Vales, Monasterios, Castelos e muita tradição!

O bacana de viajar no Oriente Médio e que foge daquela imagem inicial que temos da região. Claro que ha desertos, beduínos, calor, mas existem muitas outras opções. Vales verdes da Jordânia, montanhas de Israel, estacoes de esqui, montanhas do Líbano, castelos, monastérios cristãos. Alias, o presidente do Líbano e sempre cristão maronita, o primeiro ministro e um muçulmano sunita, o porta vós do parlamente um muçulmano xiita, o chefe das forcas armadas druze (muçulmano que acredita que houve um outro profeta depois de Maomé), cristãos gregos ortodoxos também tem posições fixas de destaque. Viva a diversidade religiosa!!

Escolhemos Becharre como o nosso destino de montanha no Líbano, e não nos arrependemos. Pela estrada já víamos as pequenas vilas na beira do cânion, e a beleza das montanhas. O único ponto baixo é que os cedros, arvore simbolo do pais, já não são mais tao abundantes. Ficamos numa guest house bem com cara de casa, só com dois ou três quartos para alugar. Nos integramos rápido com os donos e pessoal que tava por ali. A região e centro do cristianismo (principalmente da ordem Maronita) no Líbano, e existem capelas e santos por todos os lados. Aqui e também a cidade onde o poeta e pintor Kalil Gibran viveu. Visitamos sua casa e um museu bacana que expõem algumas de suas obras. Lugar calmo, com uma temperatura amena, e estaca-o de esqui no inverno. O Cânion Qadisha, patrimônio da Unesco, logo abaixo de onde estávamos e muito bonito. Pegamos carona ate uma ponta, caminhamos cânion abaixo e seguimos a trilha. Muito verde, barulho de água e pássaros, numa paz excepcional.

Vista de Bcharre

Vales verdes

Cidades na beira do canion

No caminho alguns monastérios antiquíssimos, onde os cristãos da antiguidade se refugiavam. Não íamos conseguir voltar até o hotel antes de escurecer então pegamos carona de volta. No outro dia percorremos o cânion no sentido contrario, para conhecer toda a região. Vimos jogo do Brasil num restaurante com telão e torcida local com bandeiras, buzina e camisas. Muito legal! De la ainda passamos por Tripoli antes de seguir para a fronteira com a Síria na parte norte. No Líbano existem belas ruínas romanas, mas depois de uma viagem longa, vendo muitas delas, passam a parecer muito iguais.
Já na Síria, passamos por Homs, mas resolvemos ficar mesmo em Hama. Cidade muito simpática, com dezenas de norias, rodas de água (que são funcionais) por toda a cidade. Passamos um final de tarde muito gostoso la, numa praça, onde os locais faziam piquenique, crianças andavam de camelos e jovens passeavam. Mulheres todas de cabeça coberta com scarfs, ainda mais que em Damasco. Sentamos num banco e não demorou para aparecer um jovem estudante que ficou conversando um tempão conosco.

Norias- Rodas d’gua em Hama

Esta região possuí muitos castelos da época das cruzadas, e mesmo já estando meio cansados deles, fomos conferir. O Crac des Chevaliers e muito bonito e imponente. Grande. Muito grande, provavelmente o maior e mais bem conservado de todos os que ainda existem. Labirintos, escadas, muitos corredores. Dentro estão vazios, mas de fora a vista e impressionante, assim como de cima, pois estão sempre no topo de montanhas. Visitamos também o monastério ortodoxo de São Jorge, que contem duas antigas igrejas e belas pinturas. Conhecemos um casal romeno e acabamos indo juntos ate Alepoo, segunda maior cidade da Síria. Na hora de pegar o ônibus, pediram meu passaporte, e de dentro caiu uma moeda de Israel, que deveria estar no porta documentos. Sorte não ter sido na fronteira, pois dai teríamos problemas.

