Novo projeto: Países que não existem

Um novo projeto está sendo planejado, se chama “Países que não existem”. O nome é um tanto provocativo, pois é claro que eles existem! Muitos deles tem autonomia total do território, presidente, moeda, passaporte dentre outras coisas. O que falta é basicamente o reconhecimento internacional.

Países "De Facto"independentes mas que ainda não tem o reconhecimento internacional

Países “De Facto”independentes mas que ainda não tem o reconhecimento internacional

Na pagina onde falo sobre por onde andei (Clique aqui) questiono um pouco sobre o que são países.

Para o direito internacional está bem claro, para ser um país precisa:

1- População permanente

2- Território definido

3- auto-governo

4- se relacionar com outros países

Mas a questão não é tão simples. Na antiguidade os estados se formavam por ocupação ou por conquista. As regras foram mudando ao longo dos seculos e só após as barbaridades da Segunda Guerra, os estados tentaram se organizar e criar regras (até mesmo para guerras). Com o tempo surgiu a ONU, “Organizações das Nações Unidas”. O problema é que para se tornar independente agora, teoricamente não poderia lesar um estado membro da ONU. Existem as declarações unilaterais, onde os novos países buscam reconhecimento dos estados membros da ONU, mas é um processo longo e complicado.

A ONU reconhece 193 países, além do Estado observador do Vaticano. Recentemente a Palestina também foi elevada ao titulo de Estado Observador da ONU. Pelo menos 10 Estados são “de facto” independentes (alguns falam em 14).

São eles:

1- Palestina – Estado Observador da ONU, membro da Unesco, reconhecido por 134 países da ONU

2- Saara Ocidental – Também chamado de Republica Árabe Sarauí, membro da União Africana, reconhecido por 84 países da ONU.

3- Kosovo – Somente três dos cinco estados membros do concelho de segurança da ONU votaram a favor da independência (Qualquer um tem direito a veto), no entanto é reconhecido por 109 países membros da ONU

4- Somalilândia – Controla seu território desde 1991, tem presidente, exercito, moeda própria, visto de entrada, escritórios de representação, mas não é reconhecida por nenhum país.

5- Transnístria – Reconhecida somente por três estados não membros da ONU

6- Norte do Chipre – Reconhecido somente por um estado membro da ONU

7- Abkhazia – Reconhecida por quatro países da ONU e três não membros

8- Ossétia do Sul - Reconhecida por quatro países da ONU e três não membros

9- Nagorno-Karabakh – Reconhecido somente por três estados não membros da ONU

10- Taiwan – Inacreditavelmente reconhecido somente por 21 países da ONU.

Alguns destes países são de mais fácil acesso, outros tem fronteiras fechadas e vistos complicados de se conseguir. Vamos ver quais eu consigo visitar. Se alguém de uma embaixada que não reconhece algum destes países estiver lendo, não se preocupem que não farei nada ilegal ;)

Gostaria de fazer filmagens, para depois lançar meus vídeos de viagem (Clique aqui). Se tiver bastante conteúdo quem sabe não lanço em episódios ou um Vlog. Se alguma produtora se interessar é só entrar em contato! ;)

Agora vem a parte que os leitores podem colaborar! Estou disponibilizando 100 cópias do meu ultimo livro, De Istambul a Nova Délhi: Uma Aventura pela Rota da Seda” por 30 reais cada. Valido até dia 15/Ago. É um desconto de 25% no preço que as livrarias estão cobrando (Clique aqui). Valor com postagem para todo o Brasil.

Para quem não comprou, é uma ótima oportunidade para adquirir o seu! Pode comprar para dar de presente para aquele amigo que gosta de viajar, pode encomendar vários para colaborar com o projeto e desfrutar de estórias e fotografias no blog, sem custo nenhum ;)

Capa

Capa

Fiquem de olho no blog, na pagina do Facebook e no Instagram para saber como anda a parte burocrática pré-viagem.

Primavera em Praga

Em 1968, uma serie de reformas na antiga Checoslováquia, foi chamada de Primavera de Praga. Os soviéticos não gostaram nada do estilo moderninho do partido comunista local e mandaram milhares de soldados e tanques, esmagando qualquer manifestação, além de ocupar o país. Primavera de 2014, muito tempo se passou, até mesmo da democratização da região, que alias agora se tornaram dois países, Rep. Tcheca e Eslováquia. A unica invasão que agora é possível observar é a de turistas. Milhares, deles por todos os cantos. Dominaram Praga, tomaram conta!! Fácil de entender porque. É uma cidade linda, cheia de atrativos. O Acordo de Munique, firmado entre as potencias europeias da época, entregou a Checoslováquia para os nazistas e por isto Praga foi polpada durante a invasão alemã. É a cidade da moda para os jovens europeus festarem. Terra de cerveja (a região se chama Bohemia), vimos diversos grupos cantando alto ou até fazendo “jogos” de despedida de solteiro no meio da rua.

