Lituânia, a primeira Ex-república Soviética

A Lituânia foi a primeira das 15 republicas soviéticas a proclamar independência, ainda no início dos anos 90. Junto com Estônia e Letônia, é onde se encontra um dos maiores sentimento antissoviético até hoje.  Enquanto a maioria das antigas repúblicas soviéticas formou a CEI, Comunidade dos Estados Independentes, onde se apoiavam entre si, os países Bálticos acabaram fazendo parte da OTAN, Organização do Tratado Norte, ficando em lados opostos no tabuleiro do jogo geopolítico mundial.

Interessante que foi justamente um dos últimos países da antiga URSS que conheci, pois já havia passado pelo Turcomenistão, Uzbequistão, Cazaquistão, Quirguistão, Moldávia, Azerbaijão, Geórgia, Rússia, Armênia, Estônia e Letônia.

Nossa primeira parada no país não ficava muito longe da fronteira com a Letônia. Nos arredores de Siauliai, está localizada a “Colina das Cruzes” (Kryziu Kalnas) um dos maiores símbolos de resistência antissoviética do país. As cruzes começaram a ser colocadas lá ainda no inicio do século 19, após uma rebelião contra o Império Russo, mas foi nos tempos Soviéticos que o numero de cruzes passou a aumentar. Quanto mais os soldados retiravam, mais cruzes eram colocadas, justamente como uma forma de mostrar a sua identidade e religião. Interessante que originalmente os lituanos eram pagãos, inclusive sendo apontados como o ultimo local da Europa onde se converteram ao Cristianismo, mas o nacionalismo acabou sendo associado ao catolicismo. Hoje já são mais de 200 mil cruzes.

Mais de 200 mil cruzes

Mais de 200 mil cruzes

Colina das Cruzes

Colina das Cruzes

No estacionamento oposto à colina, lojas vendem crucifixos e suvenires, além de um restaurante bem equipado para atender os turistas. Carros e ônibus de excursões trazem peregrinos de diferentes nacionalidades. Muitos italianos, e foi justamente um deles que falou uma das frases mais marcantes da viagem. Indo até a colina com o Gabriel no carrinho, ele ia cantarolando e emitindo sons muito engraçados. Um senhor olhou para ele e falou: “ Que bambino contento!” Não existia outra frase para definir o Gabriel nesta viagem. Ele sorria para todos, adorava passear com o carrinho e estar 24 horas com os pais. Mesmo somente com seus sete meses, aproveitou muito a viagem, a sua maneira.

Gabriel também colocou uma

Gabriel também colocou uma

Estávamos em contatos com um casal de amigos lituanos que conhecemos no Laos, uns 6 anos antes. Tentamos nos encontrar, mas como era verão, tinham ido viajar. Ofereceram sua casa para ficarmos na capital do país, Vilnius. Agradecemos mas resolvemos conhecer outra cidade do interior antes, Trakai, que ficava algumas horas de viagem de onde estávamos, cortando o interior da Lituânia.

Trakai fica num cenário de filme. São dezenas de lagos, casinhas coloridas, e uma ilha com um castelo no meio.  Maravilho! Era de onde o Grand Duque comandava seu reinado no século 14, e hoje virou um disputado balneário de final de semana, devido à proximidade de Vilnius.

Castelo de Trakai

Castelo de Trakai

Dezenas de lagos em Trakai

Dezenas de lagos em Trakai

Lá também está uma das ultimas comunidades Caraítas do mundo, um ramo do judaísmo que rejeita as tradições orais e autoridades, baseando-se basicamente na Torá.

Os preços da Lituânia nos surpreenderam bastante, sendo muito mais barato que os outros países da região. Aproveitando o tempo bom que estava fazendo (o final da viagem deve ter influenciado também), demos inicio a uma etapa da viagem onde não levamos mais o Gabriel para dormir cedo. Anoitecia tarde, e queríamos aproveitar um pouco mais.  Ele não teve dificuldades em dormir no carrinho, tanto de tarde como a “noite”.

Gabriel se preparando para dormir

Gabriel se preparando para dormir. Ainda bem que o carrinho deitava.