Crac des Chevaliers

Alepoo e uma cidade grande, mas e muito tradicional. Possui souqs gigantescos, que parecem labirintos. Grandes mesquitas e um bairro cristão. Aqui também já foi área de grande presença de judeus, e algumas sinagogas estão preservadas. Nesta região que grande parte dos armênios massacrados pelos turcos viviam, num dos maiores genocídios da historia. Escutamos historias horríveis, de mulheres estupradas antes de serem mortas, crianças enterradas vivas, dentre outras crueldades. Um povo que ajudou bastante os armênios foram os Kurdos, estes que também são tratados como minorias nestes países da região. Os curdos vivem no leste da Turquia, Síria, Irã, Iraque, e são mais de 60 milhões, mas não tiveram direito a terra na época da divisão da região. Já sonharam muito e lutaram pela independência do que seria chamado Curdistão.
Existe uma bela citadela no topo de uma montanha, de onde pode se ver toda a cidade. Existem cafés gostosos ali e conversamos com um casal de noivos, que estavam acompanhados pela mãe do noivo, irma e futura cunhada. As vezes elas saiam para dar uma volta para deixar os dois sozinhos. Uma praça estava especialmente cheia na sexta-feira, feriado muçulmano (o domingo deles). Caminhávamos por ali, e viramos atracão. Dezenas de pessoas, crianças passavam para falar com a gente, apertar nossa mão ou tirar fotos. Crianças com bandeiras da Síria e Brasil pintadas nos seus rostos nos faziam se sentir em casa. Uma hora ate um policial pediu para não darmos tanta atenção para o pessoal pois tava virando tumulto. Um final de tarde magico.

Torcida pelo Brasil!!

Citatela de Alepoo

Um dia a Bibi foi experimentar o banho sírio, e eu aproveitei para explorar mais os souqs. Conversei com bastante gente, e eles adoravam quando eu falava que não estava em nenhum grupo, pois assim podiam falar comigo. Conheci um pessoal na frente do lugar que a Bibi tava e fiquei tomando chá com eles. A Bibi se juntou a nos, assim como muitos amigos e familiares deles. Não deva para sair, nos levantávamos mas eles insistiam e acabamos ficando por horas. Discutimos diversos assuntos, e chegou ate um amigo deles que e “orador” na mesquita e “leu” (e praticamente um canto) alguns trechos do Al Corão para nos. Pedi alguns trechos que conheço alem de outros que citam Jesus. Pessoal muito gente boa e o pai de um deles muito interessado no Brasil. Falaram que a popularidade do presidente Assad (o filho), e ainda melhor que a do Lula no Brasil, chegando a 90% !!! (estranho, não?!Ainda mais com tantas fotos dele espalhadas, típicos de uma ditadura )

Vista panorâmica

Intermináveis Souqs

O bairro cristão tem uma aparência um pouco diferente, e para entender bem e preciso entrar nas construções. De fora parece só uma rua estreita com paredes altas, mas dentro se escondem casarões antigos. Muitos estão se transformando em restaurantes e hotéis. Escolhemos um deles para sentar, fugir do sol e ficar batendo papo curtindo o lugar. Começamos a conversar com um senhor que cuidava de uma Igreja Ortodoxa, e aproveitamos para tirar varias duvidas da religião e historia do local. A conversa se prorrogou e ele acabou nos mostrando algumas áreas da Igreja que não são de livre acesso, alem de nos presentear com incenso, velas e cartões postais. Nos mostrou uma Bíblia super antiga, escrita em árabe  é claro.

Bíblia em árabe

Atras dos muros altos tem casaroes, restaurantes, hoteis

Nosso hotel era super gostoso, quarto espaçoso com uma super sacada, e adoramos conversar com o “gerente” de la. Nossos cafés da manha sempre eram longos escutando suas piadas de beduínos (estilo nossas piadas de português) ou conversando com pessoas interessantes que encontrávamos. Ele adorava contar de como era difícil para ele, pobre, arranjar uma mulher. Falava empolgado, brincando, que ia nas sorveterias para ver as mulheres levantarem o véu para chupar o sorvete e ver o rosto delas.
Um dia pedimos informação sobre uma internet para um senhor. Ele apontou uma, mas depois nos levou ate uma outra, que era mais barata. Caminhou umas sete ou oito quadras para nos levar até lá, a troco de nada. Esta e só uma historia, que ajudou a formular a impressão que tivemos do povo da Síria. Lembro quando uma noite a Bibi me perguntou como faríamos com a lista dos 5 povos mais legais. Realmente é complicado, pois não cabe. Sugeri formularmos uma lista top 10!!!

Anúncios

A hospitalidade Árabe.