O castelo visível de toda a cidade

O castelo de Praga, visível de toda a cidade

Primavera EM Praga - Invasão de turistas!

Primavera EM Praga – Invasão de turistas!

 

Telhados

Telhados

Gargulas na Catedral

Gargulas na imponente Catedral gótica de São Vito

No bairro judeu, além da Sinagoga Old-New (uma das mais antigas da Europa), existe um antigo cemitério. Lá se pode observar uma lapide ao lado da outra, todas amontoadas, pois faltava espaço para enterrar os corpos.

Sinagoga Velha-Nova

Sinagoga

Uma das grandes atrações de Praga  é o relógio astronômico. Antes de chegar em Praga, passamos por toda o Morávia (região leste da Rep Checa). Na cidade de Olomouc (famosa pela coluna da Santíssima Trindade) tem um relógio parecido, mas os comunistas  trocaram as figuras religiosas que aparecem nas janelas de hora em hora por camponeses e operários.

Orloj - Relógio astronômico

Orloj – Relógio astronômico

.

.

.

.

Uma agradável surpresa foi o Monastério Strahov no alto da colina, com suas bibliotecas de Teologia e Filosofia . São mais de 130 mil livros (muitos deles antiquíssimos), distribuídos em salões com os o tetos todos decorados.

Biblioteca

Mosteiro Strahov: Bibliotecas de Filosofia e Teologia

Cerca de uma hora de Praga está a cidade Kutná Hora (patrimônio da Unesco). Estávamos na dúvida se iriamos até lá, mas valeu bastante a pena! Chegamos antes dos ônibus de excursão e trens, então estava tudo muito calmo. Clima de interior, uma delícia, depois das hordas de turistas na capital. O templo de Santa Barbara, no seu estilo gótico, é tão bonito quanto a catedral de São Vito de Praga! A catedral da Assunção de Nossa Senhora, todo o centro antigo despertando pela manhã eram um charme.

Torres góticas

Torres góticas do templo de Santa Barbara

Vista para Kutna Hora

Vista para Kutna Hora

Uma atração que chama bastante a atenção na região é o Ossário de Sedlec , com 40 mil esqueletos. Dizem que um abade trouxe um pouco de terra santa de Jerusalém e por isto as pessoas preferiam ser enterradas ali. A capela medieval pode não agradar algumas pessoas, com seu estilo de arte um pouco “forte”, mas ela só mostra o mais obvio, a temporalidade da vida! Lustres, cálices, cruzes, tudo feito com ossos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

A cidade imperial e o campo da morte

Fazia tempo que eu ensaiava uma viagem para a Cracóvia. Em 2004 eu troquei o leste europeu por uma viagem ao sudeste asiático. Em 2012, depois do casamento da minha irmã na Inglaterra, queria ir para Ucrânia e Polônia, mas no mesmo período aconteceria a Eurocopa nestes países, então optei por um voo barato para o Marrocos e Saara Ocidental.

Finalmente pude conhecer esta incrível cidade, capital imperial da Polônia no passado, patrimônio da Unesco. Cidade invadida pelos Mongóis (Sim o maior império do mundo chegou até a Europa), Nazistas e Soviéticos. Felizmente não foi destruída na segunda guerra e continua muito bem preservada.

Torre do palácio real

Torre do Castelo de Wawel

Igreja

Igreja de Santa Maria, com suas torres diferentes

Cidade universitária, cheia de jovens

Cidade universitária, cheia de jovens

.

.

Catedral

Catedral

Colorida

Colorida

.

Sukiennice, na praça central em Stare Miaste (Cidade Velha)

Comida de rua na Rynek Glowny, uma das maiores praças medievais do mundo - Coração da cidade velha

Comida de rua na Rynek Glowny, uma das maiores praças medievais do mundo – Coração da cidade velha

Torre do relogio

Torre do relógio

Ao sul do castelo, fica o Kazimierz antigo bairro judeu, onde ainda existem algumas Sinagogas dentre outros prédios históricos. Lugar mais calmo, com menos turistas, onde vale a pena dar uma caminhada com calma. Milhares de judeus saíram daqui para o campo de extermínio de Auschwitz. Novamente é bom lembrar o  porquê do leste europeu ter uma população tão grande de judeus. Simplesmente porque foram expulsos de diversos reinos da Europa Oriental! Se hoje o anti semitismo não é tão grande na Europa Ocidental, a xenofobia só vem aumentando. Fácil de se observar isto nas ultimas eleições do parlamento Europeu, onde a extrema direita só vem ganhando espaço.