Vilnius foi outra agradável surpresa. Estava vazia, pudemos aproveitar com calma. Ficamos hospedados num ótimo AirB&B bem na cidade velha. Caminhamos pelas ruazinhas entre os belos prédios e diversas igrejas, muitas no estilo barroco. Sempre parando para um sorvete ou cerveja para refrescar o calor que tinha chegado. O Gabriel acompanhava no leite e frutas. Passamos a não cozinhar mais para ele, e arriscamos batatas amassadas, verduras e frango dos restaurantes. Ele aprovou.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Eu também adorei experimentar os diversos pratos típicos da região, e não me intimidei nem para o ” Bulviniai Vêdarai”. Intestino de porco recheado com batatas!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Existe um bairro chamado Uzupis, que significa “do outro lado do rio” (Vilna).  Popular entre artistas, proclamou sua independência no dia primeiro de abril de 1997, formando a República Uzupis. Confesso que achava que era algo mais sério, como tantos bairros anarquistas que travam batalhas judiciais com as prefeituras em diversas cidades europeias.  Mas não deixa de ser divertido.  Criaram uma constituição com 39 artigos, escritos em diversas línguas, exposto na rua principal. Galerias, cafés e bandeiras da República Uzupis dão um clima para o bairro, que tem até uma estatua do Frank Zappa.

República Uzupis

República Uzupis

Coração da "República"

Coração da “República”

z

Dentre os artigos da constituição estão os curiosos, ” O Homem tem direito a ser feliz” e “O Homem tem direito a ser infeliz”.

Já na parte nova da cidade, está o Museu da KGB, no próprio prédio onde funciona a organização. Dezenas de fotos, documentos e filmes mostrando a ocupação Soviética, Nazista e a luta pela independência. Não deu para ler muito, o Gabriel queria movimento, mas muito interessante. Já as celas da prisão e câmaras de execução não eram o lugar mais recomendados para ele. Escuras e apertadas, e não dava para circular de carrinho por causa das escadas.  Fomos para as praças e parques, onde ele voltava a cantarolar, e ser o “Bambino contento” de toda a viagem. Era só atender às necessidades, e o sorriso a a musica vinham juntos…

Prédio da antiga KGB

Prédio da antiga KGB

A KLM ofereceu o bercinho gratuito nas viagens de ida e volta, o que ajudou muito!!

KLM berth

Com certeza a ultima vez que usou o bercinho do avião, foi na medida!

Anúncios

Música, dança e palácios!

O folclore letoniano, também chamado de Dainas, foi uma das mais importantes formadas de manter a cultura e identidade do povo que viveu nesta região. São mais de 1,2 milhões de textos e 30 mil melodias, alguns com mais de mil anos.  Assim como na Estônia, muita mitologia envolvida, e é muito interessante como povos com identidades próprias, demoraram tanto tempo para constituir um país.

Entramos na Letônia atravessando uma pequena ponte de madeira, vindo do interior da Estônia. Estávamos bem perto da fronteira da Rússia, portanto teríamos que praticamente atravessar o país para chegar na capital, Riga. A chuva tinha voltado, e a estrada A2 não era tão boa quanto imaginávamos. Longe de ser “padrão União Europeia”. Muitos reflorestamentos ao longo da estrada e os caminhões carregados com toras tornavam o transito mais lento. Torcíamos para que o tempo melhorasse quando chegássemos a Singula, cidadezinha na beira do Parque Nacional Gauja. Infelizmente o tempo só piorou. Chovia forte, e só paramos mesmo para tomar uma café e comprar fraldas para o Gabriel, pois já estavam acabando nestas alturas. Até tentamos procurar alguns dos castelos, mas mal dava para enxergar. Achamos que as trilhas, cavernas  e visual ficaria para outro dia, mas acabou ficando para outra viagem.

Já que o tempo não ajudava, fomos para Riga, uns 50 quilômetros dali. Transito bastante congestionado, mas sobrevivemos e chegamos no AirB&B que havíamos alugado no centro antigo da cidade. Era um ático bem charmoso, todo reformado, por um bom preço. Só não tinha cortinas e blackout, o que atrapalha no meio do verão, onde anoitece depois das onze da noite. Improvisando penduramos cobertores e toalhas para escurecer o ambiente e garantir o sono do Gabriel. A anfitriã, muito simpática, nos deu muitas dicas e ficou conversando bastante quando nos recebeu.

Gabriel feliz no nosso quarto

Gabriel feliz no nosso quarto

Interessante como nos referimos aos “Bálticos” como se fossem países parecidos. Ali a língua era outra, e Riga completamente diferente de Tallinn (o mesmo aconteceria com Vilnius).