A hospitalidade Árabe e notória. Em poucos países se é tão bem recebido como nos países Árabes. No inicio da viagem, passamos a sonhar com o Oriente Médio, do Egito ate a Turquia, mas depois parecia que não teríamos tempo para isto. Quando ficamos em duvida sobre onde ir depois da Índia, voltou a ideia. Teríamos que pegar voo, mas por outro lado, seria uma região muito mais fácil de viajar, o que facilitaria pois a Bibi já estava meio cansada. Acabamos achando uma passagem barata para Amã, na Jordânia, e o Egito ficaria para uma próxima vez. Fomos muito bem recebidos, escutamos “Bem vindos a Jordânia!!” durante toda a nossa estadia. Aqueles lugares que você faz amigos na rua, pede informação e te colocam no carro para te levar onde você quer ir, ganha presente e comida. O Brasil voltou a ser lembrado como pais do futebol, e receber apoio de todos para a Copa 2010 (apesar da previsão de alguns que a Argentina sera campeã! Eca!rs). Dizem que esta hospitalidade toda vem da época que os árabes eram povos nômades, e viviam em regiões inóspitas. Desta forma tratavam bem qualquer um que chegasse na sua região, pois em uma próxima vez, poderia ser ele numa longa jornada, e precisaria de ajuda. Não sei se esta historia e verídica (para os Beduínos com certeza!), mas e fato que nos sentimos em casa e muito acolhidos!!

Pegando o avião em Nova Delhi, pediram minha passagem de volta. Falei que não tinha. Perguntaram para onde iria depois, e eu respondi Síria. “Quero ver a passagem para a Síria”. Não tenho, respondi, vou por terra. Mostrei todos os carimbos nos nossos passaportes, mas fizeram eu assinar um termo para que se eu fosse barrado na chegada, a Cia Aérea não teria nenhuma responsabilidade. Apesar de já ter viajado “one way” diversas vezes, não vou dizer que não causou uma certa apreensão. Resumindo a historia, chegamos e fomos super bem recebidos, carimbaram nossa entrada rapidamente. Como passaríamos por Amã depois, resolvemos ir direto a Wadi Musa, cidade ao lado de Petra (considerada uma das sete maravilhas do mundo). Ônibus do aeroporto até a estacão norte, outro ate a estacão sul, e já estávamos numa calorosa e amigável discussão religiosa com o motorista, que adorava o Brasil. Ônibus ali parado e só nos três batendo papo. No micro-ônibus para Wadi Musa não paramos de falar ate la, pois parecia entrevista. Na parada nos pagavam chá, falafels e se recusavam a aceitar dinheiro.
A Jordânia e estruturada, e depois de vir da Índia, suas qualidades foram ainda mais acentuadas, alem do fato de não ter tanta gente, transito e calor. Claro que tem seu preço, e o custo para se manter ali era mais caro. Ate existem algumas opções baratas, mas nos lugares mais turísticos os preços são jogados la para cima. Sabia que Wadi Musa era a cidade de apoio para visitar Petra, mas não que era tao perto, o que facilitou as coisas.
O primeiro dia que fomos ate Petra, acordamos umas seis e pouco para chegar cedo, antes das dezenas de ônibus de turismo. Deu certo, chegamos logo quando estavam abrindo, e se o lugar não era só nosso, pelo menos estávamos dividindo com poucos. Tem que dar uma caminhada ate o Siq, uma falha geológica causada por um terremoto, que resultou num corredor estreito. Se caminha por este corredor por um bom tempo, e a expectativa só vai aumentando. De repente se chega no Treasure, um dos principais e mais bonitos monumentos. Acho que o filme Indiana Jones e a ultima Cruzada fizeram o lugar ficar ainda mais famoso.

Primeira vista de Petra pelo Siq

Seguimos por um caminho com mais monumentos esculpidos na pedra; teatro romano e templos/monumentos em diversos estados de conservação. O que impressiona não são tanto os detalhes, mas as dimensões e quantidade das obras. Os Nabateans, povo que dominava a região cobrava pedágio desta que era uma importante rota comercial. Não sobrou muito do que era a cidade, mas ainda existem diversas ruínas.


Caminhada morro acima para o Monastério, talvez o maior de todos os monumentos. Uma grande vista da região. Alem da obra do homem, a obra de Deus impressionou muito, pois a região e belíssima!!! Primeiro dia ficamos umas 10 horas la, com direito a descanso na hora do sol forte e claro!!! Como fica longe da entrada, não da para ir e voltar para o hotel. Na volta resolvemos sair pelo sentido oposto de Petra, e fomos ate uma vila construída pelo governo para os Beduínos (algumas famílias ainda vivem nas cavernas da região) e de la pegamos carona ate Wadi Musa. Só deu tempo de comer, tomar um merecido banho quente (a noite a temperatura cai) e capotar!

