Les Milles Colines

Na imigração de Ruanda conhecemos 2 casais da África do sul que estavam indo sentido Uganda e trocamos algumas dicas de viagem. O oficial da Ruanda me questionou sobre  eu ter alguma carta convite, para que ele pudesse emitir o visto. Já sabia que eles perguntavam isto as vezes, pois outros viajantes tinham me alertado, e prontamente respondi que tinha passado no consulado em Kampala e que me falaram que para brasileiros não precisava (nem tinha passado). O visto saiu rapidinho… Pegamos uma van até Ruhengeri, cidade que fica próxima da entrada do Parc des Vulcans (assistam o filme   ” Gorilas in the Mist”). A chegada em Ruanda foi um choque. Depois de tantas estradas esburacadas, um asfalto que parecia um tapete. Ha, aqui eles dirigem como no Brasil, não na mão inglesa como em todos os países da África que passei até agora. O estranho e que tem carros com a direção do lado direito e outros do lado esquerdo. A passagem custava 400, mas o cobrador tentou me vender por 1000 pra ver se eu comprava…

Depois deste simples Daladala (van) nos surpreendemos com o mini ônibus que nos levaria ate Gisenyi. Um ônibus limpo, novo, até com filmes de DVD numa tela plana que descia  do teto. Viajamos primeiro lateral a aquelas montanhas e vulcos e depois passamos a contornar as milhares de colinas da Ruanda. Que paisagem fantástica!!! Triste era ver que em todas as cidades, por menores que fossem, tinham placas sobre os memoriais do genocídio (comentarei em outro post). A chegada em Gisenyi foi linda, vinhamos descendo ate visualizar o lago Kivu. Gisenyi e a cidade balneário de Ruanda, onde os ruandeses ricos passam suas ferias. Existem alguns grandes hotéis, alem de outros menores e descolados. Descemos na parada final do ônibus e caminhamos algumas quadras ate o lago para se localizar. Na parte alta da cidade fica a muvuca, mercados, bagunça e perto do lago os hotéis e casarões coloniais. Decidimos pegar umas motos para ir 7 km ao sul, onde estava o hotel indicado pelos sul-africanos que encontramos na fronteira. Para chegar la, contornamos montanhas com uma vista super bonita, e passamos por barreiras do exercito. Hotel bacana, de frente para o lago, numa parte mais recortada do lago. Chales que lembravam os Bungalows que sempre ficamos na Praia do Rosa (lado esquerdo da entrada da Verde Rosa). Curtimos uma praia, e o lugar. Tinham umas pedras onde vimos o por de sol, e ao virarmos para voltar, vimos a lua cheia saindo de trás das colinas. Parecia encomendado.

Cafe no lago Kivu

Cafe no lago Kivu

Lua no Lago kivu

Lua no Lago kivu

Praia 1

Praia

Dia seguinte tomamos um cafe no florido jardim e saímos com bagagens de volta para a cidade. Não tinha vaga para mais dias e o preco era bem salgado. Alias, Ruanda e mais estruturada, mas bem mais cara que seus vizinhos próximos. Não achávamos transporte para a cidade e acabamos dividindo um táxi com um casal de belgas. Nos mudamos para o albergue da igreja presbiteriana, onde tem quartos para casal, com banheiro limpo, além de restaurante. Engatamos num papo com os Belgas e decidimos almoçar juntos. Ele cuida da cinemateca de Bruxelas e ela e professora. Ele conhecia muitos filmes brasileiros e já bateu um papo com o Walter Salles. Andávamos pelas ruas quando fomos parados por soldados. Perguntaram onde íamos, pois o presidente estava no hotel ali ao lado. Achamos um bom restaurante com uma super vista para o lago, onde comemos bem e tomamos uma deliciosa cerveja local (herança da colonização Belga). O casal voltou para o hotel que estavam e nos passeamos pela larga avenida com palmeiras na beira do lago.

Praia Gysenyi

Praia Gysenyi

Gostamos do lugar e resolvemos ficar um dia a mais (sempre acontece isto). Como não estávamos prevendo ficar mais um dia, e era sexta, claro que já tava tudo reservado. Arrumamos as coisas e mudamos para outra pousada. Uma pena, pois foi uma delicia acordar com o coral da Igreja. Na nova pousada os quartos eram ao redor de um jardim/restaurante, aparentemente ok, mas o banheiro era ruinzinho…

Passeamos mais pela cidade, que na verdade achávamos que era um pouco maior. Andamos ate a fronteira com o Congo e só não fomos ate o outro lado pelos altos custos dos vistos e falta de tempo. Caminhões do exercito passavam por nos toda hora, assim como bonitas caminhonetes de estrangeiros que trabalham no país. Fomos até o principal hotel da cidade, onde sentamos para tomar uma cerveja e curtir uma praia. Este hotel foi utilizado pelo governo interino de Ruanda durante o genocídio, estrategicamente escolhido devido a fronteira com o Congo.

Congo, logo ali..

Congo, logo ali..

O bom da Ruanda e que fora as estradas serem muito boas, as distancias são sempre pequenas. O pais e muito pequeno. Pegamos outro excelente ônibus sentido Kigali. Viagem passou rápido, e nem consegui prestar atenção no filme devido a paisagem que tinha do outro lado da janela. Chegando em Kigali nos surpreendemos novamente. Que cidade bacana, foi a melhor  primeira impressão de todas as capitais que passamos. Saímos a pé para ir ate o hotel indicado, e ao pedir informação para um tanzaniano na rua, ganhamos uma companhia, pois ele também buscava outro hotel. Achamos nosso hotel, bom, com internet liberada e tudo, mas meio carinho. Largamos as coisas e saímos para conhecer a cidade. Passamos pelo centrão, e por um shopping, onde a Bibi matou a vontade de comer pizza. Fomos ate o hotel Les mile collines, onde se passou a historia do ” Hotel Ruanda”. Alias, tenho citado alguns filmes, acho que vou criar um poste só com eles. Difícil imaginar toda aquela desgraça acontecendo aqui.  Claro que o pior aconteceu nas pequenas cidades e vilas da região rural, mas em Kigali o massacre foi grande. A diferença e que aqui a identificação dos Tutsis era mais difícil, enquanto nos povoados menores todos sabem quem e quem.