Old Riga

Old Riga

Aproveitei uma trégua da chuva, e os dias longos, para me localizar na cidade velha. Estávamos hospedados em um lugar super central, o que facilitou bastante conhecer tudo, e até voltar para casa quando achássemos necessário.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nos dias seguintes nos surpreendemos com a melhora do tempo. Pudemos aproveitar até dias de sol. Muito melhor, ainda mais com as feiras de rua, musica e danças típicas que estavam por todos os cantos. O Gabriel continuava adorando passear de carrinho. Quando ele dormia aproveitávamos para comer em algum restaurante ou aproveitar alguns dos muitos cafés.

Danças tipicas

Danças tipicas

Folclore

Folclore

Apesar de não ter a aparecia medieval de Tallinn, gostei muito do estilo de Riga. A arquitetura dos prédios, as belas igrejas e até mesmo o astral me pareceu um pouco mais autentico. Também estava cheio de turistas, mas as apresentações folclóricas, as musicas e danças davam um astral para o lugar. Experimentamos algumas comidas típicas num restaurante, e nos abastecemos nas feirinhas para os piqueniques que estavam por vir.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Depois de dois dias na capital, fomos para o interior, conhecer alguns dos mais bonitos palácios do país. Primeiro foi o Mezotne Pils, um dos melhores representantes do classicismo letoniano.  O Gabriel continuou sendo um ótimo companheiro de viagem, mas aproveitou mesmo o passeio pelos jardins do palácio. Parte do palácio foi transformada em hotel, e o restante em museu para visitação.

Pils

Mezotne Pils

Pils

Jardins do Mezotne Pils

 

Paisagem rural e estradas de terra até chegar a Pilsrundale, onde está o palácio mais bonito do país.

Interior da Letônia

Interior da Letônia

Rundale impressiona já de fora, com seus imponentes portões.  Antes de entrar aproveitamos para fazer um piquenique gostoso com as guloseimas que havíamos comprado, e complementamos com morangos e cerejas locais. No palácio não pode circular com o carrinho de bebe, e as escadas também não ajudam. A Bibi foi conhecer alguns dos quase 150 cômodos, e eu fiquei com o Gabriel pelos jardins. Se no Mezotne Pils os jardins tinham aquele clima de fazenda, com arvores altas e muita sombra, no Rundale era todo florido, planejado, com chafarizes, tuneis e paisagismo caprichado.

Piquenique

Piquenique

Portões do Pilsrundale

Portões do Pilsrundale

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Esta região dos palácios fica no extremo sul da Letônia, já bem perto da fronteira com a Lituânia, então com uma curta viagem já estávamos no ultimo país que conheceríamos nesta viagem.

Estônia, terra de pagãos!

A Estônia só se estabeleceu como país após a primeira Guerra Mundial, e mesmo assim logo foi ocupada. Antes disto eram povos,  sempre tentando uma  identidade como nação. Foram dominados por finlandeses, suecos, dinamarqueses, alemães e russos, cada um deixando suas marcas. O cristianismo foi imposto aos então pagãos que moravam lá. Primeiro os católicos, depois os luteranos e por fim os ortodoxos. As belas construções ficaram, mas a religião não. Menos de 15% dos estonianos se dizem religiosos, sendo apontando como o país menos religioso do mundo. Por outro lado, existem novas ondas de espiritualidade neo-pagãs.  A adoração da natureza remete ao inicio da identidade e ao folclore estoniano. Existe uma rica mitologia que tem sido resgatada como forma de identidade nacional e negação dos invasores do passado. Num país coberto por florestas não é difícil de “adorar” uma arvore. O feriado mais importante do país é o Jaanipaev, onde dançam e cantam ao redor de fogueiras, no dia que chamam de “metade do verão” (solstício-noite mais longa do ano). Dizem que teve origem na queda de um meteoro a mais de 4 mil anos atrás. Assim como o dia 25 de dezembro (solstício de inverno, noite mais curta) foi incorporado pelo cristianismo, o Jaanipaev também foi. Chamam de São João, e tem muita gente no Brasil comemorando a data mesmo sendo no inverno, cantando e dançando nas fogueiras de festa Junina, sem nem imaginar que estão praticando “paganismo estoniano”.

Chegamos à capital da Estônia, Talin, de ferry. O porto fica próximo do centro antigo, onde iriamos nos hospedar. Com uma bagagem a mais do que estamos acostumados, mais um bebe e um carrinho, achamos melhor aceitar a oferta dos donos do AirB&B em nos buscar. Cobrariam somente 5 Euros e nos levariam até o nosso apartamento.