Monastério

Dia seguinte eu fui sozinho cedo, e a Bibi me encontrou na parte da tarde. Aproveitei para fazer caminhos alternativos e que exigiam mais esforço. Entrei por um Wadi antes do caminho principal, ainda mais estreito que o Siq.

Wadi bem estreito

Dei a volta por fora, subindo a montanha e tive uma excelente vista de cima, alem de passar por lugares de interesse. O melhor de tudo e que estava sozinho, e dava para sentir mais o lugar. Sentei numa pedra na beira da montanha e fiquei apreciando a beleza, me perdendo no tempo.

Valeu a pena!!



Explorei as regiões altas e desci para mais uma pequena volta. O sol tava pegando, e arranjei uma sombra numa caverna para descansar. Como estava de volta no caminho principal, crianças me cercaram para vender cartões postais. Ao ver que eu não compraria nada, foram se acalmando e sentando ao meu redor. Passamos a conversar e eles me ensinavam árabe enquanto eu português. Não demorou muito para a Bibi chegar, e fomos para outras regiões altas, como o “ High Place of Sacrifice”. Mais caminhadas, passando por belos lugares e um merecido descanso la em cima admirando o local. Tivemos a companhia de um simpático suíço, que ficou junto com a gente ate o final do dia, e nos deu carona ate o hotel. Acabamos ate jantando juntos. Neste segundo dia acabei ficando 12 horas em Petra, e quando saímos já não tinha ninguém, super calmo. Outro clima!!!
Decidimos ficar mais um dia pois não tínhamos pressa. Dia calmo, e teve um churrasco no topo do hotel onde estávamos, e pudemos trocar informações com outros viajantes.
Pegamos um ônibus ate Wadi Rum, deserto mais ao sul. O bom da Jordânia e que o pais e pequeno, então as viagens são curtas (muito curtas pra quem vem da Índia). Nada de passeio de camelo desta vez. Fomos de caminhonete pelo deserto, passando por paisagens fantásticas, alem de alguns pontos históricos da Revolta Árabe, quando ajudados pelos britânicos (e depois traídos) se livraram do domínio Otomano. Não e o tipo de deserto só com areia, mas com varias rochas, que vão mudando de cor a medida que o sol vai se pondo. Passamos por algumas tendas de beduínos que nos davam chá e café árabe, alem de uma ótima sombra. Dormimos num acampamento, mas nem utilizamos a barraca, pois arrastamos os colchoes para fora para dormir sob o céu estrelado.

Wadi Rum!!

Beduino

 

Que deserto!

Algumas regiões não são conectadas por transporte publico, então complicava um pouco. Na volta, conseguimos pegar um ônibus turístico ate a estrada, onde esperamos um transporte que fosse mais para o norte. Não passava nenhum ônibus e a temperatura ia aumentando. Tentávamos nos distrair com as duas muçulmanas com seus filhos, mas o sol tava de rachar!! Depois de certa espera decidimos ir para o plano B, e também pedir carona. Não demorou muito e parou um caminhão. Ele não falava muito inglês, mas nos comunicamos da forma que dava. Ele deixou bem claro que “no money”, contrariando algumas pessoas que cobram o preço da passagem de ônibus. Batemos papo da forma que dava, viajando pela paisagem que não mudava da Desert Highway. Ele nos deixou na entrada de Maaan, já na metade do caminho para onde íamos.
Fomos tomar alguma coisa num restaurante para ver como iriamos ate a rodoviária no meio da cidade. Já conhecemos um senhor, que vendia salgados nos bares e restaurantes da região, e alem de nos dar comida, nos levou de carro ate a rodoviária, que não era nada perto. Curta viagem e estávamos chegando em Dana, cidade medieval do seculo XV, com poucas casas, todas de pedra. Ela fica pendurada na beira de um bonito cânion, que faz parte de um parque nacional. Te digo que foi difícil sair dali! Varias trilhas, super paisagem e vida beem devagar.

Mesquita de pedra em Dana

 

Playground!

