Adeus Lenin!

Com tanta historia antiga, um fato da história mais recente acabou ficando em segundo plano nesta viagem pela Asia Central: talvez o Cazaquistão seja o melhor lugar para tratar deste assunto. Primeiro porque a rota da seda passou só por um pequeno pedaço ao sul do país, e segundo porque ele era como um irmãozinho da Russia, ou talvez um empregado bem obediente.

O Cazaquistão e imenso, o nono maior pais do mundo. Com um território tão grande, era fácil para a URSS esconder varias coisas. Prisioneiros políticos foram mandados aos montes para cá. Os lançamentos espaciais eram feitos daqui (o primeiro homem que foi ao espaço saiu da Cazaquistão!). Testes nucleares foram feitos aqui também  Centenas deles. Muitos subterrâneos  mas uma porção a céu aberto. O Cazaquistão era uma extensão da Russia, é fácil de associar o pais a URSS até hoje, mas não por muito tempo…

A fronteira para o Cazaquistão não fica muito longe de Tashkent. Parecia que a viagem ate Shymkente seria rápida e sem problemas, mas não foi bem assim. Sair do Uzbequistão foi relativamente tranquilo, apesar da revista nas malas. Para chegar perto da imigração do Cazaquistao, tinha um amontoado de gente, que nem de longe lembrava uma fila. Um cara que depois vimos ser amigo dos guardas (ou ate um guarda de folga) nos ofereceu para furar fila se pegássemos um táxi com ele. O valor era alto, e sempre acho meio suspeitas estas situações  Fomos pelo processo normal e foi demorado. Depois de um tempo nos liberaram para outra fila, para efetivamente entrar no prédio  Outra fila la dentro, e depois de mais espera, já com os formulários na mão  a Bibi teve seu passaporte carimbado. Eu nao tive a mesma sorte. O oficial olhava meu passaporte contra a luz, tentava descolar o plastico, saia, voltava, e assim ia ganhando tempo. Ta certo que o passaporte antigo brasileiro ‘e bem tosco (e o meu ainda foi emitido na Malásia , mas tava na cara que ele queria uns trocados. Mas ele não sabia com quem estava lidando. Me enrolou uns 40 minutos, questionou sobre as datas, do porque do meu passaporte não ter chip, e com ajuda de uma mulher que estava na fila que traduzia tudo para mim, fui respondendo. O pessoal da fila ja estava enfurecido, e sendo distribuídos para os outros guichês  A Bibi voltou para ver o que tinha acontecido, e quase barraram ela. Venci pelo cansaço e depois de um bom tempo nos liberaram. Pegamos transporte junto com a nossa amiga-tradutora, e fomos ate Shymkent, onde passamos num caixa eletrônico  coisa que não fazíamos desde a Turquia. Já havíamos combinado que não ficaríamos na cidade (pois teríamos que voltar de qualquer forma) e que seguiríamos viagem para o Turkistan. Uma estrada reta, onde as montanhas foram desaparecendo, e a paisagem ficou plana e desértica  ate com camelos ao lado da estrada.

Nosso hotel tinha vista para o belo mausoléu do Kozha Yasaui (lugar mais sagrado do Cazaquistão , além de outras edificações imponentes. Assim como grande parte de Samarkand, aqui estas construções também foram erguidas a pedido do Timur. Yasaui foi um dos maiores de todos os Sufis. Responsável pela aceitação do Islamismo na Asia central, e com seguidores em toda a região inclusive o famoso sufi Molavi.

Arranjamos um cafe onde repetimos praticamente todas as refeições  fizemos um amigo na rua que nos acompanhou nas visitas e conversamos bastante, e encontramos uma pessoa que explicou tudo sobre o lugar, da parte religiosa à histórica  o que fez com que entendêssemos muito melhor sobre o que aconteceu ali.

Já conhecíamos o caminho de volta para Shymkent, e la fomos para um hotel bem atípico  Ficava dentro de um shopping (meio galeria, mas bom). Como se tivesse um hotel dentro do shopping Batel em Curitiba. Comemos num delicioso restaurante turco e demos uma volta pela cidade.

