Minha primeira visita a Portugal

Depois de ter viajado por mais de meio mundo, fiquei muito feliz quado surgiu a oportunidade de conhecermos Portugal. Querendo ou não, temos uma ligação cultural muito grande a pátria mãe do Brasil. Assim como em Moçambique, também nos divertimos muito com as diferenças do Português de um país para o outro. Vinhamos de um casamento em Marrakech, Marrocos e nossa passagem por Portugal na verdade foi a trabalho: Lançamento dos meus livros em Lisboa.

O local escolhido foi a Livraria Palavra de Viajante. Uma livraria incrível, com livros de viagem sobre o mundo todo! Muitas publicações em português, algo impossível de se achar nas seções de viagem das livrarias brasileiras. Mapas, atlas e artigos de viagem completam a loja. Eles tem um café bem bacana no fundo da livraria, onde servem refeições com receitas de culinárias de diversos países. Foi lá que contamos um pouco das nossas aventuras para portugueses, brasileiros e outros estrangeiros. Publico bastante participativo e interessado, acabamos indo jantar com alguns deles, que se tornaram novos amigos.

cartaz

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como a palestra e lançamento dos livros foram só na sexta-feira, tivemos a semana toda para conhecer Lisboa e seus arredores. A Gi, minha irmã que mora em Londres, foi nos encontrar e passamos uma semana deliciosa revesando entre algumas atrações da cidade e restaurantes/bares. Os preços são bons para padrões europeus  (e comida deliciosa!), o chopp no happy-hour custava 1 Eur 😉 Cidade muito charmosa, gostosa de se curtir devagar.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sabe quando fazemos amigos durante as viagens e prometemos que vamos visitar um dia? Pois é, conhecemos os então recém namorados Maria José e Francisco na Índia, em 2010. Na época nos encontramos algumas vezes, conversamos bastante e nos tornamos amigos de estrada. Estavam viajando com uma moto Royal Enfield por meses e mantavam artigos indianos para vender em Portugal. Anos se passaram e não tivemos mais muito contato. Foi uma delicia reencontra-los e jantar na casa deles, onde o Francisco cozinhou um prato indiano para matar a saudades. Hoje estão casados e tem uma filha. Outro casal que passou no teste de viajar junto por longos períodos 😉

Amigos portugueses que conhecemos na Índia

Amigos portugueses que conhecemos na Índia

Além de Lisboa, também adoramos Sintra. Bem perto e fácil de ir de trem. Pequena, linda e cheia de história. Pena que o tempo não estava dos melhores e que tinham hordas de turistas por todos os lados. Mesmo assim aproveitamos bastante.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ficamos hospedados no Lisboa Central Hostel, que fez uma parceria com o saiporai.com e patrocinou o lançamento dos livros. Um Hostel muito bem localizado, que já ganhou diversos prêmios internacionais, dente eles o de hostel mais limpo da Europa. A Bibi não poderia ter ficado mais contente! Faz parte deste novo conceito de Hostel Boutique, todo descolado, com sala de TV e até DVD e Playstation a disposição dos hospedes. Também possui um bom café da manhã, alem de serviços como tocas de livros e informações turísticas. Para quem não quer ficar nos quartos coletivos, eles possuem quartos privativos e suítes. Todos com toalhas e roupa de cama inclusos.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

*Agradecemos o Lisboa Central Hostel por nos hospedar 5 noites na confortável suite.

 

Anúncios

Lançamento dos livros em Lisboa – Portugal

Estão todos convidados para o lançamento dos livros em Lisboa-Portugal, dia 17 de outubro! O evento vai ser em um Café/livraria muito bacana, chamado Palavra de Viajante. Vamos contar um pouco das nossas viagens e esperamos encontrar muitos viajantes, portugueses e estrangeiros que estejam de passagem pela capital portuguesa.  Estendam o convite aos conhecidos que tenham em Lisboa.

Durante toda a semana ficaremos hospedados no premiadíssimo Lisboa Central Hostel, que está nos apoiando neste evento. Fica a dica para quem vier de outras cidades europeias. 😉

 

cartaz

 

 

Os livros De Cape Town a Muscat: Uma Aventura pela África e De Istambul a Nova Délhi: Uma Aventura pela Rota da Seda estarão a venda na livraria Palavra de Viajante após o evento.

Muro para se lamentar!