Curtimos muito o lugar, e de noite fazia ate um friozinho, devido a altitude. Conhecemos varias pessoas que estão viajando pela Jordânia. Dentre eles um casal de italianos que matou a vontade da Bibi de comer queijo parmesão, e um grupo muito gente boa de israelenses que conversamos ate tarde da noite pegando dicas sobre Israel/Palestina. Definitivamente Dana, Wadi Hasa e Wadi Mujib junto com Wadi Rum mostram que as belezas naturais da Jordânia são espetaculares, e quem vem para cá só para Petra ta perdendo muita coisa.
Acabamos saindo de la numa sexta-feira, que e o domingo para os muçulmanos, portanto o transporte era bem infrequente. Fizemos uma conexão em Tafila, e seguimos pela Kings HWY (antiga estrada romana) ate Karak, cidade que tem um castelo da época das Cruzadas, e que teve épicas batalhas, inclusive com o Saladim. Ficamos bem pertinho do castelo, e deu para rodar tudo com calma, pois passamos a noite ali. Estes castelos das Cruzadas foram construídos numa linha que vinha desde o sul da Turquia ao Sul da Jordânia, para proteger Jerusalém e as terras reconquistadas dos muçulmanos. Um interessante museu mostrava a linha histórica da região, alem de apontar as dezenas de citações bíblicas que estão na Jordânia.

Castelo em Karak

Não nos surpreendemos quando no dia seguinte ao pedir informação sobre ônibus para Amã, nos colocaram num carro e levaram ate la. E viva a hospitalidade Árabe!!!
Amã e uma cidade interessante. Já não sobrou muito da parte antiga, o que de certa forma perde um pouco o charme, mas existem bairros modernos ao lado de uma sociedade conservadora. Uma mistura no minimo interessante. Na cidade velha, perto do simpático hotel que ficamos fomos na Citatel, com uma ótima vista para as colinas da cidade, andamos ate o teatro romano e a Mesquita King Hussem. Aqui os taxistas falam, se não quiser pagar não precisa, uma pequena diferença dos motoristas de autorickshaw da India…haha!!

Ruínas romanas em Amman

Queríamos muito ir para Israel/Palestina, mas tínhamos alguns receios. Como o estado de Israel não e reconhecido por muitos países muçulmanos, não poderíamos ir para a Síria e Líbano depois. A solução era pedir para carimbarem num pedaço separado de papel, o que parecia tranquilo pois muita gente já fez. No entanto, algumas pessoas nos assustavam dizendo que as vezes carimbam no passaporte mesmo se você pedindo. Na internet falavam de longas horas para atravessar a fronteira, com entrevistas e revistas que seguiriam por horas. Mas tínhamos que ver com os nossos olhos, e se algo desse errado, só teríamos que mudar nosso roteiro, quem sabe indo para o sul, cruzando para o Egito. O risco com certeza valeria a pena, pois poderíamos conhecer mais da cultura judaica, alem do berço do cistianismo.

Tudo por dinheiro!!!

Há os que digam que a India e a alma do mundo, ate pode ser, mas ou esta mudando ou esta podre. Os ocidentais tem uma visao muito romantica da espiritualidade indiana, e hoje virou moda. No Brasil as escolas de yoga se procriam feito coelhos, meditacao, curso disto, curso daquilo. Ouvimos algumas vezes para tomar cuidado com os tais gurus. Um deles estava estampado no jornal, depois de um grande escandalo com uma atriz de Bollywood. Ele pregava o celibato, tinha milhares de fieis no mundo inteiro, e o flagraram com a nova namorada. Alguns conhecidos Babas, tidos como santos por ocidentais e indianos, são motivo de piada para outros tantos. Chamados de charlatoes para baixo. Contam historias de como enganam o povo, e realmente e estranho ver o rosto deles estampados ate em caixa de leite. A descrenca tem aumentado muito, e o ocidente vem na contramao. Na verdade acho que o ocidente nunca entendeu direito como pensam por aqui. E muito diferente, outro funcionamento.
A India fazia comercio com o Imperio Romano, Arabes, Persas, Chineses e por ai vai. Não sei como se comportavam na epoca, mas hoje são grandes ladroes. Não do estilo brasileiro, com revolver e faca na mao, mas nem por isto deixam a agressividade de lado. Um motorista de autorickshaw (tuk-tuk daqui), tem um monte de deuses pindurados, fotos, enfeites religiosos, mas mesmo assim vai mentir que o hotel que voce pediu fechou, mudou de lugar, e caro, e longe (e por ai vai), so para te levar no hotel que ele ganha comissao. Se tiver alguma chance vai tentar te cobrar mais por alguma coisa. O pior de tudo, e que o preco que voce tanto negociou, vai estar bem mais acima do preco cobrado para os locais. Esta pratica e de certa forma incentivada pelo governo, que cobra diferentes precos para os estrangeiros. Ate ai tudo bem, pois esta incentivando a populacao a conhecer sua historia, seus monumentos, museus. O problema e que existe uma tabela de precos reduzidas para asiaticos tambem, e no final das contas, os pobres japoneses vao pagar menos que os brasileiros, por exemplo. Nas lojas a complicacao continua. A tatica de jogar o preco pela metade, ou ate trinta porcento, por aqui não funciona. Em muitos lugares empacotariam na hora para voce levar. Fica dificil de saber o preco real do que voce esta levando. A briga e de pagar so um pouco mais caro. Cansa ate os mais habeis negociadores! Alguns itens passam a ter precos definidos para turistas, mesmo que sejam infinitamente superiores ao valor real. O vendedor passa a se recusar a vender para ganhar “pouco”, pois sempre vai passar outro trouxa pagando 5 vezes o valor do produto. Bem, pelo menos muitos falam que o mesmo indiano que roubaria tua mochila no trem enquanto voce dorme, cuidaria super bem dela se voce pedisse para ele olhar enquanto voce vai no banheiro. Pensando nisto aceitei de um vendedor me trazer o troco depois, e estou esperando ate agora ele voltar…

