andei sozinho pelas ruínas da cidade, um dos principais locais de visitação da Síria.

Palmyra

Fui comer alguma coisa e me proteger do sol. Por sorte tava tendo jogo da Argélia, único time árabe da copa, portanto com a torcida de todos. Me diverti. Ainda encontrei os jornalistas brasileiros com quem passei um tempo. Fui num castelo em cima de uma montanha, local com uma vista impressionante de toda a região. Infelizmente tava meio nublado esta hora, e vi que o por do sol não teria nada demais. Resolvi encarar as 3 horas de viagem para ficar com a Bibi. Chegando na rodoviária taxistas me cercaram. Ao falar que queria pegar um ônibus, não se opuseram nem insistiram. Um deles me levou pela mão e andou ate o ponto me mostrando qual ônibus pegar, além de falar para o motorista onde eu iria descer. Da para acreditar? I love this place!
A Bibi conheceu um senhor que trabalhava na União Árabe e acabamos indo de carona com ele para o Líbano em alto estilo, de motorista e tudo. Tava engraçado ele de terno e gravata, indo para uma reunião, e nos com as mochilas, de bermuda e chinelo. O cara e muito gente boa e fomos conversando o tempo todo. Bom ver o ponto de vista de um egípcio muçulmano, que viaja todos os países árabes e morou nos EUA. Ainda tivemos um imprevisto na fronteira, por algo que escreveram no nosso passaporte quando prorrogaram o visto, mas o solicito e simpático oficial da imigração resolveu tudo da forma mais rápida possível. Infelizmente isto fez com que nosso amigo se atrasasse para a reunião, mas acho que o bate papo foi proveitoso para os dois lados, então ele não deve ter se importado taanto. Nos despedimos já em Beirute, quando ele foi trabalhar e nos procurarmos um hotel barato para ficar.
Achar um lugar barato para dormir em Beirute é fácil, pois praticamente só existem três ou quatro opções, então você sabe exatamente aonde ir. O próximo problema e que estão sempre lotados. Arrumamos um quarto ate que ajeitado numa pensão, mas o problema e que tinha gente caindo pelas janelas de tao lotada. Dormito rios, camas no terraço, até no corredor e sofás da sala!! Impossível se sentir em casa. Conhecemos um DJ gaúcho que esta morando por ali e deu umas boas dicas da região.
Beirute e moderna, descolada e a primeira vista muito rica. O centro da cidade foi todo reconstruído, pois depois de bombardeiros não sobrou nada. Fizeram uma arquitetura antiga, com jardins e lojas de marca. Muito bonito, glamouroso, mas meio artificial. Mulheres andam com roupas curtas e decotadas, e o numero de “moderninhos” e muito grande. Na corniche, calcadão beira mar, e um desfile de carros, os libaneses gostam de aparecer. Vimos diversas Ferraris, Porches e a quantidade de táxis da Mercedes é incontável! Mas não tem praia propriamente dita. São pedras onde o pessoal usa para mergulhar, pescar ou ate fumar narguilé. Os chiques e famosos usam alguns dos clubes ou marinas, todos estruturados, perfeito lugar para ver e ser visto. No topo de uma colina centenas de pessoas se reúnem para ver o por de sol, com os pingen rocks, pedras que saem do mar, dando todo um charme.