Hitler disse “Quem fala hoje do extermínio dos Armênios?”. E os erros vão se repetindo ao longo da história. Já visitei diversos locais de guerra,  campos de extermínio, de ataques de armas químicas, como em Halabja no Curdistão iraquiano, locais do genocídio em Ruanda e até mesmo o campo de concentração de Dachau, próximo a Munique-Alemanha. Também já estive em memoriais do Holocausto. O que mais me assusta é a forma sistemática e planejada que tudo aconteceu na segunda guerra.

A morte de negros, homossexuais e Ciganos  não é tão lembrada como deveria, mas também fazia parte do plano de extermínio dos nazistas. Os ciganos continuam sofrendo preconceito e sendo colocados a margem da sociedade europeia até hoje.

Fomos visitar o campo de Auschwitz-Birkenau em Oswiecim, onde aconteceram alguns dos maiores massacres da segunda guerra. Para a Bibi, a visita tinha um significado especial, pois foi onde o Victor Frankl, objeto de estudo dela, comprovou sua teoria de “Busca de sentido”. Aquele clima pesado, onde não entendo pessoas ficarem posando para foto, mas cada um com suas manias. Achei que a longa visita guiada traria informações novas, mas neste sentido não foi tão interessante. Pelo menos para mim, vale mais a reflexão em si.

O trabalho

“O trabalho liberta”

Auchewitz

Auschwitz

 

Ofuscada por gigantes

Com o fim e separação da Tchecoslováquia, através do chamado “Divórcio de Veludo” (1993), a Eslováquia ficou meio esquecida. Sua capital, Bratislava, de certa maneira é ofuscada por Viena-Áustria, que está a somente 65 km de distância. Outras importantes e imponentes cidades também não ficam longe, como Budapeste (Hungria), Praga (Rep Tcheca) e Cracóvia (Polônia).

Em viagens anteriores não tinha ido para lá, mesmo tendo passado tão perto. Desta vez não deixei a oportunidade passar! Eu vinha de carro com meu cunhado, Jony, desde o norte da Eslovênia. Após uma estrada interrompida Eslovênia-Áustria, fizemos um desvio pelo estremo nordeste da Itália, atravessamos toda a Áustria até chegar em Viena, onde encontramos com a Bibi e minha sogra, Mara, que tinham passado a última semana em um congresso de fenomenologia por lá. De Viena seguimos até a Bratislava, onde nos hospedamos num hotel naqueles antigos blocos soviéticos, só que todo colorido.

Caminhando por lugares não muito bonitos, mesmo na beira do rio Danúbio, a Bibi me questionou por quê tínhamos ido para lá. Tudo bem, a Bratislava não é daqueles lugares imperdíveis, mas foi só nós chegarmos no centro velho que ela mudou rapidinho de opinião. Um centro movimentado, bonito, com um grande calçadão, cheio de cafés e restaurantes. Prédios históricos (chegou a ser a capital do império Húngaro, quando Budapeste foi invadida pelos otomanos) se misturam com um estilo mais industrial, além de construções mais bizarras da época do comunismo. Tudo isto junto dá um estilo para o lugar. Para quem está pela região, com certeza vale conhecer!

Cafes

Cafes na praça principal

Castelo

Castelo Bratislava

Ponte Suspensa

Ponte suspensa como o “OVNI”Comunista

Cinza

Cinza

Bratislava

Centro antigo

Igrejas e viadulos

Igreja e viaduto

Gostaria de ter explorado mais o interior da Eslováquia, a região leste, mais rural, as montanhas (Montes Tatras) e pequenas vilas devem ser bem interessante. Mas infelizmente não tínhamos tempo, era uma viagem curta. De qualquer forma deu para aproveitar um pouco o caminho até a Polônia e quando era possível, saíamos da estrada principal cara conhecer um lugar ou outro.

Castelo em Trancin

Castelo em Trencin, pouco mais de 100 km ao norte da Bratislava

 

 

Eslovênia, uma grata surpresa!

A Eslovênia sempre foi a região mais rica da Iugoslávia. Era uma nação bastante industrializada, o que contrastava com a Macedônia por exemplo, que era basicamente rural na época. Com a crise dos anos 80, estas diferenças foram ficando mais marcantes. Sem a figura do Tito como lider e com a Sérvia querendo cada vez mais centralizar o poder (além da queda do comunismo no mundo todo), o futuro da Iugoslávia estava marcado. A Eslovênia foi a primeira a se declarar independente e conseguiu o feito com certa facilidade. Foi também a primeira das ex-republicas da Iugoslávia a entrar para a União Européia.  Fácil de entender porquê, o país é impecável, deve agradar os mais exigentes, até mesmo aqueles que só viajam pela Europa Ocidental.