Na manha seguinte sedo fomos no escritório de imigração  Todo estrangeiro tem que se registrar antes de completar 5 dias que chegou no pais. O oficial alegava que eu tinha que me registrar em Almaty, pois a empresa da carta convite era de la. Depois de muita insistência falou que o meu hotel poderia fazer o registro. No hotel falaram que não podiam fazer o registro, mas que dariam uma carta falando que estávamos lá. Logo apareceu uma pessoa se oferecendo para fazer por algumas dezenas de dólares (claro que ele tinha esquema com a imigração . Não desisti e encarei a burocracia e corrupção  e no final acabei vencendo!! Eba, comemoramos gastando o dinheiro em outras coisas. Shymkente ‘e uma cidade bem agradável, e gostamos da estadia.

Pegamos ônibus errado, depois ônibus certo (vcs acham que e fácil ler em russo ou cazak no alfabeto cyrilico?!), e fomos ate Sayram, pequena cidade da época da Rota da Seda que ficava ha poucos km dali, e onde nasceu o Yasaui. Não sobrou muito da cidade antiga, além de um ou outro monumento. Caminhamos um pouco, vimos a devoção no mausoléu da mãe do Yasaui e na mesquita principal, pois era sexta-feira. No final das contas, valeu mais a parada para tomar chá e bater um papo com uns tiozinhos dali, comprar umas frutas e se divertir nas Marshutka (minibus local).

Em Shymkent ja garantimos nosso lugar comprando a passagem de trem para Almaty, que prometia ser a cidade moderna do Cazakistao, para alguns dias depois, e nesse meio tempo fomos ate a cidade de Lenger, onde havia o belíssimo Parque Nacional Sayram-Ugan nas montanhas. Sabíamos o nome de uma pessoa que trabalhava em um cafe, que organizava as visitas e hospedagens por la. Chegando no cafe, o tal Alikhan não estava, e ninguém sabia se iria voltar. Pior, ninguém nem sabia do tal parque, e falavam que era em outra cidade. Detalhe que para se comunicar tivemos até que desenhar!! Depois de um bom tempo de espera e sem outra opção  decidimos tentar encontrar uma solução fora dali. Caminhamos e tentamos pegar informação com alguns locais que estavam em frente a um mercado. A pessoa que procurávamos parecia ser conhecida (a cidade é bem pequena), e gentilmente nos colocaram dentro do carro e foram procurar onde ficava a casa dele. Passamos numa casa, em outra, ligavam, e depois de um tempão chegamos ate a casa do Alikhan. Oferecemos para pagar o combustível  mas eles não aceitaram, queria ajudar só ajudar. A pessoa que procurávamos não estava, mas a filha dele sim. Ela cozinhou para nos, e esperamos a tarde inteira ate ele chegar. Estávamos a pouco tempo no Cavaquista, mas pelas experiencias que vinhamos tendo, os Kazaks eram o povo mais simpático dentre os “stãos”.

Finalmente o Alikhan chegou, e pudemos organizar nossa visita. Primeiro dormimos numa casa/fazenda de uma família  bem perto do parque, onde tivemos a possibilidade de experimentar leite de égua pela primeira vez. Não era o leite puro e sim o fermentado, que todos aqui dizem conter um pouco de álcool. O gosto era no minimo esquisito! Eles adoram leite de égua, e preferem ao de vaca.

Dia seguimos ate o parque, onde dormimos em um Yurt, aquelas barracas redondas dos mongóis  e que passaram a ser utilizadas em toda Asia Central. O lugar era muito bonito, um vale, cheio de cavalos e carneiros, com um riozinho de desgelo passando ao lado, e as montanhas ao fundo. Fizemos varias caminhadas, algumas por pastos que pareciam um tapete de flores. A Bibi encarou ate um banho gelado de rio. Longe da eletricidade, o céu era totalmente estrelado, e o topo do Yurt era aberto. Mesmo a temperatura caindo a noite, dentro continuava quente.

A volta de Lenger para Shymkent foi corrida, e fomos direto para a estacão de trem. Compramos uns mantimentos, e ao entra no vagão descobrimos que estávamos na saída de emergência  e as janelas não abriam. Nosso vagão também não tinha ar-condicionado. Eu adoro trens, mas não estávamos tendo sorte ultimamente. Não preciso nem falar que estava um calor infernal, e que só molhando a toalha para poder dormir. Estávamos num vagão sem cabine, e a interação era mais fácil  Varias famílias russas-kazaks, e nos comunicamos como pudemos. Pela manha mal deu tempo de comprar uns quilos de maca verde numa das paradas e jã estávamos chegando a Almaty, antiga capital (recentemente mudou para Astana, uma cidade projetada, meio “Dubai”), e cento econômico do país.