Tinhamos desistido de ir direto para Delhi, pois como o calor estava chegando mais cedo este ano, teriamos que ir antes para o Rajastao, pois após seria humanamente impossivel. Ficamos mais um dia em Jalgaon para curar nova alergia que surgiu na Bibi e pegamos um trem para Ahengabad. Não tinhamos reserva, entao arriscamos comprar segunda classe e ir na sleeper. Deu certo, e ainda caimos com uma familia super divertida. A viagem longa e o calor desgastante fez com que ficassemos na grande e movimentada Ahengabad um dia, antes de pegar um onibus para Udaipur. A expectativa era grande, pois todos falavam maravilhas de la. Nem a noite mal dormida no pulante onibus sleeper, o motorista do autorickshaw tentando nos enganar e meia duzia de vacas (e suas necessidades e claro!!) paradas na frente do hotel as 5 da manha estragaram nosso encanto pela cidade. Ficamos a um pulo do palacio da cidade, entre as ruazinhas estreitas, muito bom o lugar. O lago que fica bem no centro da cidade, e tem um palacio no meio, não estava muito cheio, devido a pouca chuva recebida nos ultimos anos, mas não deixa de ser o principal ponto da cidade. Não demoramos para achar nosso restaurante preferido, e ir la todas as noites. Um terraco, pendurado na beira do lago, com vista para o palacio da cidade e otimo por do sol. Fomos agraciados por uma lua cheia, que deu um clima maior ainda para o lugar. Claro que andamos por tudo, principalmente eu, mas tambem adotamos uma confeitaria preferida, onde passavamos as horas de maior calor. Os dias iam se passando e não tinhamos muita vontade de sair daquele lugar aconchegante. Nos restaurante, diariamente passava o filme “Octopussy” do James Bond, que foi filmado na cidade. Ficamos de ver varias vezes, mas estavamo ocupados demais…hehe Todo o Rajastao teve uma grande influencia mongol, pois invadiram e conquistaram a regiao, deixando muitas de suas tradicoes. Muitos dos fortes deste estado são mais antigos que o Brasil.

Palacio do Maraja




O palacio no meio do lago, nossa vista de todos os jantares...


Quer um sapato novo?

Outro onibus noturno e chegamos em Jodpur, mais perto do deserto, e portanto mais quente e empoeirado. Estavamos quase chegando, e numa parasda um motorista de autorickshaw subiu no onibus e tentou nos levar, falando que tinhamos chegado. Por sorte não saimos, pois ainda estavamos na parte de fora da cidade. Chegamos mais perto do forte, e estavamos surpresos vendo dezenas de camas para fora das casas, todas na calcada, onde a populacao tentava buscar um pouco de frescor, quando chegou o insistente motorista novamente. Ficamos num hotel com uma super vista do forte, impressionante, mas o calor era intenso, mesmo de noite. Como o nosso aniversario de casamento se aproximava, procurei um hotel melhor, com aircon, e nos mudamos para la.
Jodpur tem um belo forte bem no meio da cidade e um magnifico palacio. Estes palacios são dos marajas, que já tiveram muito poder e dinheiro, mas hoje a situacao não esta tao bem assim. Tanto aqui como em Udaipur, transformaram parte dos seus palacios em hoteis de luxo, para tentar alguma arrecadacao. As milhares de regalias que tinham foram cortadas, e hoje vivem muito mais do estatus. A populacao gosta muito deles, pois construiam muitas obras publicas. São como os reis nos paises de monarquia. Jodpur e muito famosa pelo mercado de rua, perto da torre do relogio, onde se encontra tempeiros e especiarias alem de objetos antigos e de decoracao. E um caos, super empoeirado e muito, mas muito sujo. Imundo seria a descricao mais proxima para as belas ruas da cidade velha de Jodpur.