Kigali

Kigali

No dia seguinte fomos no memorial do genocídio de Kigali. Super estruturado, moderno, com áudio visual e muitas informações. Mostra toda a historia de Ruanda ate o genocídio e a recuperação do pais. Te faz passar mal todas aquelas informações detalhadas sobre a crueldade que tudo foi executado. Existe um andar dedicado a outros genocídios que aconteceram no mundo, alem de salas com fotografias de vitimas de Ruanda. Como o atual presidente (Paul Kagame) era líder da guerrilha Tutsi que tomou o poder depois do genocídio, achei os textos um pouco tendenciosos. Uma pena para quem vai lá sem ter informações mais profundas sobre o assunto, pois fica tendo uma ótica unilateral. Apesar de informações tendenciosas no memorial, o presidente tem feito um excelente trabalho. E um cara radical, totalmente conta a corrupção, e tem construído uma Ruanda para todos, independente de se Tutsi, Hutu ou Twas. Lemos tudo, linha por linha, sem pular nem uma das informações disponíveis. No mesmo local estão enterrados milhares de vitimas deste genocídio. Andamos de volta para a cidade (tínhamos ido de moto) e rodamos mais um pouco, antes de voltar para o albergue da Igreja católica, para onde havíamos nos mudado pela manhã. Tinha todas as vantagens dos albergues de igrejas, mas com o defeito que no tem banheiro no quarto (hi, quebrei um dos acordos com a Bibi!!).

Memorial

Memorial

Não comentei, mas aqui alem da língua local, se fala francês, devido a colonização belga. Foi divertido a comunicação. Em 2006 trabalhei com engenheiros franceses para desenvolver um produto, fiz algumas aulas particulares na Aliança, pois depois quase fui morara na Franca. Vi que não adiantou quase nada, pois o pouco que sabia, esqueci. Mas me comunicava, e era ate divertido. Eles falam um pouco de Kiswahili também, portanto fazia uma mistureba das línguas e dava tudo certo!!

Num outro dia fomos ate Nyamata, onde aconteceu um massacre terrível em uma igreja. Pra chegar la só de daladala, daqueles podrões. Tava até com saudades! Viagem curta e depois de uma pequena caminhada por esta região rural chegamos ao Memorial. Milhares de pessoas estavam se abrigando dentro da igreja e outras milhares fora, quando foram brutalmente assassinadas (contarei mais detalhes num post especifico). As roupas continuam jogadas dentro da igreja e existem porões onde milhares de ossos estão expostos. Parece macabro, mas talvez seja uma forma de alertar o mundo para que genocídios como estes não aconteçam mais. Contratamos um guia, que estava presente no genocídio, e perdeu muitos familiares. Inacreditável que enquanto comemorávamos as vitorias da Copa de 94 tudo isto acontecia aqui.

Deu um desespero quando ao pedir informação sobre o ônibus para voltar ate Kigali era só as 8:30. Na verdade foi uma pequena confusão. Nas vilas do leste da Africa usam o Kiwahili time, que e dividido entre dia e noite, sempre começando as 6. Oito e meia da manha são 14:30 para nós. Então voltamos para Kigali e fomos encontrar um Ruandês que e membro do Couchsurfing. Saímos para tomar uma cerveja e conversar sobre todas as questões do país, desde o genocídio ate o dia de hoje. O cara fala espanhol fluentemente, além de outras 7 línguas. Aprendeu sempre sozinho. Pinta faixas para levantar dinheiro para comprar material para pintar quadros, sua grande paixão. Nos passou informações importantíssimas sobre tudo o que aconteceu por aqui. Kigali e considerada a capital mais segura da Africa, e apesar de ser noite, caminhamos tranquilamente até o albergue da igreja. A Bibi adorou a experiencia de encontrar alguém do couchsurfing. Quando fazemos uma amizade por acaso e bem mais espontâneo, por outro lado assim temos uma liberdade maior de perguntar o que quiser, pois sabemos que a pessoa esta aberta a responder.

Recebemos um convite para ficar na casa de uma pessoa no Burundi, e no dia seguinte pegamos outro ótimo ônibus para lá.

Anúncios

6 comentários em “Les Milles Colines

  1. Caraca! Punk a história!

    Belos lugares!

    Concentração hj por aí meu amigo, vamos jogar com o lider no Couto lotado e aparente união de todas as forças Coxas!

    Depois te mando email contando como foi o jogo.

    abraço!

  2. Eu não sei se você ainda responde aos comentários do blog, mas vou tentar… 🙂
    Tenho muita vontade de ir para Africa e vi que usa-se muito moto. Dai fiquei com uma dúvida, é moto mesmo ou scooter? Precisa de carteira?
    Obrigado.

    • Respondo sim! O blog ainda está na ativa, cheio de viagens novas 😉
      Quando eu alugava (mais no sudeste asiático) era scooter, mas motoboy que leva na garupa de uma parte para outra da cidade era moto mesmo.
      Scooter normalmente não precisa. Só em países ocidentais, tipo Itália me pediram carteira para alugar. Eu só tinha a de carro mesmo mas deu certo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s