Quando eu tinha nove anos fui estudar de manhã ia de carona com a família do Chico, um amigo da rua. Ele tinha um irmão mais velho, daqueles que influenciava sem ter a menor ideia que esta fazendo isto. Foi através dele que conheci os Ramones, andei de skate pela primeira vez, dentre outras coisas. Lembro dele contando as fantásticas aventuras de uma viagem que fez para a Alemanha, de como era o muro de Berlim e a burocracia que teve para passar de um lado ao outro, por ter um sobrenome alemão  Não muitos anos depois, lembro muito bem das noticias sobre a queda do muro, no dia Três de outubro de 1990 (aniversario do meu tio Nicolau, por isto nunca vou esquecer).
Nesta viagem vi muitas injustiças  Daquelas que você senta e fica pensando: “como e que não fazem nada a respeito disto”. Sera que vai ser mais uma historia que no futuro vamos lamentar e lembrar: “nossa, tao pouco tempo atras e tava acontecendo isto…”Aparthaid Africa do Sul, Genocídio Ruanda, Servia, para não falar dos atuais… Novamente estive frente a frente com um destes lugares. Espero num futuro não distante poder ver o muro de Israel cair, e poder visitar a região novamente com meus filhos, com outro ambiente.
A historia dos Israelitas não foi fácil  Povo perseguido desde os velhos tempos, citadas na Bíblia  Foram escravizados na Babilônia  no Egito; ate que chegaram na “terra prometida”. Dividiram a região com outros povos por muito tempo. A região foi dominada por diversos impérios poderosos, que controlavam a região mesmo a distancia, com uma administração local que recolhia impostos, ditava leis, etc. Ainda no primeiro seculo depois de cristo, teve uma grande revolta Judaica contra os Romanos. Eles buscavam independência  já estavam produzindo suas próprias moedas e queriam mais liberdade. Foram brutalmente reprimidos, massacrados e expulsos da região, tendo que migrar para diversas partes do mundo (Europa, Marrocos, Egito, Babilônia, Pérsia, Etiópia, Iêmen, Índia…).
A sequencia da historia não foi mais fácil  Foram declarados escravos na Espanha (tendo terras confiscadas e religião proibida, perseguidos nas Inquisições  expulsos da Inglaterra , da Franca e Espanha. Foram perseguidos por toda a Europa, massacrados e segregados. Na segunda guerra mundial foram perseguidos e depois exterminados, num dos maior genocídios da historia. Sob a acusação de serem “a raiz de todo o mal da humanidade”, Hitler comandou o extermínio de 6 milhões de Judeus, sendo que 1,5 eram crianças  Quem já foi visitar um campo de concentração, museu, ou ate mesmo a casa de Annie Frank sabe do embrulho que da no estomago.
A comunidade internacional se sentiu culpada pelo que aconteceu, e decidiu achar uma área para o povo judeu. Tentaram oferecer áreas em diversas regiões, sendo que Uganda foi ate aceita por um período  Já tinha um movimento Zionista desde o final do seculo 19, e seguindo a pressões  acabaram decidindo por uma partilha da Palestina onde era a Terra Prometida. Ai que iniciam os problemas. Devido a problemas basicamente Europeus, quem teve que ser penalizado foi o povo Palestino.

Free Palestine

Antes e depois dos romanos a região da palestina passou pelo domínio de diversos Impérios  Ate a primeira guerra eram os Turcos (Império Otomano). Com a revolta árabe  incentivada pela Inglaterra, os turcos foram expulsos; e segundo o tratado de 1914 (McMahon) a região seria entregue aos árabes  Tratados controversos foram assinados posteriormente, dividindo o Oriente Médio entre Franca e Inglaterra em 1916 (desonrando o anterior) e depois visando a partilha da região  criando um Estado Judeu (Balfour Declaration).
Independente dos domínios, o povo nativo de la, os palestinos, com mais de 10000 anos de ocupação continua, foi o grande perdedor novamente. O Estado de Israel ocuparia 56,5% da região para somente 31% da população de judeus. Isto porque no inicio do seculo 20, pre-guerra, teve um altíssimo fluxo imigratório de judeus. Ate o final do seculo 19 eram só 4%. Claro que o povo local não iria concordar, depois de 2000 anos ocupando praticamente sozinhos a terra. Sem entrar na questão que judeus-etíopes (falashas) comentam que os judeus-europeus são na sua maioria convertidos ou miscigenados, o que diminuiria ainda mais um direito hereditário.