Forte de Jodpur


Turistas indianos


Por que voces acham que chamam Jodpur de cidade azul?


Outro Maraja, outro palacio...


Fazia tempo que queria levar a Bibi no cinema, e aqui consegui. Dificil foi fazer os indianos entenderem que queriamos ver um filme de Bollywood em Hindi, e não “ Duelo de Titans”, filme americano em ingles. O cinema não era tao tradicional e classico como o que eu tinha ido em Jaipur há 5 anos atras, mas cumpriu o seu papel. Salas grandes, e o filme (Sadiyaan) bem legal. Historia de amor, com direito a intervalo e a dancas estilo clip no meio do filme. Na epoca da separacao de India e Paquistao, uma familia muculmana foge para o Paquistao e acaba, no meio do caos, perdendo seu filho ainda bebe. Ele e encontrado e criado por uma familia hindu, cresce e se apaixona por uma muculmana. As familias não aprovam devido a diferenca de religiao, e entao a familia hindu procura e acha os pais biologicos que vem e acertam o casamento, agora aprovado por terem a mesma religiao…

E dalhe Bollywood!!!

Optamos por cancelar a ida a sagrada Puskar, pois o lago da cidade esta seco, e seguimos mais ao oeste ate Jaisalmer. Jaisalmer e a ultima cidade da India, nos limites do deserto Thar. Depois da cidade, existem algumas vilas, muita areia e se chega a fronteira do Pakistao. Pequena, cheia de ciganos e com um forte espetacular bem no meio, que pode se visto de qualquer canto da cidade. Não e um forte padronizado, ele e recortado, com diferentes construcoes. Muito bonito! Pegamos um hotel com piscina para aliviar o calor, e acabamos encontrando uns amigos portugueses que estao viajando de moto pela India. Organizamos um passeio de camelo, que e bem tradicional por aqui. Como já tinha sido informado do desconforto, andariamos um dia, passariamos a noite no deserto e retornariamos no final da manha seguinte. O pessoal quase se mata para te vender um passeio. E uma guerra entre as agencias, pousadas e tal. O passeio e legal, realmente desconfortavel, mas valeu a pena. O deserto Thar não e tao impressionante. São muitas areas planas, pouquissimas dunas. Claro que com a lentidao dos camelos, e o pouco tempo que escolhemos, não entramos muito deserto a dentro. Tivemos a companhia de um casal ingles, e foi muito divertido. De noite por sorte não ventou, e não acordamos cobertos de areia. Primeira experiencia da Bibi em dormir assim, e vou te falar que ela adorou. Ficom me perguntando onde poderiamos ir em outro deserto e tal… Pena que o ceu não estava completamente limpo, entao a visao das estrelas, apesar de muito bonita, não foi fantastica. Durante a noite viamos muitos avioes de guerra sobrevoando, patrulhando o espaco aereo da India, já que estavamos muito proximos do Paquistao. De volta ao hotel, mais piscina, passeios no forte e descanco do calor infernal. Em visita a um templo Janeista dentro do forte, conheci um senhor muito inteligente que falava muito bem ingles, e aproveitei para tirar muitas duvidas. Os indianos em geral, não gostam de te deixar sem resposta, entao inventam varias coisas. Por isto sempre ‘e bom encontrar uma fonte mais confiavel.

Acho que foi o forte que mais gostei.


O que vcs acham?






Placa na entrada do templo.


Armado tambem nao pode!!