Ficamos hospedados a uma quadra de um dos portões de entrada da cidade velha, numa rua secundária, bem calma. Uma localização excelente, mas uma pena que a rua que dava acesso até a praça central estava em reforma.

A cidade murada de Talin é linda. Num estilo medieval, faz jus a fama de ser uma das mais bem preservadas da Europa. Quem diz que parece que ela saiu de um conto de fadas também não está mentindo. As ruas de pedra, a arquitetura e as torres das igrejas (a igreja de São Olavo foi a construção mais alta do mundo na Idade Média)  encantam qualquer um. Patrimônio da Unesco, as construções de pedra sobreviveram ao tempo, e a cidade também contou com a sorte de não ter sido bombardeada na Segunda Gerra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Chegamos num domingo e tinha até uma feirinha na praça central. Estava tudo movimentado, bem movimentado. Verão na Europa tem destas coisas, tinha turistas para todos os lados. Talvez o fato da cidade ser pequena dê um aspecto de cheia mais facilmente.

Junto com os turistas vem as pessoas tentando vender algo ou te convencer a entrar nos restaurantes. Nada de muito insistente, mas com certeza quebrou um pouco o clima, assim como algumas pessoas posando para fotos com armaduras para ganhar uns trocados.

Ma isto foi mais a primeira impressão, nos outros dias nos acostumamos e acho que as coisas ficaram mais calmas também.  Colocamos à prova o carrinho guarda-chuva que compramos para a viagem. Foi o menor e mais barato que encontramos na internet, e compramos no site de um supermercado. Ele aguentou bem as ruas de pedras da cidade. Trepidava bastante, e o Gabriel achando que era embalo acabava dormindo.

IMG_0405 IMG_0137-001

Mesmo anoitecendo muito tarde, respeitamos o horário de dormir do Gabriel. Também comprávamos coisas no supermercado e fazíamos comida para ele. Podia comer em casa ou a marmita que levávamos e esquentávamos nos restaurantes. Não foi desta vez que ele experimentou a comida estoniana. Eu também fiquei adiando para comer a sopa de rena e acabei esquecendo. Fica para uma próxima.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quando íamos em lugares mais longe, ou que precisaria subir escadas, eu levava o Gabriel no “Canguru”. Quando queria chegar rápido em um lugar também, sempre com o carrinho dobrado na mão.

Adoramos caminhar pela cidade, esperar os grupos de turistas passarem para curtir um pouco os lugares sozinhos. O ritmo da viagem foi mais lento, sentávamos para comer, tomar uma cerveja ou café e ver a vida passar com ainda mais frequência que em outras viagens. O Gabriel adorava tudo. Estava super animado e sorridente todas as horas. Já se mostrava um grande companheiro de viagem, só tínhamos que respeitar seu ritmo e suas necessidades.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Inicialmente o nosso plano era de viajar pela costa da Estônia até a Letônia, beirando o Mar Báltico. De ultima hora decidimos fugir do fluxo de turistas e explorar um pouco o interior. Sabíamos que não tinham grandes atrações, mas quem sabe encontraríamos belas paisagens e vilarejos na região rural.

Não foi uma decisão acertada. Tivemos azar com o tempo e pegamos muita chuva. O país inteiro é plano (ponto mais alto tem 300 metros!), então a paisagem muda pouco. A estrada até Tartu é praticamente uma reta. Pouco pudemos conhecer da cidade, que é a mais antiga do país. Uma cidade universitária, com um belo centro antigo, mas vamos mesmo é lembrar da chuva torrencial que caía. No trecho até Voru melhorou um pouco, saiu um sol e céu azul, dando até para curtir um pouco mais a viagem.

Este slideshow necessita de JavaScript.

É uma região com cultura e línguas próprias, com casarões de madeira antigos e prédios soviéticos.  Ali perto está Rouge, a cidadezinha que estávamos buscando. Muitas colinas com uma serie de  lagos, com vendedores de morangos na beira da estrada. A região mais bonita que encontramos no interior da Estônia. Depois disto foi uma aventura, por estradas de terra que nem pareciam estar dentro da União Europeia. Uma pequena ponte de madeira e uma placa indicavam que estávamos entrando na Latvia (Letônia) onde pegaríamos um pouco mais de chuva, pelo menos no primeiro dia.