Vinhamos de carro por uma fronteira secundária com a Croácia. Paisagens rurais, com pequenas cidades e igrejinhas no topo de montes davam todo um charme. Chegando em Liubliana, capital do país, não foi difícil ir até o nosso hostel.  Mesmo sendo a capital do país, sua população não chega a 300 mil habitantes.

Interior da Eslovênia

Interior da Eslovênia

Ficamos hospedados no Metelkova Mesto, um bairro, ou melhor uma pequena  “cidade” (Mesto)  independente. Tudo começou com o a independência da Eslovênia da Iugoslávia, quando um quartel do exercito iugoslavo abandonado foi invadido. Anarquistas criaram um centro cultural autônomo, com regras e leis próprias. Existem galerias de arte, estúdios, escritórios e muitos bares. No local onde era a cadeia hoje fica um hostel, muito bom por sinal! Não ficamos nos quartos com grades pois eram mais caros, mas estão lá para quem quiser ter a experiência!

Metelkova

Janelas de Metelkova Mesto

Ansiosos, saímos de noite mesmo para o centro histórico, sem mapa nem nada. Impossível de se perder, com um castelo no alto de uma colina, que pode ser visto de toda a cidade. A região antiga, impecável, com luzes no chão na sua praça principal (Preseren). As famosas três pontes refletindo no canal, a igreja de São Francisco e o castelo iluminado, dão todo um clima para a cidade.

Três pontes vistas de longe

Três pontes e igreja de São Francisco a noite

De dia deu para ter uma outra perspectiva. Ao lado das pontes e prédios históricos, muito grafite, arte de rua. Jovens andando de bicicleta, cafés e fios de luz com muitos tênis pendurados. A cidade é charmosa, muito simpática. Apesar do estilo moderninha, me pareceu que falta um pouco de vida, sei lá. De qualquer forma uma delícia de caminhar e explorar a pequena cidade. Encontramos com uma amiga da minha irmã que mora lá, e fomos tomar um café no terraço de um prédio. Vista incrível  para toda a cidade, o castelo e os Alpes Julianos do outro lado.

.

Liubliana e seus canais

O castelo e o centro histórico

O castelo e o centro histórico

De Liubliana passamos rapidamente pela pequena Skofia Loka,  evitamos novamente as auto estradas, subimos as montanhas, atravessamos passes e pequenos vilarejos até chegar no Lago Bohinj, no Parque Nacional Trigav. Paramos em diversos pontos, caminhamos pelo bosque que tinha um tapete de folhas. Lugar lindo, calmo, somente com patos e algumas canoas para dar algum movimento para a paisagem. Poucos quilômetros dali fica Bled, uma das maiores atrações do país. É praticamente um cartão postal, uma pintura que saiu de um livro de conto de fadas. Um lago, onde tem uma ilha com uma igreja. Um penhasco com um castelo no topo. Tudo isto cercado por montanhas nevadas. Uma paisagem perfeita! Claro que um lugar destes vai atrair muitos turistas, tem uma boa infraestrutura, mas ainda é possível percorrer trilhas para ter uma vista incrível de cima da montanha sozinho!

Ponte em Skofia Loka

Ponte em Skofia Loka

Bohini

Bohinj

É possível dar a volta completa no lago, apreciando por todos os ângulos, subir no castelo e ir até a ilha. Mas o melhor visual vai ser de cima mesmo (trilha ao lado do camping é ótima, acho que é a #6). Além disto, ainda tem outras grandes atrações na região, como Vintgar Gorge. São quase dois quilômetros de passarelas estreitas ao longo de uma fenda na rocha, com corredeiras. Muito legal!!

Paisagem perfeita de Bled

Paisagem perfeita de Bled amanhecendo

Vintgar Gorge

Corredeiras e passarelas de Vintgar Gorge

Uma noite fomos jantar e com um inglês macarronico a garçonete perguntou de onde eramos. Ao responder, ela falou o obvio: “Brazil?! Cool, football!” e saiu. Choramos de dar, risada. Com influencia da boa cerveja eslovena foi muito mais engraçado.

A Eslovênia não terminou por aí. Como o país é pequeno, é bem rapidinho de ir de um lugar para outro. Fomos até Kranjska Gora, estação de esqui já ao lado da fronteira com a Áustria e Itália. Depois de intermináveis curvas e um zigue-zague, chegamos ao topo do passe, com uma excelente vista dos Alpes Julianos.  Pessoas subiam as montanhas com esquis na costas para depois aproveitar o remanescente de neve que ainda tem. Passamos por campos floridos e lindos lagos até chegar na fronteira com a Áustria que pretendíamos utilizar. Estava fechada devido a obras na pista. Tivemos que fazer um pequeno desvio via Itália, quinze quilômetros para frente, onde deixamos este lindo país!

Montanhas

Alpes Julianos

Montanhas

Montanhas e campos floridos

 

Lago em Kranjska Gora

Lago em Kranjska Gora