Pegamos um trem para Jaipur, capital do Rajastao, onde passariamos pouco tempo e já seguiriamos para Rishikesh. No trem fomos surpreendidos por uma tempestade de areia, so para nos lembrar que estavamos no deserto. Fiquei batendo papo com um indiano boa parte do tempo. Corremos ate um restaurante numa parada mais longa, para conseguir uma comida um pouco mais gostosa. Ele se interessava bastante sobre o Brasil e eu eproveitava para passar meu questionario. O papo sobre castas foi muito interessante. Segundo ele, as castas praticamente não existem, na India moderna. Numa empresa, a selecao e por qualificacoes, e alguem de uma casta inferior pode ser chefe de um funcionario de casta superior. Claro que a heranca do sistema vai fazer com que isto não seja tao comum. O mesmo acontece na politica. Como a India e uma democracia (alias a maior do mundo), os eleitos nem sempre serao de castas superiores. Na India das cidades menores, ou ate das grandes cidades, mas com pouca influencia ocidental esta historia já e diferente. Mesmo numa familia onde os filhos estudaram na Europa, por exemplo, dificilmente irao aceitar que casem com alguem de uma casta diferente.
Parece algo muito estranho, mas vamos relembrar um pouco de historia (quem conhece mais de castas indianas pode achar que não tem nada a ver, mas acho uma boa explicacao para um leigo). Na Europa antiga, seja ela medieval, Roma ou Grecia, existiam diversas divisoes. Nobresa, Clero, Burgueses, Patricios, Plebeus, Servos, Escravos. Alem de diversas subdivisoes, como duques, conde, padre, bispo, artesao, agricultor e por ai vai… Estas divisoes socialmente eram discriminatorias e desiguais, assim como as castas indianas, mas servem para organizar a sociedade, e querendo ou não, funcionam. A hereditariedade que determina quem e quem, sendo as misturas muito pouco provaveis. Principe que não casa com princesa, não tem direito ao trono. Um habil artesao, mesmo sendo do povo, não vai querer que sua filha case com um agricultor e por ai vai. Não precisa se aprofundar muito em pesquisas para notar que as profissoes tinham a tendencia de se repetir ao passar das geracoes numa mesma familia. Agora imaginem uma sociedade europeia destas com voto popular, grandes empresas e competicao. Claro que não vai funcionar, da mesma forma que as castas indianas estao lentamente ruindo. O rapido desenvolvimento da India so vai acelerar este processo.
Chegamos ainda de madrugada em Jaipur, a cidade rosa. Pegamos um hotel bem simpatico, para um merecido descanso. Cedo já estavamos organizando o onibus para Rishikesh e logo visitando o Jantar Mantar, gigantesco observatorio astrologico, com aparelhos de alta precisao, muito impressionante. Foi muito bom retornar la com a Bibi, já que ela estudou astrologia.

Cidade Rosa


Olha o estilo do jardineiro do observatorio


Passeio, compras e logo estavamos pegando um onibus para Haridwar, de onde iriamos para Rishikesh. O onibus que demoraria 11 horas demorou muito mais, e no final das contas chegamos em Rishkesh quase 24 horas depois de ter saido. As estradas não são das melhores nesta regiao, e a quantidade de gente era impressionante. Faltava 2 dias para Kumbh Mela (depois vou comentar), gigantesco festival que acontece em Haridwar. O onibus nem conseguia entrar na cidade. Nos deixou num terreno afastado, onde as pessoas seguiam a pe, ou lutavam por um transporte. Os motoristas de autorickshaw, tentavam se aproveitar da situacao, e cobravam precos dez, quinze vezes mais caros. Depois de muitas tentativas e discussao, pegamos um rickshaw, mas aqueles de bicicleta mesmo, ate o centro. Multidoes iam a pe, ruas bloqueadas e acampamentos comecavam a aparecer ao lado das ruas. Pegamos um onibus que estava passando, e precisamos de muitas, mas muitas horas para percorrer a pequena distancia ate Rishkesh. Para voces terem uma ideia da velocidade do onibus, e so lembrarem dos congestionamentos de ano novo e carnaval. A estrada estreita sem acostamento não ajudava. Iamos passando por kilometros de acampamentos ao lado da pista, e dava para ter uma ideia da dimencao do festival. Em Rishkesh as coisas não estavam mais faceis. Ruas bloqueadas, extorcao nos transportes, mas conseguimos chegar ate um hotel, depois de muito esforco e ate esbocarmos uma inutil caminhada. Nestas horas para manter o casamento, a viagem e porque não minha propria vida, so uma coisa ajudaria: “Me da o teu melhor quarto!!”