Almaty e uma cidade bem moderna para os padrões da Asia Central. Chegam a dizer que parece europeia, mas so se for do leste europeu. E uma cidade bem soviética  toda arborizada, com aqueles prédios em forma de bloco, tudo com as montanhas nevadas ao fundo. Por outro lado, tem bares, cafés descolados, e bastante balada. Carros modernos e caros contrastam com os onibus caindo aos pedaços, e os trens urbanos também. Caminhamos pela parte moderna, pela Igreja Ortodoxa, prédios do governo, teatros, parques e também comemos muito bem.

A pedido da Bibi fomos num restaurante italiano bem recomendado. Era daqueles caros (Almaty ‘e uma cidade cara), mas que se tomar cuidado com os “extras” se encaixa no budget da viagem. Só uma salada e pão para acompanhar o prato principal, sem sobremesa nem cafezinho. Quando o garçom abriu a garrafa de água rosqueando a tampa vi que estaria em problemas. Só a água custou 8,5 dólares!!! Teríamos que comer bastante shashlik e plov para compensar!hahah

Passamos horas nos cafés olhando o pessoal moderninho chegar com seus carros novos. Ate ensaiamos de pegar uma balada, mas nao era o dia certo e acabamos num barzinho. No cardápio cervejas com ate 15% de álcool e aperitivos que iam desde batata frita ate carne de cavalo.

As estatuas do Lenin tinham sido mudadas de lugar, mas ainda estavam por ali. Ruas como Kommunistichesky, Lenina, Karl Marx mudaram de nome, os estranhos e feios prédios blocos soviéticos ainda estão presentes, mas provavelmente não por muito tempo. Tudo parece mesmo fazer parte do passado. O Cazaquistão com suas imensas reservas de petróleo parece estar gostando bastante de um dinheirinho, do consumo. Tanto o governo como a população  Qual o futuro dos Kazaks que até pouco tempo atras eram nômades?  Não sei, só sei que Adeus Lenin!

Tchau!

Vistos complicados 2

Os posts sobre vistos complicados já esta servindo mais para desmistificar alguns vistos do que outra coisa. Não sei se eu tenho viajado demais, mas já não são tao complicados. Podem ser um empenho, mas nada que nao se possa contornar.

Para viajar para alguns países  como os da ex-URSS (além de outros), muitas vezes e solicitado uma LOI, carta convite. Como ia para a região  resolvi providenciar as LOIs assim que o visto do Irã chegou. Sabia do caso de um amigo que tirou o visto do Uzbequistão sem a carta convite, mas não poderia correr o risco. A carta pode demorar semanas para ficar pronta, e se o visto fosse negado, isto custaria muito tempo a mais em Istambul.

Entrei em contato com uma agencia que providencia o convite sem outros serviços inclusos (muitas vendem um pacote com hotel, transporte…). Eu fiz o pedido para o Cazaquistão  Uzbequistão e Quirguistão  Logo descobri que o Quirguistão não esta solicitando cartas convites para brasileiros.

Visto Cazaquistão:

-Trem de 40 minutos ate a estacão de Florya. Andar 15 minutos, achar o endereço  Descobrir que o Consulado mudou. Tentar se comunicar com os vizinhos para descobrir onde e o novo endereço.  Acabar pegando um táxi até o local. Descobrir que o consulado esta fechado sem nenhum motivo aparente.

-Outro dia, retornar até o já conhecido endereço,  preencher o formulário de 3 folhas, entregar a carta convite e uma foto. Pagar uma taxa num banco perto do endereço antigo, retornar para entregar o recibo. Muita chuva e um taxista que mandou nos descermos no meio do caminho, pq recebeu uma chamada, isso nos atrapalhou também, alem de nos molharmos bastante.

-Retornar no Consulado dois dias uteis depois. Perguntar sobre o passaporte e a mulher não achar. Esperar uns 15 minutos enquanto ela faz diversas ligações.  Chega a pessoa que nos atendeu no outro dia. Procura o nosso passaporte e entrega com o visto (mesmo tendo deixado partes do formulário em branco, como dados dos vistos da sequencia da viagem).