Mapa da ocupação

Vamos imaginar no Brasil. Imaginem que os Tupi-Guaranis ocupassem parte do estado do Parana, junto com outras tribos, como os Tingui por exemplo. Chegam os portugueses, eles são expulsos, mas outras tribos ate mais antigas que eles, permanecem. Eles fogem para vários países da America do Sul onde permanecem por centenas de anos. Chegam novos povos, muita coisa muda. Acontece um massacre dos Tupi-Guaranis na Venezuela e a comunidade internacional resolve achar uma terra para eles, e decide dividir o estado do Parana, dando a maioria da terra para os tupi-guaranis que estavam na Venezuela (ou Paraguai para ficar mais realista). Vocês acham que o povo que e dono da terra a centena de anos, iria entregar tudo de mão beijada por causa de um problema que aconteceu na Venezuela? Ha quem fale do direito divino, tendo em vista que no livro sagrado esta escrito que e a “Terra Prometida” e que foi dada por Deus. Se as Cataratas do Iguaçu fossem sagradas para os índios  dai entregaríamos  Isto que, no nosso caso, estamos falando de imigrantes, e não do povo local, habitante da região por muuuito mais tempo. Transforme décadas, seculos, em milhares de anos.
Houve a independência de Israel e com isto a guerra com as nações árabes vizinhas, pois somente a Palestina não teria a menor chance. Israel venceu ficando com quase 80% do território Palestino, mas o Egito conseguiu ocupar uma parte chamada de Gaza e a Jordânia de Cisjordânia  Vinte anos depois acontece nova guerra – Guerra dos Seis Dias, e Israel ocupa estas duas regiões  alem do Sinai (depois devolvido ao Egito) e Golan (Síria, ainda em disputa). Mais de sete milhões de palestinos passam a viver no exílio.
Ai começa o conflito Israel/Palestina propriamente dito. Ocupação Israelense indevida = resistência Palestina = mortes de civis Israelenses = morte de muito mais civis inocentes palestinos = perda para todos e violação de direitos humanos
Os palestinos eram chamados de terroristas, e praticaram atos (que devem) e foram condenados pela comunidade internacional, mas a sua causa é digna (apesar dos meios não serem). Quando os judeus fizeram a revolta contra os romanos, se fosse nos dias de hoje seriam chamados de terroristas. E uma questão de direito. Os palestinos tem direito a maior parte da terra (segundo fatos dos últimos 2000 anos, quase toda). A comunidade internacional passou a dar certo apoio a causa depois das Intifadas (revoltas populares) onde jovens, estudantes e população comum armada com paus e pedras foram massacrados por tanques e metralhadoras.
Hoje os palestinos vivem em péssimas condições nas áreas ocupadas. Um muro esta sendo construído  e logo devem terminar os seus quase 800 km. Ele tem o dobro da altura do Muro de Berlim.

Muro da vergonha!

Como se fossemos animais, passamos pelos corredores de grades, arames, coisa que só palestinos privilegiados podem fazer. Sabia que seria chocante, mas não esperava tanto. Existem diversos pontos de controle, barreiras. As principais estradas dentro do território ocupado não podem ser utilizadas por palestinos. Áreas são desapropriadas e ocupadas pelo exercito ou assentamento de judeus (o que e proibido segundo a Convenção de Genebra). A ocupação vem aumentando e a situação vai se tornando cada vez mais irreversível  A região e desértica  e regiões de poucas florestas foram cortadas para assentar mais judeus, alem de estradas exclusivas para estes. Controle da criação de industria só aumenta o desemprego entre os palestinos. No verão existe racionamento de água nas regiões palestinas, para que o abastecimento seja continuo em assentamentos judeus. Israel estrategicamente toma conta das áreas produtivas férteis, alem de mais de 80% da água.

Não parece um abatedouro?

Flores? Só de um lado…

Os palestinos não tem direito de ir e vir. Mesmo os que tem cidadania israelense, tem um documento especial, discriminatório  não tendo os mesmos diretos. Existe ate controle sobre casamento, assim como existia no aparthaid da africa do sul. Segundo julgamento em tribunal internacional, o muro deve ser derrubado, áreas entregues, inclusive Jerusalém Oriental. Mas ate agora nada.
Não estive em Gaza, onde a situação e ainda pior. Superpopulosa, com um índice de desemprego altíssimo  Agora com o bloqueio a situação so piorou. Estávamos aqui quando o barco de ajuda internacional foi interceptado e pessoas mortas. Alguns dos corpos possuíam 4 tiros na cabeça disparado a queima roupa. Uma semana depois mais mortos. Conversei com um israelense que foi piloto de tanque na guerra contra o Líbano em 2005. Na sua opinião Israel over reacted. Ele ficava abismado de como as informações eram distorcidas dentro de Israel, e de como a propaganda e forte e controladora. A maioria dos israelenses esta cansada do conflito, e quer paz, apesar de não ver isto acontecer tao cedo.
Quanto aos palestinos? Eles vão sofrendo com a repressão  lutando como podem por algo que tem direito e esperando a hora que terão a sua palestina de volta. A sua Pazlestina…

PAZlestina!

Para quem quiser mais informação:
http://www.btselem.org/english/statistics/Index.asp
http://www.btselem.org/English/list_of_Topics.asp
http://www.hrw.org/en/publications/reports/11/related
http://www.palestineremembered.com
http://www.stopthewall.org
http://www.eletronicintifada.net
http:// http://www.alternativenews.org
http://www.nakbinhebrew.org
http://www.atg.ps
http://www.passia.org
http://www.pacbi.org”>
http://www.palsolidarity.org
http://www.icahd.org
http://www.pinv.org
http://www.givathaviva.org
http://www.rachelcorrie.org

Stop the wall!