centro reconstruído

visual do cafe no por de sol

beira mar

Existem bons cafés nesta região, onde novamente os libaneses exibem seus brinquedinhos estacionados na frente. O pessoal aqui gosta de comer bem, beber e festar. Alias, festar como se não houvesse amanha, o que ali pode não ser só uma expressão. Ouvimos seguidamente historias de que poderia estourar outra guerra neste verão. Nos avisaram para ficar de olho no porto, se esvaziasse era para nos preocuparmos. Para alguns e só tática dos israelenses para espantar o turismo, que representa grande parte da receita do Líbano. Aproveitamos o embalo e fomos conferir uma das noitadas. Resolvemos encarar a famosa BO18, clube da moda por aqui. Convidamos um americano e uma americana para irem juntos com a gente. Foi engrado, pois ao descer do táxi no estacionamento, andamos meio sem saber onde era, ate apontarem para nos a entrada, que era uma escada no meio do estacionamento. O lugar e embaixo da terra, um bunker. O segurança tentou conferir a lista de convidados, pois não se compra entrada, só entra “a galerinha”. Pior que não tinha roupa de sair, então tava beem largado. Mas pra estrangeiro sempre e diferente, e sendo casal foi mais fácil também. Noitada pegando, muito divertido. O teto se abria de vez em quando, e só dava para ver o céu e alguns seguranças la em cima. Dizem que mais tarde chega muita gente de festas particulares e ficam no estacionamento também. Libaneses e Israelenses podem ter varias diferenças entre si, mas os dois gostam de uma festa e tem mulheres muito bonitas.
Beirute ta toda enfeitada para a Copa, e vimos a estreia do Brasil numa das ruas dos barzinhos. Depois do jogo teve buzinasso e tudo! Aqui também a seleção tem um grade apoio, seguida pela Alemanha. Ao contrario de Damasco, que era uma unanimidade entre os viajantes, encontramos muitas pessoas que não gostaram muito de Beirute. E uma cidade movimentada, moderna e cara, mas nos aproveitamos bastante.
Claro que nem tudo são flores. E um lugar de grande desigualdade social. E fomos conferir essa parte também. Fomos ate o antigo assentamento palestino de Chatila/Sabra, hoje praticamente uma favela, onde ocorreu um massacre um 82. O exercito israelense, ao isolar Beirute e afastar a resistência, isolou este bairro palestino e deixou uma “milicia crista” entrar e matar mais de 2000 civis palestinos. Agora bato na tecla do meu outro post: “Milicia Crista”? Um cristão de verdade faria isto? A mesma coisa dos “atentados muçulmanos”. Isto e religião ou politica?
No ônibus para Chatila conversávamos com uns palestinos quando um viu minha tatuagem e mostrou a sua. Estava escrito “Ali”. Eu comentei com ele que deveria ser xiita, pois Ali era o primo e genro do profeta Maomé, que casou com sua filha Fátima. Ganhei a confiança do cara na hora, valeu a pena ter feito o dever de casa na mesquita! Logo na primeira rua que descemos, ao pedir informações vimos o abismo social que existe no Líbano. O cara nos informava qual parte era de domínio do Hezbollah, Fatah, Hamas e outros grupos. Fomos andando e nas primeiras quadras não nos sentimos muito bem. Eu fiquei meio assim por ter trazido a Bibi, se tivesse sozinho seria diferente. Alem de mal encarados, o pessoal ali eram todos torcedores da Alemanha! Mas não demorou muito para tudo mudar. Entre as bandeiras de Hamas, Fatah, fotos do Arafat e do Templo da Rocha, gigantescas bandeiras do Brasil passaram a aparecer.

Terroristas?