Quirguistão:

-Tram, subida e uma ladeira, Consulado fechado. Espera. Abre. A mulher passa por nós varias vezes e não fala nada. Arruma a mesa dela. Vai para a cozinha. Faz chá  Toma chá enquanto vê os emails. Nos chama na frente de uma família que chegou antes. Formulário de uma só pagina e foto. Pagar taxa no banco ali perto. Escritório do banco (que não é no banco). Entregar o recibo. Falaram para voltar em 4 dias uteis. Dei uma chorada pois tinha que pegar o visto do Uzbequistão  Deixou eu ficar com o passaporte e entregar no dia seguinte, e prometeu o visto para 3 dias uteis (antes do fds).

Uzbequistão:

Carta convite atrasou sem motivo. Preenchi formulário na internet e imprimi copia. Coloquei “ainda esperando” no local onde pedia o numero da carta convite (não imprimia se não estivesse preenchido). Tram, funicular em vez de subir a ladeira pois estava chovendo, metro, descobrir qual micro-ônibus vai ate o bairro do Consulado. Ao chegar, subir uma escadaria na chuva. Aguardar a vez. Entregar o formulário e foto. Torcer para não falarem nada da carta convite. Descer a escadaria (uma quadra de escada) na chuva e ir ate o banco. Pagar a taxa, levar o comprovante. Esperar (com os pés molhados) 4 hrs num cafe/restaurante. Pegar o visto mesmo sem carta convite. Comemorar, descer as escadas com o novo amigo viajante que estava pegando visto. Pegar micro-ônibus  pegar metro. Ir até o consulado do Quirguistão  Entregar o passaporte. Escutar que vai demorar 4 dias mesmo, e não 3 ( e com isto perder o trem do final de semana).

Então, pode ser empenho, complicado neste sentido, mas difícil também não é. Achei que até foram fáceis  Claro que não se comparam ao vistos que pegamos nas fronteiras, mas aquele mito de “sera que vão me dar o visto”  nestes casos é um pouco de exagero.

Caso alguém precise dos endereços  preços  nomes dos transportes de tudo isto em Istambul, é só falar. Não coloquei, pois ficaria meio chato para quem não vai usar.

Bem, logo a viagem propriamente dita começa, e ainda existem algumas embaixadas para serem visitadas.

 

How I posted in Lonely Planet forum:

Hello, I just want to share my experiences about getting Central Asian visas in Istanbul.

Kazakistan (with Loi):
The Consulate is no longer at Florya Caddesi 62. It is on the corner of Konakli and Germeyan, not far from there.
Get the train from Sirkeci to Florya station, takes about 30 to 40 min (1,75 lira). It’s about 15 minutes walking, or 4,5 lira by taxi (it was raining a lot).
You have to fill the 3 page application, one photo, and pay at the Bank (another 15 min walk or 5 lira taxi). The cost of visa depends of your nationality. Brazilians have to pay 30 usd, and some Canadian had to pay 100 usd. You have to pay 6 lira commission to the bank. You co back and give the recite to them, and have to wait 2 working days.
On the application asked about the next country visa or Loi. I left it blank, but got the visa.
Open 9-12 and 15:30 to 16:30

They didn’t talk much there, but was easy process.

Kyrgystan:
The Consulate is on La Martin Caddesi, 7. Going out of the funicular exit, make a diagonal on your right side. Very easy to find.
Got the one page form, gave them a picture an no Loi was required. Payed the 80 usd for the visa at a bank 5 min from there. Went back, and she said to pick up the visa 4 working days later. I Begged for 3 working days and she agreed. She let me stay with the passport one more day so I could get the Uzb visa. Had to give back the passport before 17 of the following day.

Open everyday 10-12 and 14 to 17.

The lady took her time to start to work in the morning. Had tea, checked emails, but after was extremely friendly and helpful.

Uzbekistan:
I had appied for the Loi 3 weeks before, but since it had not arrived, decided to try without it.

Take the metro (1,75 lira)on Taksim and stop at 4 Levent. Exit on “Yeni Levent” and catch the minibus (1,50 lira) to Istiniye (ask to be dropped at “Devlet hastanesi”. The consul is on a parallel street as the one you will go down. You have to go up on the hill. (thanks Cam & Noemi!)
Sehit Halil Ibrahim Caddesi, 23 .
You MUST apply at www.evisa.mfa.uz and bring one copy with you.
Open Mon, Wen, Fri 10-12 and 15-17
Payed the 80 usd at the bank, plus 6 lira commission and got the visa in the same day, without Loi.

Not much talk there. They want you to have everything on hands and ready. Not that friendly but very straightforward.

If you buy the akbil, you will pay less every transport in a row that you get.

I hope it helps.