Não eram só as facções politicas que dividiam o bairro, mas também as preferencias futebolísticas. Começamos a conversar com um senhor e logo foi aparecendo gente. Fomos andando e já tinha uma duzia de jovens conosco. Nos convidaram para sentar e tomar um chá, e trouxeram copos do Brasil. Todos estavam com camisetas e faixas da seleção. Ficamos conversando um tempão, falando sobre suas dificuldades por serem palestinos, falta de direitos, mas também de sonhos, desejos e dia a dia. Pessoas do bem, jovens cheios de vida e ideias. Com o tempo, ao se sentirem confortáveis, mostraram fotos deles uniformizados e armados. Era difícil de acreditar, mas fácil de entender. Assim como o soldado israelense que conhecemos la, o pessoal aqui ta cansado de tanto conflito, mas por causa de meia duzia de louco de cada lado, civis continuam morrendo. Nos levaram para caminhar mais, nos deram presentes e não nos deixaram pagar nada, nem o chá. Entramos num café e fizemos a maior bagunça cantando musica do Brasil, tocando bumbo e corneta, muito divertido. Até na hora da foto fiz chifrinho na piazada. Nos escoltaram de volta ate onde pegaríamos o ônibus. Comentaram que o inicio do bairro era meio barra pesada, pois era onde existia o trafico de drogas. Explicaram que os palestinos que se davam bem e iam morar em outros países e meio que esqueciam a “causa”. De certa forma lembravam da frase que o Arafat quando ainda jovem escreveu com seu próprio sangue para o exercito Egípcio: “Don’t forguet Palestine”. Eles já queriam combinar alguma coisa para fazermos no dia seguinte e saber quando voltaríamos lá. Trocamos emails e contatos e saímos com o coração apertado.
Seguindo o roteiro não tradicional, um dia fomos ao sul de Beirute, para Sidam (saida). Não, nossa principal intenção não era visitar esta cidade fenícia citada na Bíblia, com mais de seis mil anos de historia. Faríamos uma conexão la para ir no recém inaugurado museu do Hezbollah. Ao descer no ponto de ônibus a comunicação com os taxistas não era fácil, e não sabiam onde queríamos ir. Ao encontrar um senhor que falava Inglês, ele me perguntou: E acham que vão deixar vocês entrarem? Realmente o lugar era novo, e o pessoal não tinha informações. Ouvimos falar que tinha sido inaugurado a menos de duas semanas. Mas a areá era conhecida, e o motorista cristão ficou fazendo mistério, dizia para não falarmos inglês que era perigoso. Mostrou suas cicatrizes da guerra, mas logo vimos que ele era louco mesmo. De qualquer forma chegar nas montanhas, em área do Hezbollah, nos causou silencio. Bandeiras em todos os postes, alem de fotos dos mártires (homens bomba e heróis da resistência) davam o clima para o lugar. No meio de uma vista magnifica chegamos a um grande estacionamento, com dois ônibus e muitos carros. Na hora deu para ver que logo este lugar vai ser uma grande atracão turística, listada em todos os guias de viagem. Novinho em folha, algumas partes ainda não estão nem abertas ao publico, como a loja de lembranças. A estrutura e perfeita, iluminação, placas em inglês e árabe, água, ate salas para se rezar. Parece que quem construiu foi para a Disney para tirar ideias (hehe, desculpe, não me aguentei!).
Bem, e um museu em céu aberto, na região onde houveram os combates entre os Israelenses e o Hezbollah. Uma forte propaganda mostrando como eles eram a resistência libanesa, e com menos armas e tecnologia conseguiram lutar. Mesmo estilo dos locais que visitamos no Vietnã. Existem bunkers cavados nas pedras, com longos tuneis e material exposto. Armas, tanques e foguetes da resistência alem de material capturado e destruído de Israel. Duas partes chamam muito atenção. Uma especie de furacão, com arcos e muitos tanques e armas de Israel destruídas, junto com capacetes de soldados israelenses, como se fosse um “obra de arte”, e o memorial para os mártires. E uma escadaria bem íngreme, alta, que se sobe com esforço e ao olhar em frente só se vê o céu. Chegando la em cima tem um jardim super florido com a homenagem aos mortos, e tudo cercado pelas belas montanhas. O esforço, sacrifício, céu e paraíso estão evidentes, mesmo não estando escrito em nenhum lugar. Pena não termos conseguido ver o filme que passa algumas vezes ao dia. Uma sala só dedicada a Israel não tinha tradução em Inglês. Acredito que a propaganda devia ser forte. Muitas famílias e turistas árabes, mas acho que logo os estrangeiros vão descobrir. Com certeza valeu a pena.
Hezbollah!

Museu muito bem montado. Ispirado na Disney?rs

Turismo local

Estávamos felizes quando saímos de Beirute para as montanhas no norte do Líbano. Mesmo tendo gostado bastante da experiencia, precisávamos um pouco de paz, ficar longe do barulho e movimento da grande cidade.